Paulo Assunção, enfim, é regularizado e estreia nesta quinta-feira

Exatamente 12 dias após sua primeira aparição no CT da Barra Funda, Paulo Assunção, finalmente, foi regularizado como jogador do São Paulo. O contrato do volante apareceu no Boletim Informativo Diário (BID) da CBF e ele está liberado para estrear nesta quinta-feira, contra o Fluminense, em São Januário, pelo Campeonato Brasileiro.

O que impedia a utilização do jogador era o documento de sua rescisão com o Atlético de Madri – os papeis demoraram a ser enviados pela Federação Espanhola de Futebol. Ney Franco, contudo, sempre avisou que bastava o meio-campista ter condições legais de entrar em campo para ser relacionado.

O novo camisa 12 não pôde nem ser inscrito na primeira fase da Copa Sul-americana e já é desfalque certo no segundo jogo diante do Bahia, no Morumbi, no dia 21. Mas deve ficar pelo menos no banco nesta quinta-feira, já que está bem fisicamente – participou de 20 dias da pré-temporada do Atlético de Madri e tem treinado no Tricolor desde 26 de julho.

No contrato registrado no BID nesta terça-feira, Paulo Assunção iniciou seu vínculo iniciado em 20 de julho, último dia para a inscrição de atletas vindos do exterior, e tem compromisso com o São Paulo até 19 de julho do ano que vem. O período é curto porque ele veio como uma solução de emergência para um elenco que passou o primeiro semestre sem um especialista na marcação na cabeça de área, já que Fabrício e Wellington se machucaram.

Ney Franco não deve mexer no 3-5-2 para esta quinta-feira e Paulo Assunção pode ficar mais tempo no banco de reservas do que imaginava. Wellington realizou seu primeiro treino com bola ao lado do grupo nesta terça-feira e cumpre a última etapa de recuperação de cirurgia no joelho esquerdo. Na próxima semana, deve ficar à disposição.

Luiz Pires/VIPCOMM

Volante treina normalmente no São Paulo desde 26 de julho e está bem fisicamente

“Já estava com saudades de participar com os companheiros, trabalhar normalmente. Agora é continuar respeitando o tempo para estar à disposição quando toda a comissão técnica avaliar que estou pronto”, apontou Wellington, feliz por suaevolução. “A alegria de voltar a treinar com bola foi imensa. Foram meses de bastante esforço, sofrimento, mas a vontade superou tudo. Fico feliz por fazer o que mais gosto novamente.”

 

A maior alegria, porém, é de Denilson, que voltará a atuar com mais liberdade, como um segundo volante, tendo Paulo Assunção ou Wellington ao seu lado – Fabrício passou por operação no joelho direito em junho e voltará a ter condições de jogo somente na próxima temporada.

“Com o Paulo Assunção e o Wellington, fico mais livre dentro de campo e posso ajudar mais na frente, tocando para os meus companheiros fazerem gols ou eu também ter mais chances de chegar à frente e fazer o meu primeiro gol pelo São Paulo”, projetou Denilson.

Fonte: Gazeta Esportiva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*