Criticado por veto à base até 2009, Muricy usa jovens para recuperar SP

Muricy Ramalho passou três anos e meio no São Paulo em sua segunda passagem como treinador, entre 2006 e 2009, e teve de conviver com uma crítica constante apesar da supremacia no Brasileirão e da idolatria da torcida: a pouca utilização de jogadores revelados nas categorias de base do clube.  A situação é diferente agora, em 2013. O treinador tem usado atletas formados no CT de Cotia e já aproveita mais do que fez até 2009. Rodrigo Caio e Ademilson são titulares, e Lucas Evangelista tem sido opção constante.

Rodrigo Caio já era titular com Paulo Autuori e foi mantido por Muricy. Nas primeiras partidas do técnico após o retorno, o volante de 20 anos se consolidou como zagueiro e virou peça fundamental para fazer a alternância tática proposta pelo treinador funcionar. Como zagueiro central na formação com três defensores, Rodrigo varia entre o meio de campo e a defesa. Agora, tem jogado mais preso à linha de quatro jogadores.

Os elogios públicos mais intensos de Muricy Ramalho na atual passagem foram para Rodrigo Caio. O treinador diz que o jovem é intelectualmente diferenciado e que terá um futuro brlhante. O volante e zagueiro foi titular em todas as partidas para as quais esteve à disposição. Só não jogou quando foi poupado – uma vez – e quando ficou suspenso.

O atacante Ademilson, no entanto, é quem representa a grande mudança entre a atual e a última passagem de Muricy pelo Morumbi. O jogador de 19 anos foi sempre visto como promessa, recebia elogios constantes do presidente Juvenal Juvêncio, mas nunca conseguiu jogar bem. Foi promovido à categoria profissional em 2011 e só agora, com Muricy, conseguiu a vaga como titular da equipe. Por adequação ao esquema tático, o jovem fez com que Luis Fabiano, 5º maior artilheiro da história do clube, saísse do time.

O terceiro jovem que vem sendo utilizado por Muricy é o meia Lucas Evangelista. Aos 18 anos, ele foi promovido por Ney Franco pouco antes de sua demissão, ganhou algumas chances com Paulo Autuori – até como titular – e agora é relacionado para todos os jogos com Muricy, além de ser utilizado como opção do banco de reservas.

Nesta sexta-feira, no CT da Barra Funda, Muricy fez breve análise sobre o atual elenco e disse que não deverá pedir contratações de zagueiros para 2014. Durante o discurso, lembrou até de Lucas Silva, que atualmente defende a seleção brasileira sub-17 no Mundial, e elogiou o jovem.

Entre 2006 e 2009, poucos foram os jovens que tiveram chances com Muricy. O zagueiro Breno foi o único que saiu das categorias de base diretamente para o time titular, no profissional. Virou a grande revelação do triênio em que o São Paulo conquistou o Brasileirão e saiu por 12 milhões de euros, para o Bayern de Munique. Hoje, aos 24 anos, aguarda liberação do governo alemão para voltar ao Brasil e ao São Paulo, com o qual já tem contrato firmado.

Outros que passaram pela base são-paulina e conquistaram espaço com Muricy Ramalho foram os volantes Hernanes e Jean. Estes, no entanto, foram emprestados a clubes menos expressivos antes de terem chances com o técnico. A dupla havia sido lançada em 2005, por Paulo Autuori.

Até 2009, Muricy chegou a contestar alguns pontos da metodologia de trabalho desenvolvida pelo São Paulo em Cotia. A avaliação era que os garotos eram promovidos ao profissional após uma criação farta e sem ambição.

O meia Sergio Mota, tido como grande revelação da base naquela época, não chegou a ter sequência com Muricy. O jogador era sempre presente nas críticas dos dirigentes que passaram a criticar o trabalho do treinador após seguidas eliminações na Copa Libertadores. Aos 23 anos, Mota disputou o Paulistão de 2013 pelo Penapolense e atualmente defende o América-MG.

Outro que viveu caso semelhante foi Oscar. Muricy chegou a ser criticado por não ter dado maiores oportunidades ao meia, então com 16 anos, no ano de 2008. Depois, o jovem que hoje é titular do Chelsea (ING) e da seleção brasileira, acionou o clube e conseguiu se transferir para o Internacional.

Agora, Muricy vai conseguindo mudar o rótulo de que não contribui para que jogadores sejam revelados. Neste sábado, Rodrigo Caio e Ademilson serão titulares mais uma vez contra a Portuguesa, no Morumbi, em jogo válido pelo Brasileirão. No banco estará Lucas Evangelista. Os três já representam mais do que todos que tiveram maior número de oportunidades com Muricy até 2009.

Fonte: Uol

Um comentário em “Criticado por veto à base até 2009, Muricy usa jovens para recuperar SP

  1. Exceto pelo Oscar – que teve lá suas chances, não agradou, mas evoluiu na carreira -, esse histórico mostra que Muricy tinha razão. Breno, Juan e Hernanes prosperaram. Ninguém mais. Sérgio Mota e companhia não conseguiram vaga em nenhum time titular da primeira divisão. Não conseguiram ficar nem no Toledo/PR.
    Se esse ano serviu para alguma coisa foi para mostrar que o time deve ser formado com base exclusivamente em critérios técnicos. A base deveria ter tentado formar outros jogadores com o perfil do Breno, não chorar pelos cantos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*