Relação segue tensa entre São Paulo e fornecedora de material esportivo

O clima cordial entre os dirigentes do São Paulo e da Penalty na entrevista coletiva de terça-feira à tarde, no Morumbi, está longe de retratar a realidade. Apesar da promessa de que o contrato será cumprido, a relação entre clube e fornecedora de material esportivo continua turbulenta e pode chegar ao fim bem antes de dezembro de 2015, como prevê o acordo.

A cúpula são-paulina considera que a empresa está aquém das necessidades do clube e chegou a falar publicamente sobre essa insatisfação. Dirigentes reclamam da qualidade do material usado na confecção de uniformes e acreditam que a marca tenha grande rejeição entre os torcedores. Os rivais Corinthians e Palmeiras, por exemplo, possuem acordos com as gigantes Nike e Adidas, respectivamente.

O rompimento esbarra na multa prevista no contrato assinado durante a gestão Juvenal Juvêncio. O valor, não revelado, é proporcional ao tempo do vínculo. Ou seja, bem inferior aos R$ 30 milhões divulgados anteriormente. Em dificuldades financeiras, o Tricolor se recusa a pagar, mas procura alternativas. A principal delas seria que a fornecedora interessada em ocupar o espaço publicitário desembolsasse o montante. Mas, até mesmo assim, a Penalty pode fazer valer o contrato. A empresa tem a opção de igualar ou cobrir a oferta que o São Paulo recebesse. Isso, porém, é pouco provável que aconteça.

Kaka, São Paulo X Bahia (Foto: Marcos Ribolli)Camisas fornecidas pela Penalty têm sido alvo de críticas dos torcedores do São Paulo (Foto: Marcos Ribolli)

A fornecedora passa por dificuldades financeiras que a levaram a atrasar o pagamento de algumas parcelas, problema que deu início ao atrito com o Tricolor. No entanto, o débito foi quitado nos últimos meses.

– Hoje, posso garantir que a Penalty não deve nada. Acertaram dinheiro e todo o material – afirmou uma fonte ligada ao clube do Morumbi.

Membros da diretoria do São Paulo acreditam que haverá a troca de fornecedora durante a temporada 2015. Alguns apostam até que a Penalty ficará apenas até o Campeonato Paulista. Um indício disso seria o lançamento da coleção do próximo ano já para o próximo mês de novembro, logo após ser apresentada a camisa que será usada pelo goleiro e capitão Rogério Ceni até o dia de sua aposentadoria.

O São Paulo não esconde que conversou com várias empresas interessadas em assumir a vaga, mas garante que até agora não houve acerto. O clube chegou a encaminhar um acordo com a alemã Puma, mas a americana Under Armour subiu a oferta e fez os dirigentes balançarem. Adidas, Nike e Umbro também participaram da disputa.

 

Fonte: Globo Esporte

2 comentários em “Relação segue tensa entre São Paulo e fornecedora de material esportivo

  1. Não comprei nenhuma camisa durante este período em que a Penalty está fornecendo ao SP. Já que pagamos muito caro na camisa, então que seja bonita e de qualidade. Do jeito que está, não vou comprar mesmo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*