São Paulo viaja 19 mil km em 20 dias e Muricy estuda poupar atletas

O São Paulo enfrentou uma verdadeira maratona desde que recomeçou a disputa paralela da Copa Sul-Americana e do Brasileirão. Desde a ida para Salvador, para o duelo contra o Bahia, no dia 20 de outubro, até este domingo, a delegação viajou pouco mais de 19 mil quilômetros em cerca de 20 dias e culminou no desgaste físico dos jogadores.

A situação foi externada pelo técnico Muricy Ramalho após o revés por 3 a 0 o Atlético-PR, neste domingo, em Curitiba. Para o técnico, o cansaço foi o grande vilão do São Paulo na atuação abaixo da média e, por conta do desgaste, ele até já admite poupar seus atletas para as próximas partidas, visando ao duelo decisivo contra a Ponte Preta, pela Copa Sul-Americana, no dia 20 de novembro.

“A gente vai olhar com carinho, não posso submeter o jogador a esse esforço. O jogo hoje é muito corrido, então temos que ver isso. O time está cansado demais, temos que rever isso e saber o que é melhor. Vamos sentir a parte física e ver como está. Há dois meses, a gente só pensava em sair daquela situação. Agora, pensamos na Sul-Americana. temos condições até de ganhar a competição”, disse Muricy.

A desgastante maratona começou na Bahia (cerca de 2908 km, ida e volta). No dia seguinte, viagem para o Chile, para o duelo contra a Universidad Católica (mais 5.175, aproximadamente para ir e voltar). Para ir atuar contra o Internacional, no Rio Grande do Sul, foram 850 km entre as capitais, mais uma distância percorrida de ônibus até Caxias do Sul.

Na última semana, o trecho até Medellin, na Colômbia, foi o mais desgastante até aqui. Para chegar até a cidade, o São Paulo viajou por quase 12h e, ao todo, gastou aproximadamente 9.140 km de rodagem.

Para encarar a última parte da cansativa rotina, viagem até Curitiba para o duelo deste domingo. Apesar de ser o  mais curto dos trechos (680 km), o grupo chegou desgastado. Muricy admitiu que errou ao escalar os atletas que atuaram na partida que deu a classificação à equipe na Sul-Americana.

“Eu deveria ter tirado todos que foram para a Colômbia. Achamos que dava para jogar, para chegar lá em cima na classificação, mas isso é humanamento impossível, pela sequência de jogos e viagens. Foi uma loucura”, afirmou o comandante são-paulino.

Na sequência do Brasileirão, embora tenha o mando de jogo, o time de Muricy não atuará no Morumbi. Na quarta-feira, terá de cumprir punição do STJD e mandará a partida contra o Flamengo na cidade de Itu, próxima à capital paulista. No domingo, o confronto é no Rio de Janeiro, contra o Fluminense, no Maracanã.

No torneio internacional, ao menos, o time terá um respiro maior em relação às viagens. Afinal, terá somente que ir até Campinas para o duelo de volta da série contra a Ponte Preta, valendo uma vaga na decisão do campeonato.

Fonte: Uol

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*