Em carta, Abílio Diniz cita falsidade e diz que “tira time de campo” no SP

Os atritos entre Abílio Diniz e a diretoria do São Paulo, que vinham se intensificando nas últimas semanas, culminaram em uma resposta de Abílio nesta quarta-feira. Em carta endereçada aos conselheiros do clube, o empresário, que havia sido alvo de críticas do presidente Leco por e-mail, utiliza termos como “falsidade” e afirma que está “tirando o time de campo” em relação a política são paulina.

No documento, Abílio aponta demora e relutância na diretoria de futebol, composta por Gustavo Vieira de Oliveira, Ataíde Gil Guerreiro e Rubens Moreno em fornecer documentos solicitados pela McKinsey, contratada pelo empresário para realizar uma auditoria no clube.

“Na verdade, após quase três meses e muitas esquivas e evasivas, o trabalho da McKinsey tinha praticamente se resumido a conversas com pessoas do futebol. Os números e as informações solicitados não estavam sendo fornecidos. Somente no dia 12 de fevereiro, após revelar essa situação no meu blog, é que a McKinsey recebeu um telefonema do Ataíde marcando reunião, ocorrida ontem, na qual foram entregues informações e documentos”, afirma a carta.

A assessoria de imprensa do São Paulo afirmou que o departamento de futebol já vinha colaborando com a McKinsey. Tanto que a empresa havia entrevistado uma série de pessoas do departamento para levantar os métodos de trabalho. Mas que na semana que antecedeu o carnaval, após o fim das entrevistas, foi estipulado que até a última sexta uma série de documentos deveria ser entregue. Então, de acordo com a assessoria, a direção explicou para a empresa que teria dificuldades para cumprir o prazo por causa da grande quantidade de papéis pedidos. E por problemas como responsáveis pelas categorias de base estarem de férias. Assim, o departamento de futebol negociou com a consultoria a entrega na terça.

No fim, Abílio garante que irá ao Conselho Deliberativo do clube pela última vez no próximo dia 23, e depois deve se afastar da política do São Paulo. Como um dos motivos, cita a convivência com falsidade e meias verdades dentro dos muros do Morumbi.

“Infelizmente, está cada vez mais difícil viabilizar essa colaboração. Tenho muita dificuldade de conviver com falsidade, hipocrisia e meias verdades. Sou uma pessoa transparente. Sempre procuro construir coisas positivas, mas há momentos em que é melhor sair de campo”.

Confira a carta na íntegra:

Caros Conselheiros,

A última coisa que quero em relação ao São Paulo é tumultuar a governança e bater boca com o presidente. O São Paulo não precisa disso. Nem eu. Mas, às vezes, as coisas só avançam quando são tornadas públicas e esclarecidas.

Nesse espírito, quando tomei conhecimento da carta que o Leco lhes enviou nesta semana, senti a necessidade de fazer alguns esclarecimentos.

Na carta na qual ele faz apologia à verdade e à transparência, Leco afirma, em referência à consultoria que a McKinsey tenta fazer no clube, que “são desprovidas de fundamento as ilações de que o departamento de futebol estaria dificultando um trabalho que é do nosso total interesse”. E acrescenta: “Fui informado pelos dirigentes da área, o vice-presidente Ataíde Gil Guerreiro, o diretor Rubens Moreno e o gerente-executivo de futebol Gustavo Vieira de Oliveira, de que todos os documentos solicitados foram e continuam sendo postos à disposição dos auditores”.

Na verdade, após quase três meses e muitas esquivas e evasivas, o trabalho da McKinsey tinha praticamente se resumido a conversas com pessoas do futebol. Os números e as informações solicitados não estavam sendo fornecidos. Somente no dia 12 de fevereiro, após revelar essa situação no meu blog, é que a McKinsey recebeu um telefonema do Ataíde marcando reunião, ocorrida ontem, na qual foram entregues informações e documentos. A postura pode estar mudando, mas somente depois da cobrança pública no meu blog. E é por isso que eventualmente escrevo sobre esses assuntos.

A McKinsey, uma das mais respeitadas consultorias do mundo, foi contratada por mim, na presença do Leco e dos demais citados acima, para mergulhar no futebol e formular sugestões para trazer modernidade e eficiência ao clube. A McKinsey tem trabalhado com as maiores equipes da Europa e está qualificada para ajudar o São Paulo. Mas o São Paulo precisa querer essa ajuda.

Meus caros conselheiros, quero deixar muito claro aqui que minha única intenção é ajudar e fazer o melhor pelo São Paulo para sairmos dessa situação crítica e nos tornarmos novamente exemplo no futebol brasileiro e mundial.

Em nenhum momento passou pela minha cabeça a ideia de mandar no clube. Se fosse essa a minha intenção, não teria apoiado incondicionalmente a troca do Aidar pelo Leco. Quem diz que quero mandar só quer criar uma cortina de fumaça em relação aos fatos e dificultar minha colaboração por uma gestão eficiente, profissional e transparente.

Infelizmente, está cada vez mais difícil viabilizar essa colaboração. Tenho muita dificuldade de conviver com falsidade, hipocrisia e meias verdades. Sou uma pessoa transparente. Sempre procuro construir coisas positivas, mas há momentos em que é melhor sair de campo.

No próximo dia 23, estarei com vocês no Conselho com o objetivo de sensibilizá-los novamente para que assumam de fato o comando do SPFC. Tenho ouvido de muitas pessoas que isso é inviável, que o Conselho é muito grande e dividido. Mas minha esperança é que vocês se unam para o bem do São Paulo e assumam suas responsabilidades neste momento tão importante.

Caros conselheiros, minha intenção é ir ao Conselho pela última vez na semana que vem para passar o que acredito e deixar com vocês a tarefa de ditar os rumos do São Paulo. Como venho falando, vocês representam os verdadeiros donos do clube, que são seus sócios e torcedores.

Minha luta pela profissionalização da gestão é a luta não apenas pelo nosso time do coração, mas também pelo futebol brasileiro, para que ele seja administrado com seriedade, transparência e eficiência.

Essa transformação no futebol está começando, e é preciso que ela continue. Meu sonho é que o São Paulo a lidere.

Um abraço,

Abilio

 

Fonte: Uol

8 comentários em “Em carta, Abílio Diniz cita falsidade e diz que “tira time de campo” no SP

  1. A herança maldita da gestão JJ continua sendo notada em todos os detalhes da gestão do clube. O São Paulo lembra aquelas republiquetas da América Latrina, que após longo período de “ditadura”, entra em colapso geral e acaba mergulhando numa crise sem fim. Os que lá estão, na quase totalidade e começando pelo Presidente Leco, são os mesmos que integravam a séquito que costumava cercar, e até blindar, o JJ.

  2. Você precisa disso Abílio? Ter sua vida profissional e pessoal mesmo que vitoriosa e extremamente bem sucedida questionada a todo instante por pessoas que não entendem porra nenhuma de ações nem de ser bilionário? Tudo em nome do quê? Amor ao clube? Isso eu até entendo porque sofro do mesmo mal, mas não se desgaste amigo, a maioria dos conselheiros não se importam, a torcida se vende por verba de carnaval, o conselho de ética é uma piada com a pizzaria do ópice… Vá para casa, vá cuidar dos netos, oque você podia já fez, quem sabe daqui uns 50 anos as coisas mudem?

  3. Abilio Diniz fez as cagadas tentando ser esperto e perdeu o empreendimento fundado por sua família para os franceses, associou-se a outras marcas e todo mundo sabe a qualidade e confiança que tem, o SPFC não precisa de você, da atual diretoria e de nenhum outro filho da puta oportunista. Agradecemos o interesse, mas não o queremos nos representando.

  4. Eu sou totalmente favorável às ideias do Abilio sobre gestão. (Sobre futebol, não). A única saída é profissionalizar.
    Qualquer que xinga dirigente aqui deveria apoiar uma gestao profissional.

  5. Poxa, porque esse Abílio não se candidata, ganha a presidência e faz o que deseja. Tá que nem marido de ex-mulher que não aceitou que ela casasse com outro rsrsrsrsrsrs já encheu o saco !

  6. Nossa, finalmente! Graças a deus! Já encheu o saco também esse Abílio Diniz ein? Por que não compra logo um time qualquer aí e manda nele, vai tumultuar os quintos do inferno!
    Que cara mais mala. Oferece pagar auditoria e quer ficar dando pitaco na administração? Tá com tempo livre? Vai lavar louça! Por que não se candidata como todo mundo e tenta ser eleito ao invés de ficar só enchendo o saco na mídia?

    Que fase o São Paulo ein? Só tem babaca e boçal envolvido com o clube, meu deus!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*