Fabuloso quer paz nos estádios e decidir em campo

Rivalidade acirrada desde a década de 30, um time no topo, outro na parte de baixo da tabela e nenhum deles pode pensar em empatar. Esses são alguns dos ingredientes do Choque-Rei deste sábado, às 16h, no Morumbi (com transmissão em tempo real pelo LANCENET!).

E a grande atração por parte do São Paulo é a volta de Luis Fabiano. O atacante está recuperado de um estiramento na coxa direita e preparado para ser decisivo diante do Palmeiras. Mas ele próprio faz questão de ressaltar que o clima de disputa é exclusivo entre os times.

A lamentável cena do último fim de semana, em que torcedores do Coritiba quase agrediram uma torcedora de 13 anos só porque ela recebeu uma camisa do são-paulino Lucas, incomodou o artilheiro tricolor. Fabuloso aproveita a importância do duelo deste sábado e, por meio do LANCENET!, faz um apelo de paz para todos os torcedores:

– Na verdade seria normal se a disputa fosse só em campo. Às vezes, a gente leva para outro lado e acaba esquecendo que o futebol é um esporte saudável, que são dois times brigando pela vitória e não dois países, ou algo parecido, em guerra. Torcedor marca briga pela internet, leva objetos para o estádio para agredir ou machucar a outra torcida. Acho isso uma grande idiotice.

O camisa 9 não tem poder para controlar o que acontece nas arquibancadas e fora do estádio, mas dentro das quatro linhas o torcedor são-paulino pode confiar nele. Além de ser o jogador em campo com mais gols na temporada (tem um a mais do que Barcos), Luis Fabiano está empolgado para essa partida. Depois de brilhar e marcar dois gols na vitória por 2 a 1 sobre o Corinthians, pode repetir a dose neste clássico?

– É difícil (risos). Cada jogo tem sua história e é difícil a história se repetir. Mas estou confiante e bem preparado como estava contra o Corinthians. E é no Morumbi, né? No Morumbi, você sabe: pintou uma, pode ser fatal – avisou o atacante.

Uma chance e um gol podem garantir uma vitória muito importante no Brasileirão. O Tricolor pode terminar a rodada a só um ponto do G4, ou sete atrás. Mas Fabuloso estará em campo. Quem duvida dele?

Confira um Bate-Bola exclusivo com Luis Fabiano:

Se perder para o Palmeiras e o Vasco ganhar do Atlético-GO, a distância para o G4 será de sete pontos. Fica impossível alcançá-los?
Fica difícil. É um jogo decisivo pelo fato de a gente estar quatro pontos atrás do Vasco. A gente precisa dessa vitória, o Palmeiras também precisa, mas se a vitória não vier e o Vasco ganhar, a coisa vai se complicar muito. Mas estamos confiante e sabemos que no Morumbi temos grandes possibilidades.

E o quanto de confiança você tem para conseguir essa vitória?
A gente sempre entra confiante. Sabemos que o Palmeiras é um time perigoso e com muita qualidade. É um clássico que se determina nos detalhes, sabemos que não podemos errar e precisamos dos três pontos. Do outro lado, tem o Palmeiras que está vindo de três vitórias. Mas quando o São Paulo joga o futebol do São Paulo, é uma equipe forte.

No último fim de semana, no Couto Pereira, houve uma cena lamentável da torcida do Coritiba ao tentar agredir a menina que o Lucas deu a camisa. Como você viu esse fato?
Olha, eu vi muitas vezes, no próprio campo do Sevilla. Jogos do Sevilla contra o Real Madrid e o Barcelona, o menininho, torcedor do Sevilla, pedindo camisa do Messi, do Cristiano Ronaldo, do Casillas e, gentilmente, eles foram e deram a camisa. Coincidentemente, as pessoas que estavam do lado, que eram todas sevilhistas, ficaram felizes pelo garoto porque sabem que ganhar uma camisa de um craque como Cristiano Ronaldo e Messi vale muito. Em vez de agredir como foi lá em Curitiba, deram parabéns para o garoto. Aqui, infelizmente a gente vê uma menina com um pai ser agredida por 10, 15 caras que não têm o que fazer. Porque, para mim, não tem o que fazer. Torcer é uma coisa. Agora, ser profissional de torcida, isso estou para ver. Foi um fato desagradável que, sinceramente, não cabe mais. Estamos quase um ano e meio da Copa do Mundo e não pode acontecer.

Até comemorações têm dado problemas recentemente, como foi com o Romarinho, do Corinthians. Não acha que a hora do gol é um momento de festa e que estão criando muitas proibições?
Eu acho que toda comemoração é valida, só não pode provocar a torcida ou o adversário. Eu comemorei contra o Corinthians, a torcida deles me respeitou. Eu não entendi o que aconteceu no Corinthians e Palmeiras (lance do Romarinho), mas já está tão limitada a comemoração, não pode tirar a camisa, não pode levantar a camisa que já toma cartão. Colocando ainda mais regra, vai perder um pouco a graça. A hora que você tem para extrapolar, tem de pensar no que vai fazer.

Fonte: Lance

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*