“Turma de 96” do São Paulo aguarda a chamada; veja as promessas

Se uma desgraça seletiva acometer o São Paulo – todos os laterais forem atacados pelo zika vírus, ou todos os atacantes forem sequestrados por algum grupo extremista –, Edgardo Bauza terá acesso a uma solução rápida, barata e eficiente.

Basta ligar para André Jardine, treinador do time sub-20. “Nossa missão é ter ao menos um bom jogador em cada posição, prontos a assumir as tarefas necessárias no time de cima”, diz o treinador, que ganhou quatro dos sete títulos disputados na última temporada. Recentemente, o clube conquistou a Libertadores Sub-20.

Ele não cita nomes – acredita que isso seria uma intromissão indevida no trabalho de Bauza –, mas deixa claro que a turma de 1996, que vive seu último ano de júnior é a que está mais pronta para ajudar. “Todos eles terão futuro no futebol, basta ver se conseguirão fazer isso no São Paulo ou se irão para outra equipe”.

Os elogios são fartos:

Foguete – “É um jogador muito eficiente, que dificilmente é vencido. Tem grande poder de marcação. Dizem que é baixo, mas é a mesma altura de Daniel Alves ou Lahm”.

Inácio – “Tem força, altura e está quase pronto. Precisa melhorar um pouco defensivamente”.

Maidana e Kal – “Formaram a dupla de beques que venceu a Libertadores. Foram muito bem”.

Artur – “É um volante de campo inteiro, com boa saída de bola. Vai evoluir bastante”.

Banguelê – “É o clássico primeiro volante, homem de contenção. Tem força e personalidade”.

Joanderson – “É centroavante, tem presença na área e boa colocação”.

Luís Araújo – “Tem velocidade, cruza bem e é muito forte”.

David Neres, o queridinho da torcida, ainda precisa de cancha. “Ele vai estar muito bem no final do ano, vai evoluir bastante, tem conceitos ainda a assimilar. Infelizmente, vai operar o ombro e ficará quatro meses parado”.

Heron, centroavante da Desportiva, e Felipe Saraiva, armador da Ponte Preta, foram contratados esse ano. Ambos têm 18 anos.

 

Fonte: Uol

6 comentários em ““Turma de 96” do São Paulo aguarda a chamada; veja as promessas

  1. infelizmente , eu nao vejo ninguém da base este ano pronto para jogar no soberano quem sabe em 2017 .

    perdemos o cuca ,agora é torcer e rezar muito para o bauza organizar o soberano .

    por favor ,nao contratem levi culpe porque ele e 10x pior que o bauza .

    pra sempre soberano

  2. De que adianta ter um time muito vencedor na base e nunca utilizá-los?
    É preciso ter convicção e saber como fazer para utilizar os jovens, coisas que treinadores tipo Patão e Murici Ramalho, não são capazes. Treinadores como eles, extremamente conservadores e pouco conhecedores de novas técnicas de treinamentos, preferem os “medalhões”, jogadores com muita rodagem e algum nome que possam se responsabilizar pelos resultados negativos (tipo o que vem acontecendo agora com o Michel Bastos), ao invés de “arriscar” jogando com novos valores. Somente uma extrema necessidade poderá levar esse tipo de treinador a arriscar um novo valor.
    E, para ajudar, quando os responsáveis pelas contratações (o Antaide e o 3%) contratam jogadores como Kieza, Kelvin, Lugano e o próprio treinador, o que esperar de futuro para esses garotos no SP. Melhor fazerem como o Oscar e o Lucas Piazon: forçarem suas saídas para outros clubes…

  3. No mínimo 05 jogadores poderiam se juntar aos profissionais e com certeza diminuiriam em muito a folha de pagamento.

    Ainda é cedo mas sinceramente eu não sei se foi uma boa opção contratar Kieza e Kelvin, e ainda manter Wilder. O futebol desse pessoal não tem nada de especial, são jogadores medianos por onde passaram.

  4. Eu subiria todos, mesclava nos jogos para dar cancha a todos e, no próximo ano, dispensar toda essa cambada de endolentes e usar a garotada. Já que não ganharemos nada este ano, poderia usá-lo para preparar para os próximos. Com Bauza, Cuca, Guardiola, Mourinho, Klopp, Milton Cruz, Doriva, Luxemburgo, quem quer que seja.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*