Após decepção em 2016, São Paulo prioriza reforçar ataque

Com o oitavo pior ataque do ano no Brasileirão, o São Paulo só quer saber de reforçar o setor para ajudar Rogério Ceni a ter um ano melhor à frente da equipe paulista.

Em 2016, o número de redes balançadas ficou atrás de equipes que lutaram para não cair como Santa Cruz, Vitória e Sport, por exemplo. Foram 44 gols marcados em 38 jogos.

Além de fechar com Wellington Nem e Neílton, a equipe paulista ainda tenta avançar nas tratativas pelo paraguaio Cristian Colmán, indicação de Rogério Ceni.

A diretoria sabe que precisa de nomes para outros setores, mas a prioridade será consertar o poder de fogo. Para exemplo, o artilheiro da temporada foi Jonathan Calleri, que fez 16 gols e jogou só meio ano. Seis gols atrás está Andrés Chávez que jogou 21 partidas.

Além disso, durante a temporada, o São Paulo vendeu Kieza, Wilder Guisao, Alan Kardec e Centurión. Todos esses atuavam à frente.

Recentemente, o nome de Ricardo Goulart também esteve no noticiário de contratações são-paulinas. Mas o São Paulo afirma que não avançará na busca do atacante porque os valores não batem com a política econômica do clube.

 

Fonte: Uol

2 comentários em “Após decepção em 2016, São Paulo prioriza reforçar ataque

  1. Leco;
    Prioridade total deve ser dado para trazer o Nenê do Vasco.
    Vale qualquer sacrificio porque com ele vai subir demais a produção
    de Cuevas, W. Nem e Chaves.
    Fale como Rogerio Cene, pois o Nenê da maneira que joga
    conseguira amarrar o meio campo do ataque !!!!!!!!!!!
    abraços

    Maruju

  2. Paulo pontes, vc sabe dizer se existe algo de verídico na informação q a Fox deu a respeito do São Paulo negociar com o nenê do Vasco? Dos nomes para o ataque q foram vinculados o que acreditava ser o melhor reforço era o Goulart mas os valores devem dificultar mesmo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*