Morumbi em nova fase

Neste domingo (28), O Estádio do Morumbi inicia novo estágio de sua história. Em processo contínuo de modernização, com novos assentos (todos vermelho) e outros melhoramentos internos, na infraestrutura, o Estádio Cícero Pompeu de Toledo provou que se mantém como um dos estádios mais imponentes e importantes do Brasil.

Marco da trajetória são-paulina, nada mais justo do que ser celebrado em um jogo decisivo pelo time que abriga há quase 53 anos, e que, nesta partida, joga especialmente vestido para homenagear a Casa São-Paulina. Vermelho, como o Morumbi, o São Paulo FC entra em campo às 18h30 vestindo um uniforme comemorativo com o mote “Vermelho, a cor da Raça”.

Saiba mais sobre a história do Gigante São-Paulino:

Aquisição do Terreno

A primeira parte do terreno do Morumbi foi adquirida em 4 de agosto de 1952, junto a Imobiliária Aricanduva. Logo a seguir, no dia 15 de agosto, ocorreu a benção do local pelo Monsenhor Francisco Bastos e o lançamento da pedra fundamental do estádio, ainda que obra nenhuma tivesse ocorrido e nem projeto de construção ainda existisse.

Terraplanagem

Em março de 1953, entretanto, o projeto de foi definido: a concepção de João Vilanova Artigas venceu a concorrência. Assim, em 1º de julho de 1953 começou as obras de terraplanagem do terreno, que ficaram a cargo da Cavalcanti Junqueira S/A. Em 21 de dezembro essa etapa foi concluída, com 340.053m³ escavados e 1.399.428m³ de terra transportada.

Fundações e Galerias de Águas

Concomitantemente, as obras de estaqueamento, construção das fundações e galeria de águas pluviais se deram início, ao cargo da Engenharia de Fundações S/A, Fundações Benachio Ltda e Civilsan – Engenharia Civil e Sanitária S/A. Tais obras levaram um ano para serem concluídas, exceto as fundações, encerradas em setembro de 1957.

Sistema de Drenagem

A seguir, se deu início a construção do sistema de drenagem, mais precisamente em 29 de outubro de 1954. Todo o complexo sistema foi finalizado em 20 de abril de 1955 com 24.000m² de cobertura (campo + pista) com drenos em forma de espinha de peixe recobertos e configuração das camadas do solo estudada pelo IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas).

Obras estruturais

A primeira fase das obras estruturais do estádio se deu também com a Civilsan, contratada em 14 de fevereiro de 1955 para construções de base, como túneis, fosso, rede de irrigação e a arquibancada térrea. A segunda fase das obras estruturais, que envolvia o erguimento propriamente dito dos vãos de arquibancadas, começou em 29 de dezembro de 1955, sob a mesma empreiteira.  Estas obras somente foram entregues, e parcialmente, como se sabe, em 1960.

Batismo

Em 24 de janeiro de 1956, o Conselho Deliberativo do São Paulo Futebol Clube batiza a construção como Estádio Cícero Pompeu de Toledo.

Gramado

A inauguração do gramado, plantado com grama tipo Batatais sob orientação do engenheiro Hermes Moreira de Souza, do Instituto Agronômico de Campinas, e demarcado com medidas FIFA por Vicente Feola, se deu em 25 de agosto de 1956 com festa e churrasco oferecidos à imprensa. Nesta solenidade foram apresentadas as primeiras traves redondas do Brasil.

Pista de Atletismo

A construção da pista (inaugurada em 9 de abril de 1960) fora supervisionada por Dietrich Gerner, maior expert do atletismo nacional até então. Todavia, suas medidas não puderam ser oficiais devido ao tamanho do campo de futebol previamente delimitado. Em 22 de fevereiro de 2010, a pista é reinaugurada, agora com piso de tartan.

Inauguração, parte I

2 de Outubro de 1960: Inauguração parcial do estádio em partida contra o Sporting Lisboa, de Portugal (1×0 para o São Paulo: 1º gol do novo estádio de Arnaldo Poffo Garcia, o Peixinho). O estádio fora inaugurado com capacidade para 70 mil pessoas – O setor térreo completo e os trechos entre os portões 8 e 1 (sentido horário) do anel superior construídos. A benção do estádio coube ao Cardeal Dom Carlos Carmelo de Vasconcelo Motta.

Quase parando

Entre 1960 e 1968, as obras do Morumbi praticamente não avançaram. Somente mais um vão de arquibancadas foi erguido (Entre os atuais portões 1 e 2). Esta obra foi realizada pela Cia. Construtora Nacional S/A.

Carnê Paulistão

Graças ao Carnê Paulistão, criado em 1968, o São Paulo conseguiu os recursos para finalizar o Estádio do Morumbi. Assim, o clube assinou com a Cia. Construtora Nacional S/A e com a Servix Engenharia S/A (sublocadora da Enbasa – Engenharia e Comércio S/A) para a etapa final, que se encerrou em 20 de dezembro de 1969.

Inauguração, Parte II

25 de janeiro de 1970, a inauguração definitiva do estádio em partida contra o Porto, de Portugal. O placar foi de 1 a 1, gol são-paulino marcado por Miruca. O Estádio possuía agora capacidade para 150 mil pessoas.

Refletores

Ainda que construídas em 1968, e com iluminação provisória, as torres do sistema de refletores do Estádio foram oficialmente inauguradas em partida que o São Paulo venceu o Köln, da Alemanha, por 2 a 1.

A primeira reforma

Iniciou-se em 30 de julho de 1974 (findando em 20 de dezembro do mesmo ano) a primeira reforma do Morumbi, justamente no gramado. Obra executada pela PARKSERV Paisagismo Ltda. Por causa dessa manutenção não foi possível para o São Paulo jogar a decisão da Taça Libertadores, contra o Independiente, no Morumbi.

O escudo e as cores tricolores

Em 1º de março de 1989 foi inaugurado novo desenho paisagístico da área de gramado que envolve o campo de futebol, chamado então de “Ondas Tricolores”. Um grande distintivo do São Paulo passou a figurar na lateral do campo, de fronte às cabines de TV. O design visual coube à Trópica Paisagismo, e o projeto de programação visual publicitária à Piccolo & Ulhoa Cintra Arquitetos Associados S/C.

Reforma estrutural

Entre 1994 e 1998, o Morumbi passou por momentos difíceis, de ampla reforma nas fundações e colunas de sustentação, além de implantação de amortecedores. De novembro de 1995 a julho de 1996 o estádio permaneceu fechado a jogos. A reinauguração se deu com o jogo São Paulo 1 x 1 Dinamarca Sub-23, no dia 13 de julho.

Nova iluminação

O novo sistema de iluminação do Estádio foi inaugurado antes da partida São Paulo 3 x 2 Matonense, pelo Campeonato Paulista, em 4 de maio de 1999. Agora em forma de arcos, que unem duas torres – de ambos os lados do campo, o sistema é dotado de 256 holofotes em linha horizontal para cada arco.

Padrão FIFA

O Estádio continuou em reformas, agora superficiais (colocação de assentos anatômicos nas arquibancadas, pintura de sinalização, etc) e outras estruturais, como implantação de mais amortecedores. Etapa finalizada somente no início do ano 2000. Com isto, a capacidade oficial do estádio caiu para 80.000 pessoas.

Concept Hall

Uma nova era começou no Morumbi em 27 de agosto de 2007. Neste dia foi inaugurado o Concept Hall, com a megaloja de produtos esportivos do Tricolor. Mas não somente isto. Neste dia foi inaugurado um novo conceito de administração de estádios no Brasil. Muitas mudanças vieram a partir de então, como a criação de novos negócios comerciais, exploração de camarotes, remanejamento de setores, além de melhorias na infraestrutura e no atendimento.

 

Fonte: Site Oficial – Foto: Site Oficial

Um comentário em “Morumbi em nova fase

  1. Vermelho cor da raça, só se for pelas tradições da instituição São Paulo Futebol Clube, porque o time desde a era Telê Santana, não sabe o que é raça, e com o atual técnico, perdeu a capacidade de reação, se faz 1X0, acomoda-se e acaba levando a virada, tanto é que aos 43 minutos do primeiro tempo vai empatando com o Penapolense.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*