Filho de Pedro Rocha agradece ao São Paulo mas pede homenagem em vida

Pedro Virgilio Rocha Franchetti comemora 70 anos no dia 3 de dezembro. Não haverá festas. Não há motivo. A mulher, os três filhos e os netos estarão ao seu lado, na cama, de onde não sai mais. O Verdugo, um dos jogadores que mais bem resumiu a mistura de força e técnica, já não anda, já não fala e enxerga mal.

A família, de forma polida mas firme, desencoraja visitas. Não queremos chocar ninguém que conheceu o meu pai como um grande campeão. O choque é grande, a gente reconhece”´, diz Gonçalo, 38 anos, um dos filhos.

Um dos maiores jogadores da história do São Paulo (113 gols em 375 jogos) e do Peñarol (81 gols em 159 jogos) Pedro teve artofia do mesaencéfalo, doença irreversível e que não admite sonhos. “Nem com um transplante a gente pode contar porque não há muitos estudos de células troncos nesses casos”, lamenta Gonçalo.

A comunicação é feita com sinais. O dedo polegar direito foi levantado em sinal de aprovação quando soube que Ganso havia sido contratado. “Agora, a gente nem fala muita coisa mais. O São Paulo é o time dele e ele se emociona muito. Meu pai está consciente de tudo, e isso é pior É um sofrimento muito grande”.

Há três anos, quando visitei Pedro Rocha para lhe levar o livro “Tricolor Celeste”, ele ficava em uma cadeira e tinha uma certa dificuldade para andar. Via futebol o dia inteiro e se disse fã de Ganso e de Gerrard. Disse que jogava parecido com o inglês.

Conversei com pessoas que o viram jogar e todos disseram que foi uma acesso de modéstia. Pedro foi melhor, bem melhor que Gerrard. No meu livro “Tricolor Celeste”, Pablo Forlán, pai de Diego Forlán, assim definiu Rocha.

“É o maior jogador uruguaio dos últimos 50 anos. Vou dizer como ele jogava”

1 – Caminhava com a bola, pelo meio, e lançava o centroavante, continuando a correr. Quando recebia a bola, tinha facilidade em marcar

2 – Tocava para um dos pontas e corria para a área. A defesa se preocupava com o centroavante e era ele quem cabeceava

3 – Quando não havia a possibilidade do passe, ele segurava a bola, chegava perto e chutava muito forte, de 30 metros de distancia. De esquerda ou de direita, como no final da Copa América de 67, quando fomos campeões.

4 – Se o ponta esquerda sofria uma falta, Rocha cobrava com o pé direito no canto esquerdo do goleiro.

Com esse repertório, jogou quatro copas do mundo pelo uruguai, de 1962 a 1974. Em seu grande momento, 1970, contundiu-se no primeiro jogo e ficou de fora. O Uruguai foi quarto.

Gonçalo elogia a ajuda do São Paulo, mas pede um pouco mais. Mais amor. “O São Paulo poderia fazer um jogo de despedida para meu pai. Reunir velhos amigos, fazer uma festa para ele ser lembrado uma vez mais. É bom ser lembrado em vida e não depois”

Um jogo beneficente? “Pode ser, o dinheiro seria muito bem aplicado, mas o bom seria mesmo pela emoção de se dizer obrigado a um craque como meu pai foi”.

Pedro Rocha vive com uma aposentadoria de R$ 1800 mensais. A família gasta o dobro disso com remédios. “Os remédios são caros, as fraldas geriátricas também. Uma vez por semna uma enfermeira vem trocar a sonda e isso custa R$ 200″, lamenta Gonçalo.

A ajuda do São Paulo é grande, segundo ele. “Não temos o que reclamar. O clube paga a cuidadora, paga a fono e a fisioterapia, ele faz uma hora por dia de cada um. A gente passaria mais dificuldades sem o São Paulo, mas eu repito, se o clube fizesse um jogo beneficente para ele, seira uma alegria para o velho”

No dia 15 de dezembro, a Reebok acertará com a família de Rocha o que é devido pela primeira leva de camisas tricolores e celestes que homenagearam os quatro grandes uruguaios – Rocha, Forlán, Lugano e Dario Pereyra – e a família está ansiosa. “Soubemos que as vendas foram muito boas. Eles vão nos pagar 10%, podemos arrecadar um dinheiro necessário para cuidar bem do pai”, diz o filho Gonçalo.

Quando um craque chega ao ocaso em dificuldades, é lugar-comum acusações de que a decadência financeira veio a reboque de lindas mulheres e velozes cavalos. E carros. Quando pergunto a Gonçalo, ele sorri, com tristeza e diz que com o Verdugo nada disso aconteceu.

“Pergunte a Muricy, que conviveu com ele. Sempre fez questão de dizer que meu pai sempre foi um grande homem. O que aconteceu foi que Pedro Rocha foi o primeiro a abir um bingo no Brasil, em 1994. Teve investidores espanhois com ele. Só que os caras fugiram e o bingo faliu, ou o contrário nem sei mais. Papai tinha muitos imóveis e teve de vender vários deles para pagar as ações trabalhistas que sobraram para ele. Honrou tudo. E ficou sem quase nada”

No “Tricolor Celeste”, Muricy deu seu depoimento sobre Pedro Rocha:

“Ele era muito educado, um cara diferente no futebol. Caladão, não era de muita brincadeira e gostava muito de jogar sinuca. Era invencível, tinha uma precisão para defender e atacar, até parecia que estava jogando futebol. Para ficar perto dele, comecei a jogar sinuca também. Melhorei muito mas nunca consegui vencer Pedro Rocha. Mas estava ali, perto dele. Era a prova de que estava vencendo na vida. O cara era um gênio da bola”

Muricy nunca venceu Rocha. Os zagueiros o temiam. Gerson, o grande craque brasilieor que o ofuscou no primeiro ano juntos, em 1971, nem teve sua saída lamentada depois que Rocha começou a brilhar sozinho.

Ninguém venceu Pedro Rocha.

A atrofia do mesaencéfalo, sim. Apesar da resistência do velho craque, a derrota é certa

Fonte: Blog do Menon

 

Nota do PP: Sinceramente, me emocionei lendo essa matéria. Tive a honra e o prazer de ver Pedro Rocha desfilar em campo com o nosso manto sagrado. A ele qualquer homenagem que se faça é meritória. Foi um dos maiores talentos que vi jogar em toda a minha vida, e para minha sorte, no nosso Tricolor. Lamentável que seu fim esteja próximo. Espero que o departamento de Marketing do São Paulo aja com rapidez e faça esse jogo em homenagem a ele, não importa se com jogadores atuais ou veteranos. O importante é fazer enquanto ele ainda respira.

3 comentários em “Filho de Pedro Rocha agradece ao São Paulo mas pede homenagem em vida

  1. sou da terceira geraçao de sao paulino na familia tenho 40anos curto tdas estoria do sao paulo sou lou co pelo sao paulo pedro rocha muitas felicidades saude fe em deus

  2. Caro blogueiro,
    bom dia.
    Sou torcedor do Santos Futebol Clube e tenho 64 anos. Tive o prazer de, pessoalmente, conhecer o extraordinário Pedro Rocha numa recepção há alguns anos em que houve um encontro de vários ex-atletas de futebol num bar nas imediações do Parque Antarctica. Conheço também seus dois filhos (Pedrinho e Gonçalo), os quais são amigos de um dos meus genros e tenho certeza que o São Paulo Futebol Clube, que já ajuda El Verdugo, fará brevemente alguma homenagem a um dos maiores ídolos de toda sua rica história. Tive a felicidade de acompanhar a carreira desse extraordinário jogador de futebol in loco, no Morumbi e no Pacaembu, quase sempre em embates contra meu Santos e posso afirmar que foi um dos maiores jogadores de futebol que ví jogar. Pedro Rocha era um misto de elegância, com uma refinadíssima técnica e capacidade de bater na bola com uma sutileza impressionante. Dizia-se, que ele era tão técnico que batia apenas nos gomos brancos da bola para não sujar os pretos, numa época que a pelota era confeccionada com gomos brancos e pretos. Pedro Virgílio Rocha Franchetti além de ter sido bicampeão da Copa Libertadores, heptacampeão Uruguaio pelo Penãrol, disputou 4 Copas do Mundo pela Celeste Olímpica (62, 66, 70 e 74). Vale registrar que na Copa de 70 no México, o Brasil com, na minha modesta opinião pessoal, a melhor seleção de sua história, enfrentou o Uruguai em partida eliminatória e, ouso dizer que se Pedro Rocha tivesse participado daquele jogo, uma vez que tinha se machucado na estréia da Celeste, talvez, para nossa tristeza, o resultado do jogo tivesse sido outro. Lembro que o Uruguai fez um a zero com Luis Cubilla e no final do primeiro tempo Clodoaldo empatou com um milimétrico passe de Eduardo Gonçalves de Andrade, conhecido como Tostão e no segundo tempo nossa seleção fez mais dois gols com Jairzinho e Rivelino, fechando a partida em Brasil 3 x 1 Uruguai. Devemos nos lembrar que o Brasil tinha o trauma de em 1950, em pleno Maracanã lotadíssimo, ter sido derrotado por este mesmo Uruguai, quando jogava por um “simples” empate e ainda fazendo um a zero no primeiro tempo, tomando no segundo tempo uma virada historica sob o comando do seu capitão Obdulio Varella, na mais traumática partida de nossa seleção. Como sabemos, Pedro Rocha foi Bicampeão Paulista (71 e 75) e Campeão Brasileiro (77), pelo São Paulo. Acompanho futebol desde que ele existe, através de leitura e pesquisa e, sem sombra de dúvida Pedro Rocha é um dos cinco maiores jogadores de futebol da riquíssima história do São Paulo Futebol Clube e deverá ser homenageado, ainda em vida para, definitivamente, deixar indelevelmente marcado em sua história a meritória homenagem a um de seus maiores ídolos. Para finalizar, confesso que é quase inacreditável, para mim, saber que um jogador do quilate de Pedro Rocha, com o que conquistou por todos os clubes pelos quais passou, sobretudo Penãrol e mais ainda, São Paulo, estar numa degradante situação economico-financeira, dependendo dos favores de amigos e do clube ao qual deixou um legado fantástico. É claro que houve um grande erro ao longo de sua brilhante carreira, na administração de seu patrimônio, mas de nada adianta neste momento fazermos este tipo de crítica. Exige-se uma ação, mais que rápida, URGENTE. Seria bom ainda que o próprio Penãrol, onde é também considerado um dos maiores ídolos, dar uma ajuda, bem como a própria Associação de Futebol do Uruguai. Vou lançar uma sugestão. Por que os dirigentes do São Paulo não procuram os dirigentes do Penãrol para a disputa de um amistoso no Morumbi, neste final de ano ou no início do próximo com renda total destinada ao Grande(com G maiúsculo) Pedro Rocha? Que tal o dia 25 de janeiro de 2013, aniversário da cidade de São Paulo e da fundação do próprio São Paulo Futebol Clube, já que é, por uma benção de Deus, além de feriado, uma sexta-feira? Fica a sugestão. É isso. Um abraço a todos. Aurélio Resende – São José dos Campos-SP – 27.11.12(3ª feira).

  3. Bela Matéria, chega arrepiar!
    também espero que o São Paulo faça algo pela familia de P. Rocha, sei que fara pois o São Paulo é um dos único clube que ainda costuma a lembrar de seus Jogadores Veteranos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*