Agora número 1, Denis usa mantra de Ceni em busca de vaga na Libertadores

O goleiro Denis enfim pode dizer a todos que é titular do São Paulo, mas ainda usa muito do que aprendeu quando reserva para chegar ao máximo de seu potencial. Após sete anos como suplente de Rogério Ceni, maior ídolo da história do clube na avaliação do próprio Denis, o arqueiro se baseia nas palavras ditas pelo antigo capitão antes de duelos antigos da Libertadores para não ser surpreendido pelo Universidad César Vallejo, nesta quarta-feira, no Pacaembu.

“O Rogério falava muito porque era um campeonato que ele adorava jogar”, comentou o são-paulino, dando exemplo dos mantras ditos por Ceni. “Ele sempre dizia antes dos jogos uma coisa muito importante: independentemente do time que você fosse enfrentar, tem de dar o máximo para não ter erros e a vitória vir”, prosseguiu o atleta, que aparentava rever a cena em sua mente enquanto falava aos jornalistas, no CCT da Barra Funda.

“Tenho isso bem guardado na minha mente, não importa o jogo, o adversário, tem que estar sempre com a concentração lá em cima, dar o seu máximo e conseguir dar alegria à torcida do São Paulo”, afirmou o agora camisa 1, que conversou com o ídolo tricolor pouco antes do início da temporada e recebeu os desejos de boa sorte.

Além da busca pela vaga na fase de grupos da Libertadores, o goleiro tem ainda outro motivo para tratar o duelo de quarta com atenção especial: será o jogo de número 100 dele com a camisa são-paulina. “Fico muito feliz de poder, em um jogo tão importante, substituir o maior ídolo da história do clube. Joguei bastante até, né? (risos). Espero sair de lá classificado e feliz”, desejou, dando as coordenadas necessárias para o triunfo vir sem dificuldade.

“No futebol é complicado falar em favoritismo. A equipe jogou muito bem, tivemos bastante oportunidade, acho que isso foi o mais importante. Se tivermos a mesma criação de jogadas que tivemos lá aqui, temos de ter mais tranquilidade para ter a vitória e a classificação tão almejada para a fase de grupos. Já que isso não aconteceu, vamos nos concentrar ao máximo”, projetou.

Para Denis, faltou à equipe no jogo de ida um poder de fogo maior na hora de definir os lances, principalmente no primeiro tempo. Já escolado com o perigo de equipes sul-americanas pelo tempo que atua no clube, ele lamentou o 1 a 1 no Peru. Agora, porém, ele procura se focar apenas em passar de fase, nem que seja com um simples 0 a 0.

“O sentimento depois do jogo é que a equipe criou bem, bastante oportunidade, mas não concluímos os gols. Tomamos um gol quase indefensável, futebol é bem complicado, tivemos três, quatro chances claras de gol e não fizemos. Mas quarta é em casa, se tivermos o mesmo controle, as mesmas chances, vamos nos esforçar ao máximo para que podemos sair com a vitória”, encerrou.

 

Fonte: Gazeta Esportiva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*