Equilíbrio entre ataque e defesa é a arma de Ney Franco no São Paulo

A histórica passagem de Muricy Ramalho pelo São Paulo serviu para consolidar a zaga da equipe como uma das principais do Brasil. Após a sua saída, em 2009, os técnicos que passaram pelo Morumbi tentaram repetir o mesmo feito e ouviram críticas por não conseguirem o mesmo desempenho visto em outras temporadas. Já com Ney Franco, o time parece finalmente ter se encontrado defensivamente e vem apresentando bons números no segundo turno deste Campeonato Brasileiro.

Ney Franco chegou ao clube para substituir Emerson Leão, em julho deste ano. O antigo comandante tricolor era constantemente criticado por não dar um padrão defensivo ao seu time e levar muitos gols nos campeonatos disputados. Em suas primeiras partidas à frente do Tricolor, o próprio Ney Franco admitiu que encontrava dificuldades para organizar seus zagueiros e sofreu para fazer com que o time entrasse nos padrões exigidos pela torcida.

Após uma série de tropeços e formações testadas neste Brasileiro, o São Paulo pôde, enfim, se livrar do trauma adquirido anteriormente. O clube tomou apenas cinco gols neste segundo turno e só perde para Fluminense, Atlético-MG, Grêmio e Internacional no quesito de defesa menos vazada. Aliado a isso, o time alcançou a marca de terceiro melhor ataque da competição e credenciou este equilíbrio entre diferentes setores como o principal diferencial do time nocampeonato.

“Nós deixamos de ser um time equilibrado apenas defensivamente e também nos tornamos uma equipe muito positiva no ataque. Esse acerto da defesa nos deu o equilíbrio necessário para a competição”, avaliou Ney Franco. “E isso não significa dizer que só os zagueiros estão bem. Em alguns momentos os atacantes têm participado quando adiantamos a marcação. O fato de as três linhas jogarem próximas fez com o que o clube desse menos espaço para os adversários.”

Divulgação/Vipcomm

Ney Franco atribuiu a escalada tricolor na tabela ao equilíbrio entre os setores defensivo e ofensivo

Para comprovar o bom momento defensivo do São Paulo, o técnico usou como base as jogadas aéreas dos seus oponentes e o excelente desempenho que foi obtido nas vitórias contra o Palmeiras, por 3 a 0, e Vasco, por 2 a 0. “Antes nós tomávamos muitos gols pelo alto e isso não acontece mais agora. Nós passamos por dois testes importantíssimos contra Palmeiras e Vasco. Essas equipes têm bons batedores e vinham ganhando jogos desta forma. E a bola quase não chegou no Rogério Ceni nestas ocasiões.”

Com os problemas táticos corrigidos e todos os titulares à disposição para a rodada desta semana, o São Paulo irá a campo às 21 horas (de Brasília) desta quinta-feira para enfrentar o Atlético-GO, no Morumbi. Para este confronto, o time só não poderá contar com Cañete, Fabrício e Paulo Henrique Ganso, que estão lesionados e ainda não possuem uma data certa para retornar ao time principal do Tricolor.

 

Fonte: Gazeta Esportiva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*