Empate manteve a invencibilidade. Prefiro ver o copo meio cheio.

Amigo são-paulino, leitor do Tricolornaweb, sou daqueles eternos otimistas, que sempre olho pelo lado do bem, nunca pelo lado do mal. Nessa tão decantada moda que temos hoje, de termos o copo pela metade, alguns preferem dizer que ele está meio vazio; eu prefiro dizer que ele está meio cheio. Assim defino o jogo deste domingo: empate manteve o São Paulo como único time invicto do Brasileiro até agora.

Gostei do time? Claro que não. Aliás, não gostei do segundo tempo. No primeiro tempo, pesar de falhas individuais que nos fizeram sair derrotados, entendo que o São Paulo fez uma partida aceitável e apostava, no intervalo, que mantendo o mesmo nível poderia virar o jogo no segundo tempo.

O São Paulo teve maior domínio da bola, conseguiu boas penetrações. O time colocado por Aguirre tinha em Lucas Fernandes o motor para puxar os contra-ataques, dado um pouco de fôlego para Nenê, sobrecarregado em outras partidas por ser o único meia. O problema é que Everton não realizou boa partida; Reinaldo, pior ainda; idem para Militão. Mesmo assim o São Paulo era melhor, mas Hudson, de maneira muito infantil e desnecessária, fez um pênalti estúpido e começou a colocar tudo a perder. Empatamos logo depois. Mas aí vieram as falhas de Reinaldo – quem ele marcava no lance do gol? – Bruno Alves – entrou com pé de alface – e a falta de reflexo de Sidão. Ficamos atrás no marcador.

Aliás, respeito a opinião de todos os leitores do site, mas preciso colocar a minha: não acho o Petros o melhor volante do mundo, mas que ele é muito melhor que o Hudson, acho que não há discussão. O único lugar que o Hudson jogou bem foi no Cruzeiro com Mano Menezes. De resto, sempre foi uma tragédia, E assim tem sido no São Paulo.

Bem, no segundo tempo todos engataram uma feijoada e o futebol ficou muito feio. Talvez o calor de Salvador tenha ajudado um pouco, mas acabaram-se as jogadas elaboradas, os passes, as penetrações, tudo isso de lado a lado. Virou um jogo faltoso, truncado e sem emoção.

Se no intervalo eu acreditava na virada, no decorrer do segundo tempo passei a deixar que apenas meu eterno sentimento otimista, de torcedor do time da fé, falasse por si mesmo. E o empate saiu aos 48 minutos do segundo tempo. Percebam que hoje, ao invés de tomarmos gol no último minuto, fizemos. Algo está mudando para melhor.

Sou crítico do Aguirre pelo seu esquema muito defensivo, mas não posso deixar de enaltecer que os jogadores estão se entregando. Ninguém está com corpo mole, indolente. Talvez o “chinelinho” do time já tenha se despedido. Além do mais, sempre digo que empate fora de casa dificilmente pode significar mau resultado. Somos o único time invicto do Brasileiro, estamos a três pontos dos líderes e, consequentemente, na metade de cima da tabela de classificação. Isso já na quinta rodada. Parece que não, mas o campeonato está correndo.

Espero lá na frente não sentir falta de vitórias em jogos “ganháveis” como Ceará e Bahia, além do Atlético-MG, com quem empatamos no Morumbi. Mas continuo sem sustos, pelo menos neste início do Brasileiro.

 

21 comentários em “Empate manteve a invencibilidade. Prefiro ver o copo meio cheio.

  1. Concordo em 97% do texto , tanto que o achei ótimo.
    Penso muito parecido, mesmo com as eliminações e os seguidos empates, ao menos os jogadores parecem mais comprometidos.
    O time precisa de umas 2 ou 3 vitórias seguidas pra ganhar confiança e dar uma embalada , e Vencer o Santos é fundamental pra isso acontecer .
    Vamos SPFC.

  2. Pois é….. estamos a 3 pontos do líder, mas a 2 pontos da zona de rebaixamento, em 12 lugar, apenas 46% dos pontos conquistados, nem um sinal que no próximo jogo seremos melhores….como acreditar em um time desses ?
    É jogar pra não cair

  3. Paulo Pontes,
    Concordo com o editorial e defendo que o treinador tem que ter tempo para mostrar o trabalho, mas se não tivermos um mínimo de ofensividade teremos mais um ano de preocupação até o final.

  4. Paulo Pontes, acho que você descobriu o motivo pelo qual nosso time morre, invariavelmente, no segundo tempo sob Aguirre: o cara deve patrocinar uma bela feijoada no intervalo. Só isto explicaria o fato de que em todos os jogos sob o comando desse treinador, o time “morreu” no segundo tempo. Ontem não foi diferente e, tivesse o Bahia atacantes razoáveis, teríamos sofrido uma sonora goleada. Tô contigo quanto ao Petros X Hudson! Se o Hudson tivesse ido tão bem assim no Cruzeiro, como querem crer muitos torcedores, os mineiros teriam ficado com ele!!!

  5. Sr. Paulo Pontes, eu entendo o seu ponto de vista, mas o SPFC tem que estar com o copo cheio sempre. Só o Sr. Juvenal e seus comparças não trabalharam nesse sentido. O SPFC é muito maior que 90% desses times todos do futebol brasileiro. Sempre foi um dos melhores do mundo e é a 3a. torcida de um País com 220 milhões de habitantes. Nenhum outro país da A. do Sul tem o nº de torcedores que o nosso Clube tem. Esse mosquito de balcão (leco-leco) tem que sair e não voltar nunca mais.

  6. A continuar nessa batida, empate e mais empates, vitorias so por Deus, e derrotas virao com certeza, e com certeza estaremos brigando para nao cair em 2018.
    Tudo bem que um treinador tem suas preferencias e muito defensivas como o Aguirre o problema que ele nao conseguiu ver o DNA dos seus comandados.

  7. Excelente Paulo Pontes.
    Vejo da mesma forma. O resultado hoje foi bom visto que estávamos perdendo.

    O time está jogando com raça e dedicação. Esse sequência sem derrota é uma boa perspectiva. A entrada do Lucas melhorou o time. Falta agora o time se entrosar melhor para que um meio campo com Jucilei, Liziero e Lucas funcione bem.

  8. Enxergar o copo pela metade é uma questão de opção; agora, negligenciar o fato de que o conteúdo do mesmo é VENENO, aí, não dá.

    Dorival Caguirre é o péssimo dos péssimos. Uma coisa é ser retranqueiro. Paton Bauza o é. Guto Ferreira, que com um elenco literalmente vinte vezes mais barato jogou de igual para igual conosco, também. No entanto, outra coisa é ser retranqueiro e burro ao mesmo tempo.

    Com o time precisando virar o jogo, Caguirre troca seis por meia dúzia. Quando o correto era tirar Hudson, deslocar Militão para o meio e colocar Régis na lateral. A mesma coisa na esquerda: Reinaldo – que só sabe cobrar alteral – deveria ter saído, com Éverton indo para seu lugar e Valdívia entrando pra reforçar o ataque. Do contrário, Caguirre tirou Lucas Fernandes, um dos melhores em campo. É muita “tonteria”.

    Ainda dou meu suporte a diretoria, mas o sinal de alerta já disparou faz tempo. Raí e companhia precisam demitir esse técnico o quanto antes. Nem o mais drogado da Cracolândia apostaria que “profexô” Luxemburgo faria um trabalho pior – não, não estou pedindo o Luxa.

    A ruindade do jogo apenas certificou que o futebol brasileiro atual é um entretenimento de mau gosto. Como ouvir funk carioca e assistir novelas. Ainda mais se o técnico não colabora. É preciso um amor de mãe para apoiar o Tricolor nessa fase.

  9. Belo texto Paulo, concordo com sua leitura sobre a atual situação.
    Lógico que os resultados não são os que esperamos, mas o time vem de um péssimo ano, com um time totalmente sem brio na época do DJ.
    O Aguirre é um técnico retranqueiro, sempre foi, não é agora que ele vai mudar.
    Pelo menos o time está mais cascudo.
    Creio que o objetivo da diretoria de trazer o Uruguaio foi organizar a defesa, que faz tempo que não passa confiança.
    Isso ele está trabalhando bem, conseguiu trazer brio para o time e criar uma defesa mais sólida.
    Temos muita coisa a melhorar, fato!
    Mas não adianta reclamar do Raí, do Aguirre..eles precisam de tempo, não existe fórmula mágica no futebol.
    O gol do Corinthians aos 48 contra nós mostra que estamos com uma zica brava, entao, que construamos , de pouco em pouco, a confiança necessária.
    O torcedor é imediatista, sempre foi, mas não existe milagre para sair dessa fase e sim paciencia e bom senso.

    Sou apenas mais um na multidão das arquibancadas do Morumbi, amo o clube, torço para seu sucesso sempre.

    • “Zica brava”??

      Acho que se a Multidão deixasse de ver as coisas ruins e acendessem algumas velas o time seria campeão!!!!

      A Multidão odeia e sempre torce contra esse é o problema né?!?!

      • Hahaha
        Relaxa cara, seu comentários sempre cheios de pontos de interrogação e exclamação, tá sempre nervoso com a vida?

        Fica tranquilo, se minha vida dependesse do São Paulo ganhar, estaria bravo que nem vc, mas não dependo do time ganhar, amanhã terei que acordar cedo para trabalhar do mesmo jeito.

        Então fica a dica, se quiser ter uma conversa civilizada, para de gritar e usar exclamação

        E relaxa senão terá um ataque cardíaco em breve

  10. Eu até tento…..desculpe, mas não consigo.
    Vejo um time médio, sem jogadores que decidem, com um esquema defensivo (como todos os times médios e pequenos), que não se impõe, não bota medo em ninguém e ficaremos sempre na média.
    3 pontos do líder seria legal falar na rodada 34.
    O Líder com 80 pontos e nós com 77.
    Agora isso é piada. O líder tem 10 e nos temos 7 !!!! São 30% a menos !!!!! 7 pontos em 15 disputados sao 46% dos pontos conquistados ! Campanha de time rebaixado !
    E jogamos contra PR, Ceará e Bahia !
    Ridículo. Desse jeito estaremos na zona de rebaixamento.
    Mas ficaremos na média, média de medíocre, em 10, 12 lugar.
    Não consigo ver nada de bom em nosso tricolor, um time de passado e camisa gloriosa, mas que virou um time pequeno, somos a nova Portuguesa.
    Uma pena

  11. mias um editorial inútil

    paulo pontes , errou em 2017 em segurar um entregador de camisa e não aprendeu e vai erra de novo em 2018, e quem vai pagar mais uma vez e o soberano .

    sera que o ray paulo pontes e lugano , não percebem o mau que estão fazendo ao soberano apoiando esse entregador de camisa

  12. A verdade e’ unica:
    o Bahia deixou de fazer o resultado
    por ser um time de mediano para fraco.
    Nosso trenero ‘e mesmo um trenero de uma nota so’.
    Nao temos saidas de contra ataque ate’ o Sidao fica sem opcao.
    Um deus nos acuda, cada um por si.

  13. Caro Paulo, também sou otimista, prefiro tentar encontrar algo de bom em tudo que acontece mas nem sempre é possível, jogamos contra times que não brigarão por nada, exceto o CAM, e não produzimos quase nada, já para as próximas rodadas teremos: Santos, America, Palmeiras, Internacional, At. PR.ou seja, a moleza acabou e não vejo evolução, lógico que não perdemos mas também não ganhamos, precisamos ter mais equilíbrio, eu não sou favorável à troca de técnico e não vou aqui, agora, pedir a demissão deste que ai está mas é flagrante a necessidade de melhora.

  14. Perfeito concordo com o seu comentário sobre o jogo. Eu gostaria de perguntar ao Hudson por que o rendimento dele no S. Paulo é inferior daquele que fez em outro clube. Este fenómeno tem ocorrido com vários jogadores vide Reinaldo na Chapecó, Trelez no Vitória, agora Everton no Flamengo, sem citar outros que já sairam. Tal fenômeno é digno de pesquisa para um jornalista do futebol. Fica a minha sugestão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*