Com zaga em xeque, São Paulo abre fase da Libertadores contra Strongest

O São Paulo tem em mãos uma oportunidade de ouro para tranquilizar a torcida e trazer de volta a paz que marcou o início dos trabalhos de Edgardo Bauza como técnico tricolor. Com a última derrota para o rival Corinthians ainda ressoando nos vestiários, o time volta a campo nesta quarta-feira para abrir a disputa do Grupo A da Copa Libertadores, contra o The Strongest, da Bolívia, às 19h30 (de Brasília), no estádio do Pacaembu.

O jogo é crucial para afastar a pressão que os torcedores começam a fazer sobre o sistema defensivo. Considerado o ponto central da metodologia de trabalho de Bauza, o setor voltou a apresentar no último domingo as falhas infantis que levaram a equipe a terminar o Brasileirão de 2015 com 47 gols sofridos. Foram com dois erros de marcação de Lucão que o São Paulo perdeu por 2 a 0 para o Corinthians, na Arena de Itaquera, e se viu novamente cercado por questionamentos antes do jogo contra os bolivianos.

Não há, no entanto, nenhuma crítica direcionada a Bauza. Os olhares das arquibancadas estarão voltados para as atuações individuais de jogadores que não agradam desde o ano passado, sendo Lucão e o atacante Centurión os principais alvos dos tricolores. “Não posso controlar a torcida”, admitiu o técnico argentino, que deu mais um voto de confiança aos atletas que ainda não mostraram um bom futebol na equipe titular. “Não importa como os torcedores reajam, porque Lucão tem o apoio de todos os seus companheiros e o meu também. Estou seguro que vai fazer um bom jogo”, acrescentou, citando o caso específico do jovem zagueiro.

Além de tentar não levar gols, o São Paulo abrirá a fase de grupos buscando maior eficiência ofensiva contra o Strongest. O Tricolor se qualificou para essa etapa da Libertadores após bater os peruanos do César Vallejo por 1 a 0, em um jogo marcado pelo número excessivo de chances desperdiçadas “A minha experiencia me diz que na Libertadores não há partida fácil, todas são complicadas”, afirmou Bauza, que também terá pela frente o tradicional River Plate e o desconhecido Trujillanos-VEN em sua chave.

O duelo com o Strongest pode ser a última chance para Lucão mostrar seu valor entre os titulares (Foto: Djalma Vassão/Gazeta Press)
O jogo com o Strongest é a última chance de Lucão mostrar seu valor entre os titulares (Foto: Djalma Vassão/Gazeta Press)

“Não há porque ficar com a lógica de River Plate e São Paulo apenas. O Strongest é um time muito ofensivo, e jogar em La Paz é muito complicado. Dos venezuelanos eu vi duas partidas, não mais que isso. Vamos tratar de começar da melhor maneira e somar os três pontos”, disse. “Precisamos vencer porque é muito importante ganhar todas as partidas em casa. O último jogo do grupo será na Bolívia e espero já estar classificado à essa altura. Não sabemos o que pode acontecer”.

A única alteração de Bauza no time derrotado pelo Corinthians será a entrada de Alan Kardec no lugar de Calleri. O centroavante se recuperou de uma amigdalite aguda e assumirá as funções exercidas pelo argentino nos últimos três jogos do Tricolor. Segundo o treinador, Calleri não realizou uma pré-temporada adequada e precisa aprimorar a forma física antes de manter uma sequência como titular.

Diante do esquema tático 4-2-3-1 do Tricolor, o técnico boliviano Mauricio Soria tentará impor um estilo de jogo que bloqueie a troca de passes e abra espaços na defesa brasileira. “Nós planejamos uma defesa sólida, mas contamos no ataque com a possibilidade de usar os jogadores que temos para investir com velocidade”, afirmou o treinador, que apontou as jogadas pela esquerda de Mena e Michel Bastos como a principal qualidade do São Paulo.

O temor de Soria é a parte física do The Strongest, que empatou por 2 a 2 com o Bolívar, em clássico disputado no último domingo, pelo Campeonato Boliviano. “A verdade é que o time não tem condições de sustentar uma partida desse nível hoje”, afirmou. “Precisamos aproveitar os contra-ataques, porque tentar jogar de igual para igual será um suicídio”, acrescentou. Para ajudar o clube a sair do Pacaembu com uma vitória, Soria conta entre os titulares com o volante Chumacero, da seleção boliviana, e o atacante Pablo Escobar, que está com 37 anos e acumulou passagens por Santo André e Ponte Preta.

O veterano Pablo Escobar, do Strongest, é um velho conhecido dos times brasileiros(Foto: Aizar Raldes/AFP)
O atacante veterano Pablo Escobar, do Strongest, é um velho conhecido das equipes brasileiras(Foto: Aizar Raldes/AFP)

FICHA TÉCNICA
SÃO PAULO X THE STRONGEST-BOL

Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP)
Data: 17 de fevereiro de 2016, quarta-feira
Horário: 19h30 (de Brasília)
Árbitro: Mario Díaz de Vivar (Fifa-PAR)
Auxiliares: Carlos Cáceres e Milciades Saldívar (ambos Fifa-PAR)

SÃO PAULO: Denis; Bruno, Rodrigo Caio, Lucão e Mena; Hudson, Thiago Mendes, Centurión, Paulo Henrique Ganso e Michel Bastos; Alan Kardec
Técnico: Edgardo Bauza

THE STRONGEST: Daniel Vaca; Luis Maldonado, Fernando Marteli (Federico Pereyra), Jair Torrico e Diego Bejarano; Walter Veizaga, Raúl Castro e Alejandro Chumacero; Mariano Torres, Carlos Neumann e Pablo Escobar
Técnico: Mauricio Soria

 

Fonte: Gazeta Esportiva

Um comentário em “Com zaga em xeque, São Paulo abre fase da Libertadores contra Strongest

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*