Ex-árbitro Alício Pena Júnior dá palestra a jogadores do São Paulo

Os jogadores do São Paulo receberam uma palestra na noite desta sexta-feira do ex-árbitro Alício Pena Júnior sobre as novas regras do futebol. Os atletas estão concentrados no CT da Barra Funda para a estreia do Brasileirão diante do Botafogo, no sábado, às 16h, no Morumbi.

Uma das principais alterações é sobre lances de mão na bola. Qualquer jogada de gol em que a bola for tocada pela mão do jogador será invalidada. Outra mudança importante é na cobrança de pênalti. Atualmente, os goleiros precisam manter os dois pés sobre a risca do gol até o adversário chutar a bola. A mudança permitirá que eles fiquem com só um pé na linha.

Vamos às mudanças!

1) Substituição de Jogadores

Todo jogador que vai ser substituído deve sair do campo de jogo pela linha do campo mais próxima de onde ele se encontrar, a não ser que o árbitro permita que ele saia rapidamente pela linha do meio campo. Antes dessa mudança, os árbitros ainda tentavam agilizar a substituição pela linha mais próxima, mas a maioria dos jogadores preferia sair pela linha de meio campo para perder tempo.

Objetivo da mudança: diminuir o tempo perdido com substituições e aumentar o tempo de bola rolando.

2) Cartões para Comissão Técnica

Os árbitros poderão agora mostrar cartões, amarelo e vermelho, aos membros da Comissão Técnica. Se o infrator não puder ser identificado, o treinador receberá o cartão em seu lugar. As Regras listaram as principais infrações desses profissionais que serão punidas com cartão (o próximo texto do blog será dedicado a esse tema). Antes dessa mudança, os árbitros só podiam advertir e expulsar verbalmente os membros da Comissão Técnica.

3) Tiros de meta e tiros livres para a defesa dentro de sua área

A bola estará em jogo no momento em que é chutada e se movimenta. Antes da mudança, a bola tinha que sair da área penal para entrar em jogo nessas situações.

Objetivo da mudança: aumentar o tempo de bola rolando e dar mais dinamismo ao jogo.

Goleiro cobra tiro de meta e chuta bola para trás

Goleiro cobra tiro de meta e chuta bola para trás

4) Bola ao chão

A partir de agora, a bola ao chão será jogada apenas para o jogador que tocou a bola pela última vez quando o jogo foi paralisado. Todos os demais jogadores deverão ficar a pelo menos quatro metros de distância. Se a bola ao chão for dentro da área penal, será jogada para o goleiro apenas. Antes dessa mudança, a bola ao chão era disputada pelos jogadores e gerava conflitos e o fair play era enganoso, porque as equipes devolviam a bola normalmente no campo de defesa do adversário.

Outra mudança envolvendo bola ao chão é quando a bola bate no árbitro ou em alguém da equipe da arbitragem dentro do campo e, depois, entra no gol ou inicia um ataque promissor ou muda a posse da bola de um time para outro. Nesses casos, o árbitro irá paralisar o jogo e dar bola ao chão. Antes da mudança, o árbitro não podia fazer nada a não ser deixar o jogo seguir.

Objetivo da mudança: promover justiça

5) Mão na bola

A mão intencional continua sendo falta. O que mudou foi a mão não intencional, quando a bola toca sem querer na mão ou no braço do jogador. Se isso acontecer, os jogadores serão punidos nas seguintes situações:

  • a) a mão ou o braço está situado acima dos ombros (exceto se o jogador intencionalmente joga a bola que depois toca na sua mão ou braço), já que o jogador estará assumindo o risco ao colocar a mão ou o braço em uma posição antinatural;
  • b) a distância da mão ou do braço em relação ao corpo aumenta, de maneira antinatural, o espaço ocupado pelo jogador, criando de maneira injusta uma superfície maior;
  • c) um gol é marcado diretamente com a mão ou o braço, mesmo sem intenção;
  • d) o jogador recupera a posse da bola ou ganha o controle dela com a mão ou o braço, mesmo sem intenção, e na continuação da jogada, marca um gol ou cria uma situação de gol pra sua equipe.
  • a) a bola chega rebatida do próprio corpo do jogador, ou do corpo de outro jogador próximo, já que, nesse caso, é praticamente impossível evitar o contato com a bola;
  • b) um jogador cai com a mão ou o braço situado entre seu corpo e o ponto de apoio no gramado, desde que a mão ou o braço não estejam estendidos lateralmente ou verticalmente distantes do corpo.

Antes dessa mudança, não existia um critério uniforme entre os árbitros. Cada árbitro interpretava mão na bola de um jeito.

Objetivo da mudança: esclarecer o tema e evitar incoerências e falta de critério dos árbitros na marcação desse tipo de infração.

6) Cobrador de pênalti

Se o cobrador de pênalti se lesionou, ele pode ser atendido no campo para, em seguida, bater o pênalti. Antes dessa mudança, não podia. Teria que esperar o reinício do jogo.

Objetivo da mudança: promover justiça

7) Cara ou coroa no começo do jogo

Agora o vencedor do cara e coroa no começo do jogo pode escolher a bola ou o campo. Antes dessa mudança, só podia escolher o campo.

Objetivo da mudança: promover justiça

8) Vantagem no cartão amarelo e vermelho

Se um jogador comete uma falta merecedora de cartão amarelo ou vermelho, e a equipe adversária bate a falta rapidamente para criar uma situação clara de gol, o árbitro deve deixar o jogo seguir e depois aplicar o cartão. Se o cartão inicial fosse vermelho por impedir uma oportunidade clara de gol, com a sequência da jogada que criou uma nova oportunidade de gol, o cartão passará a ser amarelo. Antes dessa mudança, o árbitro não podia dar essa vantagem. Tinha que aplicar o cartão antes da falta, porque depois da cobrança não poderia mais mostrar o cartão.

Objetivo da mudança: promover justiça e aumentar tempo de bola rolando.

9) Distância dos adversários da barreira

Se uma equipe forma uma barreira com 3 ou mais jogadores, os adversários deverão ficar a pelo menos 1 metro de distância da barreira. Se não respeitarem essa distância, será concedido tiro livre indireto para o outro time. Antes dessa mudança não existia essa distância mínima que os adversários precisam respeitar e eles ficam se empurrando na barreira, criando conflito e com isso retardando a cobrança

Objetivo da mudança: evitar conflitos e aumentar tempo de bola rolando.

10) Goleiro na cobrança de pênaltis

Durante a cobrança de um pênalti, o goleiro deverá estar sobre a linha de fundo e, agora, precisa estar com pelo menos um pé (no gramado ou no ar) sobre a linha de fundo no momento da cobrança. Antes dessa mudança, não havia critério uniformado. Alguns árbitros eram mais rigorosos e puniam se o goleiro tirasse o pé da linha de fundo e a maioria dos árbitros puniam apenas os adiantamentos muito claros e escandalosos.

Objetivo da mudança: promover justiça e evitar incoerências e falta de critério na interpretação de adiantamento de goleiros.

11) Goleiro agarra bola de um arremesso lateral ou recuo de bola

Objetivo da mudança: promover justiça.

12) Cartões mantidos:

Os cartões amarelos aplicados aos jogadores na comemoração de um gol são mantidos mesmo que o gol seja anulado. Antes da mudança, havia uma dúvida se o cartão deveria ou não ser mantido, uma vez que o gol foi anulado.

Objetivo da mudança: esclarecer a regra.

Os cartões não aplicados nos casos de o árbitro não ter visto a sinalização dos seus assistentes ou não ter ouvido a comunicação via rádio poderão ser aplicados mesmo depois de o jogo ter sido reiniciado. Porém, a infração que deu origem ao cartão não poderá ser mais marcada exatamente porque o jogo já foi reiniciado. Antes da mudança, o árbitro não poderia voltar atrás nem na falta nem no cartão.

Objetivo da mudança: promover justiça.

Fonte: Globo Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.