Bauza vê “novo São Paulo” em ação; veja o que mudou desde a estreia

A derrota por 1 a 0 para o The Strongest, da Bolívia, em casa, na estreia da fase de grupos, tornou a vida do São Paulo muito difícil na Libertadores.

Aqueles pontos perdidos dão cara de final à partida desta quarta-feira, às 21h45, contra o River Plate, no Morumbi (com ingressos esgotados e transmissão da TV Globo e do SporTV .

A vitória é fundamental para tentar a classificação na semana que vem, na altitude de La Paz, novamente diante dos bolivianos.

Edgardo Bauza se apoia em sua impressão de que sua equipe mudou muito daquele dia 17 de fevereiro para este 13 de abril. Na visão do técnico, atualmente, os jogadores reagem muito melhor às suas orientações, todos estão mais adaptados e entrosados.

Mas as mudanças são tão profundas assim? O São Paulo que jogará seu destino na Libertadores é tão diferente do que atuou naquela desastrosa derrota? O GloboEsporte.com analisa:

MAICON

Maicon São Paulo Trujillanos (Foto: Marcos Ribolli)Maicon é um dos líderes do grupo, mesmo com pouco tempo de contrato (Foto: Marcos Ribolli)

O zagueiro assistiu da numerada do Pacaembu à derrota para o The Strongest, já que havia acabado de ser contratado do Porto, de Portugal. Em pouco tempo, sua postura dentro de fora de campo conquistou a comissão técnica. Ele é considerado por Bauza um dos líderes do grupo. Emprestado ao São Paulo com um contrato de apenas seis meses, até fim de junho, Maicon participa com Rodrigo Caio e Lugano de um rodízio no time titular. Na primeira partida contra o River Plate, em Buenos Aires, ele formou dupla com o uruguaio. Ambos se destacaram no empate por 1 a 1. Dessa vez, o parceiro será Rodrigo Caio. Por enquanto, algumas falhas técnicas e a falta de velocidade no mano a mano foram superadas por sua personalidade.

LUGANO

Lugano São Paulo (Foto: Marcelo Hazan)Lugano ficará no banco de reservas nesta noite, diante do River Plate (Foto: Marcelo Hazan)

O zagueiro não será titular, mas é opção para Bauza. Antes de estrear, o uruguaio foi protagonista no Pacaembu. No vestiário, ele discordou do pacto de silêncio por direitos de imagem atrasados. Sua intenção era preservar os jogadores de uma revolta da torcida, justamente o que acabou acontecendo, principalmente com Michel Bastos, acusado de mercenário. Agora, Lugano já está em atividade. Nesta quarta-feira, ficará no banco de reservas, enquanto Maicon e Rodrigo Caio serão os zagueiros da equipe.

JOÃO SCHMIDT

João Schmidt São Paulo (Foto: Érico Leonan / saopaulofc.net)João Schmidt ganhou vaga de Thiago Mendes no time titular (Foto: Érico Leonan / saopaulofc.net)

No início do ano era impossível imaginar que o jovem de 22 anos pudesse tirar a vaga de Thiago Mendes, um dos melhores do time em 2015. Mas o titular não manteve o desempenho, e Schmidt mostrou que merecia mais chances. Virou titular e fez um gol contra o Trujillanos, da Venezuela, na goleada por 6 a 0, na semana passada. Hoje, é um dos pilares da esperança tricolor de um melhor futebol nas próximas rodadas. A qualidade no passe e o bom posicionamento são duas das virtudes do jogador, revelado pelo São Paulo.

KELVIN

Kelvin São Paulo Trujillanos Libertadores (Foto: Marcos Ribolli)Kelvin fez dois gols nas últimas semanas e é o atual dono do lado direito (Foto: Marcos Ribolli)

Outro que era recém-chegado na derrota de fevereiro, e demorou a ter chances, mas a partir do gol marcado contra o Linense, no fim do jogo, o cenário mudou. O atacante se aproveitou das lesões de Centurión, Wesley e Rogério, e, mais incisivo do que Daniel, outro testado no setor, ganhou a confiança da torcida e do Patón. Voltou a marcar em cima do Trujillanos e é, por enquanto, o dono da posição. O drible e a presença de área sempre que as jogadas são construídas do outro lado são, por enquanto, suas maiores armas.

4-2-3-1

campinho São Paulo River Plate Libertadores (Foto: Arte: GloboEsporte.com)Time que entrará em campo contra o River tem mesma formação, mas atletas diferentes (Foto: Arte: GloboEsporte.com)

Exceto alguns raros testes, Edgardo Bauza não mudou a maneira de o São Paulo jogar. Esse é seu sistema. Depois de muita insistência em jogadores em má fase, caso de Centurión, por exemplo, o treinador se abriu a mudanças. Testou Wesley, colocou Rogério em mais de um setor na linha de três da frente, observou Daniel, efetivou Kelvin, trocou Thiago Mendes por João Schmidt, rodou seus zagueiros. Mas sempre no mesmo formato, na mesma ideologia de jogo, que, segundo ele, agora é mais bem compreendida pelos jogadores.

TRIANGULAÇÕES

Embora Bauza ressalte melhoras no São Paulo, a principal força continua sendo o lado esquerdo, como já era no início do ano. A diferença é que agora os jogadores estão mais azeitados. Mena e Michel Bastos contam com os apoios de Ganso e dos volantes Hudson e João Schmidt para construírem jogadas de linha de fundo. Do lado direito, entretanto, Bruno e Kelvin não têm companhia tão frequente, e dependem mais de arrancadas e lances individuais.

GANSO

Ganso, do São Paulo, comemora gol contra Ituano (Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net)Ganso, do São Paulo, comemora gol contra Ituano (Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net)

Os gols do meia aliviaram muito a posição já desconfortável do São Paulo na Libertadores. Ele fez contra River Plate e Trujillanos, ambos fora de casa, garantindo dois pontos ao clube, embora tenha perdido um pênalti na Venezuela. Sua “vibe artilheira” foi uma conquista em conjunto com o Patón, que, apesar da exigência para que todos do time ajudem a defender, dá certa liberdade a Paulo Henrique Ganso no sistema de marcação, formado por duas linhas de quatro e tendo o camisa 10 mais à frente, ao lado do centroavante Calleri. Naquela derrota para o The Strongest, fazê-lo chutar a gol era um enorme martírio.

AMBIENTE
Na avaliação de Bauza, ele e os jogadores se entendem melhor agora do que no início do ano. Uma evolução natural do trabalho de um técnico estrangeiro. O Patón julga ter conseguido transmitir ao grupo suas ideias de jogo.

Edgardo Bauza São Paulo (Foto: Érico Leonan/saopaulofc.net)Edgardo Bauza vê São Paulo melhor agora do que no começo do ano (Foto: Érico Leonan/saopaulofc.net)

Depois de problemas de relacionamento no grupo, dividido por questões como direitos de imagens atrasados, supostos privilégios a atletas estrangeiros e até mesmo cobranças de pênalti, a ideia geral é que há um bom ambiente. Sem unanimidade, com insatisfeitos, mas algo que não compromete o desempenho.

 

Fonte: Globo Esporte

3 comentários em “Bauza vê “novo São Paulo” em ação; veja o que mudou desde a estreia

  1. Nao gosto desse estilo do Bauza 4-3-2-1, prefiro o bom e velho 4-3-3, mas fazer o que ele nao sabe treinar outra coisa, nao sabe escalar outra coisa, por isso que fica essa inconigta todo jogo sera que o time vai jogar, sera que os jogadores vao jogar, assimilaram o que foi treinado e se foi treinado, sera um jogo muito dificil, e nao pq o estadio vai estar lotado que isso muda, time argentino esta acostumado com torcida barulhenta e que pega no pé, eles vao cadenciar o maximo o jogo, catimbar o maximo que der, irritar os jogadores do sao paulo e se der fazer um golzinho que ai mata tudo.
    Sendo muito otimista 1×0, realista 0x0, pessimista 0x1

  2. bauza, fechou o meio campo? falou para seus volantes para saírem da lateral e jogo no meio que o seu lugar ,falou também para subi um de cada vez e nao os dois

    pronto essa e forma da vitoria fez isso ganha nao fez só um milagre

    como poucos aqui eu sempre disse que o soberano nao estava fora da libertadores diferente de muitos aqui

    domingo luladrao ganha da globo ,TSE caça dilma e temer a daqui a 90 dias eleições

    pra sempre soberano

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*