Rodrigo Caio, Nene e garotos: quem pode subir com Jardine no São Paulo

Toda mudança de comando mexe com o elenco e acaba trazendo motivação para uma leva de jogadores que não vinham sendo aproveitados pelo técnico anterior. No São Paulo, o quadro tende a ser mantido e é provável que haja alteração na escalação já para o confronto da próxima quinta-feira contra o Grêmio, no Morumbi, pela 34ª rodada do Brasileirão.  Mas quem pode ganhar sobrevida com a entrada de André Jardine no lugar de Diego Aguirre?

De cara, os nomes mais lembrados são do meia-atacante Nene, camisa 10 do time, e do zagueiro Rodrigo Caio, integrante do grupo profissional do São Paulo desde 2011, sendo o jogador com mais tempo de casa. Os dois possuem estilo de jogo que agrada a Jardine e não será surpresa se retornarem ao time na reta final do Campeonato Brasileiro. O auxiliar dirigirá a equipe pelo menos até o fim da temporada. A dupla estava insatisfeita por não está sendo aproveitada com Aguirre e, principalmente Nene, não fez nenhuma questão de esconder a irritação. Comentou-se sobre a possibilidade de eles terem liderado um motim contra o uruguaio, mas a diretoria minimizou o caso.

Jogadores oriundos das categorias de base também se animam com a chegada de Jardine, afinal o treinador os conhece melhor do que ninguém. Até o ano passado, ele era o comandante do time sub-20 que ganhou praticamente tudo que disputou. Nomes como Helinho, Shaylon e Anthony, que ainda não estreou pelo profissional, podem ser mais utilizados.

Confira abaixo um balanço de cada atleta que pode ter mais chance com Jardine daqui para frente e uma visão de encaixe no estilo de jogo do novo treinador:

Rodrigo Caio
​Zagueiro só ganhou chance com Aguirre atuando como lateral direito, posição em que não se sente totalmente à vontade. No time de Jardine, pode se encaixar para melhorar a saída de bola, já que essa é uma de suas características. O técnico já avisou que pretende implantar seus conceitos de jogo mesmo nesta reta final e a posse de bola com boa saída faz parte desse pacote. Na avaliação interna, Rodrigo leva vantagem sobre seus concorrentes de zaga neste quesito.

Liziero
​Já vinha sendo bem aproveitado por Aguirre, mas com Jardine tende a ganhar mais importância. Foi o treinador da base um dos grandes responsável pelo processo de transição do meio campista ao profissional. Jardine é muito entusiasta do futebol do jogador e o vê como importante na construção de um jogo mais técnico.

Nene
Foi para o banco de reservas no fim da passagem de Aguirre e não gostou nada, externando irritação. Agora, tem a chance de recomeçar. Contratado para ser uma das lideranças técnicas do time, tem o talento buscado por Jardine e pode voltar a ter chance. Mas vai precisar render mais do que vinha rendendo.

Helinho
Jardine gosta  de  jogar bom pontas rápidos e vê no garoto potencial para ser titular e assumir essa posição, sobretudo porque o equatoriano Rojas só volta em 2019. Atacante é uma das principais promessas do clube para o futuro. Ele marcou um gol já pelo profissional, no empate por 1 a 1 contra o Flamengo no Morumbi, há duas rodadas.

Antony
O atacante de 18 anos tem situação semelhante à de Helinho, mas ainda não teve oportunidade de estrear no time de cima. Também promovido este ano, agrada muito a Jardine e deve estrear em breve. Ele recentemente renovou seu contrato até dezembro de 2023 com o Tricolor.

Shaylon
​O meia-atacante andou sumido com Aguirre, sem ser aproveitado, mas foi peça-chave dos times de Jardine na base. O técnico tanto o considera como meia na armação como uma alternativa para o ataque, como falso 9. Também se encaixa naqueles jogadores que podem melhorar a qualidade técnica do time, na visão do novo comandante. Não seria surpresa se pintasse no jogo contra o Grêmio na quinta.

 

Fonte: Lance

3 comentários em “Rodrigo Caio, Nene e garotos: quem pode subir com Jardine no São Paulo

  1. Dando minha opinião:
    Não sei se daria tempo, em virtude da necessária readaptação do atleta à posição, mas acho que o Jardine deveria entrar com o Rodrigo Caio como primeiro volante, sendo responsável pelas saídas de bolas do goleiro, com os laterais se adiantando; os zagueiros abrindo um de cada lado do campo e, quando atacados, formar como um terceiro zagueiro de sobra. Por que isto? Por que o Rodrigo é rápido; tem boa saída de bola; é um bom cabeceador tanto na defesa como no ataque. Além do mais, o time vem sofrendo horrores por falta de um primeiro volante que saiba, também, jogar. O Hudson, corre muito mas sempre chega atrasado e é responsável pelo S.Paulo não conseguir desarmes sem faltas, o que sempre proporciona bons momentos de ataque. Com o Jucilei como segundo volante e com dois meias de armação, acho que teríamos time para grandes disputas…

    • Respeito sua opinião, Eduardo, como a de muitos que aqui se manifestam sobre o Rodrigo Caio, mas preciso lhe perguntar:
      Vc considera o Rodrigo Caio pior jogador do que o Anderson Martins; do que o Hudson ou o Bruno Peres?
      O RCaio foi demonizado como culpado por anos de fracasso do tricolor. Pergunto:
      Vc se lembra que, na temporada passada, sob a direção do fraco Dorival Jr, ele formou a dupla de área que foi responsável pelo time fazer a melhor, ou uma das melhores campanhas do segundo turno do brasileirão?
      Sem o Rodrigo Caio, o time teve o mesmo comportamento da temporada anterior: fez um ótimo turno em cada competição. O fato de atribuir a um jogador e à sua utilização pelo técnico uma gravidade a ponto de condicionar o início de trabalho de um treinador que conhece o atleta há anos, a meu ver, parece coisa preconceituosa. Questionar a entrada dele, ou de qualquer outro atleta, no time será continuar fazer o mesmo que o Aguirre fez e querer obter resultados diferentes. Não! O Jardine tem que ter a liberdade e nosso apoio para mudar o que vinha até então e usar todo elenco à disposição para encontrar o time que poderá voltar a vencer.
      Com os meus respeitos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*