Mais uma derrota, mas ainda é o começo do trabalho

Amigo são-paulino, leitor do Tricolornaweb, ninguém gosta de perder, mas não podemos determinar o final de 2019 no segundo jogo da pré-temporada. Vi comentários de “fora Jardine”, “vamos brigar para não cair”, “Raí montou um elenco horrível”, “Biro-Biro não presta”, “Thiago Volpi não fez uma defesa difícil, tomou todas que foram para o gol”. Calma lá!

Podem me xingar, falar que sou cego, seja o que for, mas querer pregar o cáos no segundo jogo do ano, numa pré-temporada, aí já é demais. Em 2016, com Rogerio Ceni como técnico, fomos campeões desta Florida Cup. Depois chegamos voando no Paulista, goleando todos que vinham pela frente. Até tomar de 3 a 0 do Palmeiras e o mundo cair. Daí para a frente, brigamos sempre para não cair.

O que quero dizer é o seguinte: ou se faz uma pré-temporada condizente ou fica treinando em Cotia, sem jogar contra ninguém, e deixa para ver como está o elenco a hora que estiver valendo alguma coisa.  E vou justificar minha tese: no primeiro tempo, enquanto o time titular esteve em campo, ganhamos de 1 a 0 do Ajax e o time holandês não teve uma única chance de gol. No segundo tempo, com o time completamente reserva, perdemos de 3 a 1. Mas o que se imaginava: que o time reserva do São Paulo fosse ganhar do titular do Ajax?

E não adianta xingar o Jardine porque mudou todo o time. A Florida Cup, para nós, brasileiros, é para isso. É para testar e dar ritmo a todos os atletas. E foi o que ele fez.

Parece estar claro que ele tem bem definidos nove dos 11 titulares. Até que Rojas volte, o time terá Bruno Peres, Arboleda, Jucilei, Hudson, Hernanes, Helinho, Pablo e Everton. As dúvidas ficam no gol, pois numa partida jogou Thiago Volpi e na outra Jean; e na zaga, pois ele quis ver Anderson Martins, mas acredito que jogará Bruno Alves.

Do time titular: Hernanes está começando a entrar no ritmo e se entrosar com o time; Pablo idem; os demais jogadores, que já vem do ano passado, também estão entrando no ritmo. Não esqueçam que o elenco se reapresentou quinta-feira da semana passada, viajou na sexta-feira, treinou sábado, domingo, segunda, terça e quarta-feira, jogou quinta-feira, treinou sexta-feira e jogou no sábado. Então foram seis dias de treino ao todo desde a reapresentação.

Agora será uma semana inteira, já em São Paulo, para treinamentos, no CT da Barra Funda, para jogar sábado, contra o Mirassol, pelo Campeonato Paulista. Serão cinco jogos pelo Campeonato Paulista (Mirassol, Novorizontino, Santos, Guarani e São Bento) para então jogarmos na Argentina, pela Libertadores.

Portanto, vamos guardar nosso stress e possíveis críticas ao trabalho para os jogos da Libertadores, pois até lá, para mim, será uma grande preparação, com treinos – alguns valendo, outros não – para dar conjunto ao time. Um conjunto não tão difícil de pegar, afinal a diretoria conseguiu manter todos os titulares que jogaram no ano passado. Um passo à frente na preparação.

14 comentários em “Mais uma derrota, mas ainda é o começo do trabalho

  1. Após alguns anos sem ir para libertadores, esse ano não chegaremos nem a fase de grupo resultado de um técnico ainda imaturo para o tamanho da responsabilidade. Se mantido, seremos reibaxados já no campeonato paulista, fator que devera se refletir no brasileiro.
    2019 tinha tudo para ser melhor, mas voltaremos a nos espelhar no projeto de nossa dieretoria de transformar o SP no Vasco, respiremos enquanto ainda não somos a Portuguesa.

  2. É ruim perder qualquer jogo mas estes além de não valer nada serviram apenas para dar ritmo de jogo mais rápido aos jogadores nesta curta pré temporada.
    Eu tbm achei que não era a hora do Jardine ainda , porém não vai adiantar ficar sofrendo por antecipação.
    As vezes uma vitoria esconderia defeitos e nos daria falsas ilusões.
    Tbm gostaria que chegassem Pato, Miranda, Daniel Alves e outros, porém como não chegaram vou torcer por quem está lá, é a única coisa que me resta.

  3. Cego você não é, agora não sei pq fica passando pano, e não fala sobre o ponto principal, que ainda o time carece de reforços.

    Raí contratou um monte de tranqueira, e muita gente bateu palmas.

    A cagada já está feita, não tem técnico, e não seria um uma grande surpresa o São Paulo cair nas preliminares da libertadores.

    To achando que o Jardine não pula carnaval como técnico do São Paulo.

  4. Eu não vou crucificar o André Jardine nesse início de trabalho. Vou dar um tempo… talvez mais um mês para os gordos emagrecerem e o Carlinhos Neves dizer a que veio. Contudo, suas declarações pós-jogo me deixaram com um pé atrás. Lembrou aquelas infelizes catilinárias recitadas pelo Bundão Junior, lembram-se dele? Bom Pai, juntamente com Bob Filho, a cada resultado negativo, dizia na entrevista: “que o time estava evoluindo.” Dizia num nonsense absurdo, que “a torcida deveria ter paciência, a despeito do derrota” Ontem, lamentavelmente, Jardine se portou como o Bundão, se dizendo satisfeito. Com o quê, cara-pálida? Duas derrotas, uma na base da sacolada, e você se diz satisfeito? Mal presságio… Denotou um cara fraco, que diate do fracasso, vê somente as coisas positivas e, de fracasso em fracasso, enaltece os poucos pontos positivos. Quem viu a entrevista do Abelão no pós-jogio, pode medir a diferença de atitude. Abel se disse insatisfeito, criticou a indolência de alguns jogadores e disse que eles deveriam se aplicar muito mais. Postura muito diferente, de alguém que vai cobrar a performance, independente do resultado positivo. Nesse quesito, nosso treinador se mostrou um fraco… alguém vai se impor somente com aqueles que até o ano passado eram da base. Acho que ele não terá pulso suficiente para lidar com os cobras criadas. Sem querer bancar o dono da bola de cristal, estou achando que ele vai sucumbir no primeiro biquinho do Nenê. Como líder e depois das declarações pós-jogo de ontem, continuo achando que ele ainda está verde demais. Deus queira que eu esteja enganado. No final de março já será possível avaliar o que nos espera neste ano da graça de 2019, o décimo sem nenhum título importante.

  5. Caro Paulo Pontes,

    Concordo com a sua tese sobre a pré temporada como um período em que observar e ajustar o time é mais importante do que os resultados dos jogos, porém este ano o que muda esse panorama é termos quatro jogos decisivos em fevereiro, e Jardine já começou tendo culpa nisso.

    O então técnico estreante obteve campanha de 1V 2E 2D naquela reta final de Brasileiro (33% de aproveitamento), sendo três jogos contra times que lutavam para permanecer na Série A.

    Com esse “período de experiência” é difícil entender e defender essa escolha da Diretoria.

    Os próximos capítulos já conhecemos. Em uma maratona de jogos passaremos pelos dois confrontos da pré Libertadores no sufoco e estaremos com fraca campanha no Paulista. Em Abril Jardine é demitido e começamos o Brasileirão e a fase crítica da Libertadores com um novo técnico que não treinou a equipe, prejudicando nossa campanha nos pontos corridos.

    Infelizmente a esta altura a manutenção de Jardine interessa mais aos adversários do que ao SPFC.

  6. Bom… criticaram pq era primeiro jogo do ano! Aí vieram os donos do SPFC, e pediram que se calassem. E agora… para os Zé arroelas… podemos criticar?
    Tudo é começo, Paulo Pobres, há DEZ ANOS!
    Eu ainda nãome acostumei a perder!

  7. Os caras preferem amistoso contra time da 4 divisão.. Aí o time vai ganhar de 7 a zero e já acham que vai ser campeão….
    Gostei do que vi,e vi uma evolução do primeiro para o segundo jogo.
    Acho que o time pode ir longe

  8. O tal de biro biro é muito fraquinho
    Já o Brenner q eu meto o pau hoje foi bem
    Aquele volante q veio do vitória é muito combativo e tb será útil
    Agora o Lizieiro tem q resolver se quer ou não jogar bola

  9. Está tudo bem mesmo, nada de pressão, depois não adianta chorar o leite derramado…

    Elenco completo para disputar todos os campeonatos segundo o diretor de futebol. Técnico que é aposta… mas está tudo bem!!!

    Como o João diz, nos acostumamos a perder!!!!

  10. Florida Cup não serve de parâmetro e, sinceramente, acho uma p… cagada jogar esse torneio. Mas a gente começa o ano com muita desconfiança, sim, independentemente desses treinos de luxo iniciais.
    – Se passa pela cabeça do Jardine ser Guardiola ou Fernando Diniz, como ele esboçou, eu fico de cabelo em pé.
    – O time foi falsamente reforçado, com vários reservas de qualidade duvidosa. Hernanes e Pablo substituem Nenê e Diego Souza, que não eram nossos maiores problemas. O time carrega diversos problemas técnicos do ano passado.
    – O time continua inferior tecnicamente a Palmeiras, Flamengo e Grêmio, talvez ao Inter e ao Galo também. Num âmbito de Libertadores, inferior a Boca, River e Atlético Nacional.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*