Gabriel Novaes assume artilharia e conduz São Paulo na Copinha

Após atender pedidos de fotos e autógrafos da torcida ainda no gramado da Arena da Fonte Luminosa, onde fez os três gols da vitória do São Paulo sobre o Rio Claro, na noite de sexta-feira, e assumiu a artilharia isolada da Copa São Paulo de Futebol Júnior, o atacante Gabriel Novaes se aproxima para falar com o repórter informalmente, mas quando percebe que um microfone está apontado em sua direção, recua na hora.

Não se trata de marra. O atleta é tímido, tem “pânico” em dar entrevistas, conforme relatam pessoas que trabalham com o jogador. Ainda assim, com muito esforço e uma dose de carinho da assessora de imprensa do Tricolor, ele concedeu uma breve entrevista ao canal Sportv.

– Estou emocionado. Queria mandar um abraço para a minha família: amo vocês. Sou um pouco tímido mesmo – falou rapidamente, já tentando driblar o microfone.

O técnico Orlando Ribeiro revela que o atleta é reservado até mesmo no dia a dia de trabalho em Cotia e com o elenco durante os jogos.

– Ele é do mesmo jeito: tímido, reservado, na dele. Mas ele tem uma qualidade que poucos têm: determinado, se você deixá-lo no jogo, ele vai correr o tempo todo.

Contudo, o professor do Sub-20 aponta que está trabalhando uma deficiência do artilheiro.

– É aquelea finalização mais fina, como eu chamo, que ele teria de tirar do goleiro, um cabeceio melhor. Então, se com essa dificuldade ele já é artilheiro da competição, quando ele melhorar, então… Tem potencial para ser explorado.

Clima de rivalidade

O Tricolor vai reencontrar a Ferroviária em novo clima de decisão. Se na primeira fase o jogo valia a liderança do grupo, agora vale vaga nas oitavas de final, além do “acerto” de uma situação indigesta com a torcida de Araraquara, que não aprovou o mando de jogo do time ir para Rio Claro, mesmo liderando o Grupo 7.

Pelo regulamento, a FPF define os mandos de acordo com critérios que são levados em conta por uma comissão. Ribeiro espera repetir a atuação diante da Locomotiva, mas sem abusar dos erros individuais como o de Tuta, que custou o empate no primeiro tempo.

– Eu acredito que vai ser um bom jogo, disputado. Nós não temos culpa (da mudança), a rivalidade não é com a gente. Mudamos muito pouco, fizemos um bom jogo contra a Ferroviária, a postura que temos de mudar é prestar mais atenção nos detalhes, em alguns lances esporádicos, individuais. Mas na minha opinião, um dos melhores jogos que fizemos na competiçção foi contra a Ferroviária.

Fonte: Globo Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*