São Paulo não ajudará preso em Brasília, que protegeu Juvenal em churrasco

A diretoria do São Paulo já definiu que não dará qualquer auxílio jurídico a nenhum dos três torcedores do clube presos em Brasília por agredirem um flamenguista antes do confronto entre as duas equipes no último domingo, no Mané Garrincha. Um deles, porém, é presidente da torcida organizada Tricolor Independente e saiu em defesa do presidente Juvenal Juvêncio recentemente.

É Ricardo Alves Maia, de 37 anos, conhecido como “Negão” entre membros da organizada. Há cerca de um mês, Maia e outros três integrantes da Tricolor Independente estiveram presentes em um churrasco na sede social do São Paulo, em que Juvenal discutiu com sócios e conselheiros aliados à oposição na sede social do clube. Maia e outros integrantes partiram em defesa do presidente.
Antes disso, a organizada já havia vetado protesto de torcedores comuns contra Juvenal Juvêncio, no Morumbi. Depois dos episódios no estádio e na sede social, a Independente emitiu nota em repúdio ao ex-superintendente do clube e pré-candidato de oposição, Marco Aurélio Cunha, em comunicado encaminhado a todos os associados ao programa sócio-torcedor do São Paulo, pelo próprio clube. A diretoria tratou o episódio como um erro de um funcionário, e diz já ter resolvido internamente.
Além de Maia, os outros dois torcedores detidos também são integrantes da organizada. Genivaldo da Silva, 34 anos, e Moisés Oliveira Paulino, 46 anos, foram presos por lesão corporal grave, assim como o presidente da torcida. O trio foi transferido para o Complexo Penitenciário da Papuda ainda na segunda-feira.
A vítima, o flamenguista morador do Distrito Federal, de 38 anos, teve a mandíbula quebrada a chutes socos e golpes com barras de ferro, além de ferimentos na cabeça, rosto e todo o corpo. Ele passou por cirurgia no Hospital de Base de Brasília e, de acordo com boletim médico divulgado na manhã de segunda-feira, tem estado estável e segue internado.
Procurada pela reportagem, a torcida Tricolor Independente afirmou que os três integrantes detidos em Brasília não participaram das agressões e não compactuam com o ato de violência. Os três têm antecedentes criminais, assim como a vítima, e foram detidos com base nas imagens do espancamento, segundo a polícia.
Fonte: Uol
Nota do PP: Quanta ingratidão. Juvenal foi socorrido por um destes marginais e agora não retribui a ajuda.

3 comentários em “São Paulo não ajudará preso em Brasília, que protegeu Juvenal em churrasco

  1. Nossa policia deveria agir como a boliviana, agiu em Oruro.

    Os caras ainda estao presos por la.

    Essa dependente narcisista, amiga desse presidente mentiroso,

    que esta fazendo de tudo para levar nosso time pra segundona,

    deveria ter um time prorpio para torcer e nao se esconder

    gratuitamente atras de nossas tradicoes. Eles nem torcem, pro nosso

    time, torcem pra eles mesmos. E uma aberracao, junto com essa diretoria

    maldita e mentirosa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.