Jô vibra sem culpa: “É difícil falar em fair play no lance do gol”

O centroavante Jô não deu importância às reclamações de jogadores do São Paulo pelo gol que marcou neste domingo, no empate por 1 a 1 com o rival, que classificou o Corinthians à decisão do Campeonato Paulista. Há suspeita de impedimento quando ele completa para a rede uma bola levantada pelo meia Jadson, em cobrança de falta.

“Não deu para ver. Foi tudo muito rápido. Quando vi, a bola estava na minha frente. Chutei e fiz o gol”, comentou, sem qualquer sinal de culpa. Para alguns analistas, um desvio do centroavante argentino Lucas Pratto dentro da área anula o impedimento corintiano no lance.

Jô só participou do jogo de volta da semifinal porque foi inocentado pelo zagueiro Rodrigo Caio em uma jogada de cartão amarelo, no Morumbi – estaria suspenso se o adversário não assumisse um pisão no goleiro Renan Ribeiro. A atitude de fair play suscitou bastante controvérsia, com discordância dentro do próprio elenco do São Paulo.

Para Jô, Rodrigo Caio foi digno de elogios pelo seu gesto. O centroavante chegou a afirmar que o Corinthians tinha a responsabilidade de retribuir o comportamento neste fim de semana, em Itaquera. “Mas é difícil falar em fair play no lance do gol. Não dá para ver. Foi rápido”, repetiu.

Jô ainda abriu um sorriso quando ouviu que devia a Rodrigo Caio a sua presença em campo. “Isso é coisa de Deus. A gente só tem que agradecer”, afirmou o centroavante, que virou religioso fervoroso e deixou de lado os atos de indisciplina marcantes em
sua trajetória.

Com a polêmica com Rodrigo Caio superada, Jô se prepara agora para enfrentar a Ponte Preta na decisão estadual. O centroavante previu mais sofrimento nas últimas etapas que separam a sua equipe da conquista de um título.

“O Corinthians é assim. É a nossa identidade. O nosso time sabe marcar e sofrer. Por isso, está na final. Temos uma equipe raçuda, que briga e faz os gols nas oportunidades que tem”, bradou Jô, sem pensar mais na queda na Copa do Brasil, diante do Internacional. “Contamos com jogadores maduros para esquecer o que aconteceu no jogo de quarta-feira.”

Marcado
A torcida do Corinthians também não esqueceu a polêmica do primeiro jogo da semifinal. Quando subiu no gramado para realizar aquecimento com os seus companheiros de São Paulo, Rodrigo Caio foi ironicamente homenageado por quem estava no setor sul de Itaquera: “Doutor, eu não me engano! O Rodrigo Caio é corintiano!”.

Por outro lado, o companheiro de zaga de Rodrigo Caio foi marcado pelo público. Maicon, que repudiou a atitude do colega (e comemorou um gol sobre o Corinthians com a imitação de uma galinha, na fase de grupos do Paulista), recebeu vaias a cada toque na bola. Um erro de domínio do defensor dentro da área, no segundo tempo, acabou celebrado como um gol.

 

Fonte: Gazeta Esportiva

2 comentários em “Jô vibra sem culpa: “É difícil falar em fair play no lance do gol”

  1. É difícil para o atacante saber se está impedido ou não num lance desses, não dá para o cara falar isso na hora.

    O Rodrigo Caio fez o certo, mas ele tinha condições de afirmar com certeza o que tinha acontecido.

    Mal o bandeira consegue ver o lance… quem dirá o atacante?

    Não adianta reclamar do Jô… acho que está na hora do SPFC parar de ser um laboratório de improvisações.

    Chegamos a ter dois laterais improvisados ontem. Pô, isso é um clube profissional… isso não pode acontecer. Tem q ter sempre 2 jogadores pra cada posição e no caso dos laterais, ainda ter algum da base pronto para entrar.

    Qualquer xurumela só ataca a consequência, não a causa. A causa é que precisa profissionalizar o clube, não trazer jogador de qq jeito pra tapar buraco. Ficamos trazendo um monte de jogadores por empréstimo, aí chega no fim do ano, fica sem ninguém de novo.

    Precisa também orientar quem acabou de subir, como o Luiz Araújo (que sumiu do futebol depois que ficou famoso arrumou namorada modelo, o que não é culpa dela e nem sei quem é, mas ele precisa manter o foco no futebol independente de namorada ou não, precisa ter inteligência emocional), Junior Tavares também precisa, já que sumiu em campo também.

    Na boa, precisa ser profissional com esse clube. Passamos anos reclamando das consequências, mas as causas continuam as mesmas.

  2. Saudades do tempo que o SPFC era grande, hoje eh uma grande bosta, graças a Juvenal, conselheiros safados e malditoseo lambe bolas do jumencio, o medíocre Lero Leco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*