São Paulo define o parcelamento de multa milionária para Rogério Ceni

O São Paulo definiu como será feito o pagamento da multa de R$ 5 milhões pela demissão de Rogério Ceni, como previsto em contrato. O Tricolor já havia debitado R$ 400 mil no momento em que o ídolo assinara a rescisão, em 3 de julho. Após reunião com o ex-goleiro, ficou acertado agora que o clube deverá dividir o restante em quatro parcelas.

Segundo apurou o UOL Esporte, Rogério esperava definir a sua situação e um intermediário do clube foi colocado para discutir o assunto com o ídolo. O São Paulo, porém, não confirma oficialmente o caso. Tal questão gerou bastante polêmica nos bastidores do Morumbi. A multa foi definida entre o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, e o então treinador.

Segundo o mandatário, o treinador tinha medo de ser mandado embora caso a oposição vencesse a eleição realizada em abril. Por isso, tal cláusula foi exigida. De acordo com o contrato, a indenização de R$ 5 milhões teria de ser paga para qualquer uma das partes em caso de decisão unilateral de rompimento do contrato. O valor seria reduzido para R$ 2,5 milhões na segunda temporada. Assim, se Rogério Ceni pedisse demissão em 2017, teria de pagar R$ 5 milhões ao São Paulo, de acordo com o documento.

Assinado em novembro do ano passado, o compromisso só previa qualquer alívio no valor da rescisão após o fim da temporada, entre 11 e 25 de dezembro 2017, quando se entende que o clube está fazendo o planejamento para o ano seguinte. Ainda assim, para o São Paulo ficar livre da indenização, Ceni não poderia atingir um percentual superior a 40% em competições oficiais (Campeonato Paulista, Copa do Brasil, Copa Sul-Americana e Brasileiro).

Salários e detalhes do acordo

Para os padrões do futebol brasileiro, Rogério Ceni não tinha um salário tão alto quando comparado aos vencimentos de treinadores de outros grande clubes do país. O ex-goleiro recebia R$ 250 mil por mês, com reajuste semestral pelo IGP-M. O valor da multa foi estipulado também de acordo com o contrato, sendo que o número não poderia superar a totalidade de salários que ele teria a receber durante o tempo que deveria trabalhar no São Paulo (R$ 6 milhões).

A diferença para treinadores anteriores é que nenhum dos antecessores de Ceni teve uma multa estipulada em caso de rescisão. Como é comum no mercado, os demitidos tinham direito a apenas um mês de salário.

Rogério Ceni também não recebia direito de imagem no acordo. Por isso, até se viu em uma polêmica por usar camisas sociais durante as partidas e não exibir a logomarca da Corr Plastik. A empresa tinha acordo assinado em 2016 prevendo a exposição de sua marca no vestuário da comissão técnica. O treinador foi autorizado a manter o vestuário e o clube deu à empresa, como bonificação, o espaço de patrocinador máster do time na reta final do Paulista.

Por outro lado, Rogério Ceni teria a possibilidade de receber bônus em caso de conquistas de títulos nas competições que o clube fosse disputar. Além disso, o treinador teria direito a R$ 300 mil caso o São Paulo superasse os 59% de aproveitamento dos pontos no fim da temporada.

 

Fonte: Uol

11 comentários em “São Paulo define o parcelamento de multa milionária para Rogério Ceni

  1. Infelizmente, nós simples torcedores, não sabemos nada que acontece no clube e nem o que vai pela cabeça das pessoas, as vezes vemos ídolos dentro de campo e idealizamos seu caráter, vemos dirigentes defendendo o clube e achamos que a intenção é boa, mas, acho que na maioria das vezes, somos enganados. Eu tenho uma teoria sobre essa situação muito polêmica, eu acho que o acordo entre o Leco e o R Ceni era vender jogadores, podem ver, quando terminaram as vendas ele foi demitido, convenientemente antes de atingir o limite mínimo de pontos e com isso receber uma multa que mais parece comissão pelas vendas. Parece teoria da conspiração mas não é. Quem ama de verdade o clube é o torcedor que paga ingresso caro pra ver jogos, sofre, chora, toma sol e chuva, vejo muitos de uma forma inconsequente até abandonar pai, mãe, trabalho, pelo amor ao seu clube, talvez até final da década de 70 e início da de 80 ainda poderíamos encontrar alguns jogadores que amassem de verdade seu clube mas depois disso não creio, tudo virou apenas relação comercial, o clube paga e o atleta presta serviço até onde for interessante, quando deixa de ser ou surgir uma boa oportunidade financeira para qualquer uma das partes, babal.
    Posso ser leviano mas é o que eu penso.

  2. Ainda tem gente que não se ligou que o mito foi usado como escudo de campanha. Ele mesmo já deveria saber disso e tomou precauções (multa). O LECOLECO desmanchou o time, comprou só esses perebas, o dinheiro sumiu, o inglês foi embora. Não tinha como o mito reagir a isso tudo. Fizeram um três cantos com ele. Tanto é que Dorival, treinador consagrado, continua na mesma.

  3. 5M o preço pra se reeleger, se fosse do bolso dele, tudo bem, mas não, o dinheiro sairá da venda do desmanche, até quando ficaremos a mercê de tanta incapacidade administrativa, que estão nos levando ao abismo.

  4. Victor,
    Mercenário ele sempre foi, desde quando inventou mentira para pedir aumentos ao SPFC dizendo que tinha proposta da Inglaterra, depois quis discutir aumento de bicho somente para ele na final do Paulista contra o Santos, só o Leco é que não se atinou para este fato e deu o dinheiro para ele, esta grana nenhum técnico do mundo tem em seu contrato uma multa desta. O conselho de administração tem que mandar o Leco pagar do bolso dele, já esta com muito ai.

  5. Uma vergonha essa multa. O cara nunca tinha sido técnico. Recebeu uma chance de graça. Se tivesse mais uma derrota, não teria direito à multa (É o próximo jogo era contra o Santos, na Vila). Enfim, não tenho mais qualquer admiração pelo tal Rogério Ceni. É mais um mercenário.

  6. Insisto nisso, vou ser chato MESMO. Todo mundo que é contra o clube honrar com seus compromissos que parem então de pagar suas contas. Já que trabalhar de graça é um belo exemplo, que saiam de seus empregos e vão la pro Morumbi recolher lixo do estádii depois do jogo, varrer chão, atender telefone, dar assistência pros roupeiros, dar manutenção no social. Tudo de graça. Não estão criticando o profissional por receber dinheiro pelo trabalho? Então hajam com coerência ué… muito bom impor filantropia para os outros.

  7. ´Prá mim o nosso querido Paulo poderia revezar a foto estampada na capa do site do Rogerio Ceni, com nossos grandes idolos como Rai, Lugano, Careca, Pedro Rocha, Tele, Muricy que para o bem do São Paulo aceitou até trabalhar de graça. Já o nosso “querido” mito saiu arrogante, sem título e uma grande multa rescisória. Abusou de sua condição de idolo e deu uma pisadinha na garganta do seu ex-time.

  8. Esse incompetente do Leco e os parasitas dele deveriam pagar do próprio bolso,esses caras são remunerados ,devíamos mover uma ação de responsabilidade financeira ,uma vez que tratam-se de péssimos administradores.Cambada

  9. Esta multa tem que ser cobrada do Leco, irresponsável, pensa que mexer com o dinheiro dos outros é ficar brincando de ser Presidente, deve estar esclerosado para tomar uma atitude destas, se o conselho afinar são coniventes, tem que cobrar para que ele pague.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.