SPFC admite baixar preço do Morumbi para não perder show pro Palmeiras

O presidente Carlos Miguel Aidar admitiu na última sexta-feira que o São Paulo já prevê perda de participação no mercado de atração de shows graças à concorrência com o novo estádio do Palmeiras. Mais moderno e melhor preparado para receber esse tipo de evento, o estádio alviverde é mais atrativo aos produtores que o Morumbi.

Para continuar competitiva neste mercado, a diretoria tricolor admite que pode “flexibilizar” a política de preços do Morumbi, com a venda de pacotes de datas aos produtores de shows. Na prática, isso significaria que o estádio custaria menos do que os atuais R$ 1,5 milhão que o clube costuma cobrar por cada evento.

O estádio palmeirense, administrado pela W. Torre, cobra entre R$ 800 mil a R$ 1 milhão de aluguel, um preço mais em conta neste primeiro ano justamente para apresentar a arena ao mercado.

Questionado sobre isso em um evento no estádio tricolor, o presidente Aidar disse que, com o novo concorrente, há uma previsão de perda de participação no mercado e que só uma reforma no Morumbi pode fazer frente à nova realidade. “Penso que vai ter perda de mercado sim, inegável”, disse Aidar. “O que precisamos fazer é modernizar [o Morumbi]. Estou querendo apresentar o projeto de reforma ainda no final do mês [dezembro]. A execução, claro, vai demorar mais.”

Julio Cesar Casares, vice-presidente de marketing, disse confiar, por outro lado, que haverá demanda de shows para os dois estádios. Ele acredita que a tradição de receber grandes eventos e sua capacidade para até 80 mil pessoas são diferenciais do Morumbi em relação à Arena Palmeiras. “O Morumbi não precisa ser testado. Não lembro de nenhum show lá que tenha dado prejuízo aos investidores”, disse Casares.

O estádio são-paulino recebeu dois grandes shows em 2014, das bandas Metallica e One Direction, ambos no primeiro semestre. O Foo Fighters já confirmou exibição em 2015 e, de acordo com o clube, há previsão de outros quatro shows no próximo ano.

Mesmo assim, a Arena Palmeiras é um concorrente de peso. O estádio é mais moderno e foi concebido já pensando em receber shows, diferentemente do Morumbi. Uma reportagem do blog do Rodrigo Mattos, no mês passado, mostrou que para produtores, a Arena Palmeiras implica em menores custos de produção, além de ser mais bem localizada.

Reforma

Para enfrentar essa realidade, o projeto de reforma do Morumbi é considerado uma prioridade da gestão Aidar, mas sua apresentação ao Conselho Deliberativo foi adiada várias vezes esse ano por causa da turbulência política vivida pelo clube.

No lançamento de uma revista destinado aos sócios do clube, Aidar escreveu que o Morumbi “precisa modernizar suas instalações.” “Sempre nos orgulhamos em dizer que o Morumbi era um estádio à altura do nosso clube e do nosso time, e [estava] dentre os mais modernos do país. Com a chegada das novas arenas em São Paulo, não podemos ficar para trás”, escreveu o cartola.

No projeto da diretoria, o estádio ganharia uma cobertura e uma arena multiuso para 28 mil pessoas, um prédio para estacionamento, além de um hotel.

Sem patrocínio

A receita adicional de shows é ainda mais importante em um cenário no qual o São Paulo ainda busca um patrocínio para a próxima temporada. A Semp Toshiba, que tinha acordo para estampar sua marca no uniforme do time, acabou interrompendo o contrato no meio do ano.

Para aumentar as receitas com o Morumbi, o São Paulo tem investido na promoção de eventos nos camarotes do estádio, além de oferecer serviços não relacionados com o futebol, como um estúdio de música recém-inaugurado.

Já o estádio do Palmeiras receberá o show do cantor Paul McCartney no final deste mês, além dos Rolling Stones no ano que vem . Por contrato, o clube tem direito a até 20% do valor do aluguel e 5% da bilheteria das apresentações feitas lá.

 

 

Fonte: Uol

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*