Bauza diz ter sido agredido por policial e espera punição branda a Calleri

Em entrevista à Rádio Güemes, da Argentina, o técnico Edgardo Bauza, do São Paulo, afirmou ter sido agredido por um policial boliviano durante a confusão que se formou dentro de campo após a partida contra o The Strongest, em La Paz, na última quinta-feira.

O empate em 1 a 1 colocou o time brasileiro nas oitavas de final da Libertadores. Quando o juiz encerrou o confronto, uma briga entre atletas e membros da comissão técnica das duas equipes levou os policiais a intervirem.

– Eles me acertaram com um cassetete na cabeça. No meio da bagunça, havia de tudo. Duas ou três pessoas não aguentaram a eliminação e começaram todo o problema – afirmou Bauza.

Edgardo Bauza, técnico do São Paulo (Foto: Marcelo Hazan)Edgardo Bauza, técnico do São Paulo, após o jogo contra o The Strongest (Foto: Marcelo Hazan)

A confusão começou quando o atacante Calleri entrou em campo para celebrar a classificação. Os bolivianos se sentiram provocados pelo jogador, que dias antes havia dado uma declaração como se o São Paulo já estivesse nas oitavas de final.

Calleri levou um empurrão e um soco. O árbitro, porém, expulsou o jogador do São Paulo, o que gerou revolta entre os atletas tricolores.

A diretoria promete ir à Conmebol para contestar a punição ao atacante argentino. Bauza, porém, não demonstra esperança em tê-lo na partida de ida das oitavas, na próxima quinta, contra o Toluca, do México, no Morumbi.

– Conhecendo a Conmebol, creio que vamos tentar atenuar a punição. Vamos demonstrar que ele não fez nada.

Bauza admitiu também que havia uma pressão sobre seu trabalho, e que uma eliminação precoce na Libertadores poderia significar a sua demissão.

– Entre os dirigentes e eu a comunicação é muito fluída. Mas quando você dirige um time tão grande, os riscos existem. Quando os jornalistas durante a semana insinuaram (que eu poderia ser demitido), eu disse: quando assinei o contrato também assinei que posso ser demitido – afirmou o treinador argentino.

O São Paulo se classificou com dificuldades, mas para Bauza isso agora não mais importante. O comandante tricolor acredita que a partir dos mata-matas, a Libertadores se torna outra competição.

– Divido duas, a fase de grupos e a partir das oitavas. Agora vamos estudar o Toluca. A primeira partida será no Morumbi, vamos ver o que acontece. Será duríssimo.

Questionado sobre qual o time brasileiro mais forte no torneio continental, Bauza elegeu o Corinthians.

– É o atual campeão (brasileiro), uma equipe que já tem muito tempo de trabalho, um esquema consolidado e bons jogadores. O Atlético-MG também tem bom time, assim como o Grêmio.

Fonte: Globo Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*