Conselho do SP debate caso Iago e pode pedir embargo de negociações

O caso Iago Maidana será debatido em reunião do conselho deliberativo do São Paulo que acontecerá na noite da próxima segunda-feira (28). A operação que levou o zagueiro de 19 anos ao Morumbi usou um clube da terceira divisão de Goiás como ponte e foi viabilizada por uma empresa que investiu na compra dos direitos econômicos para tirar o atleta do Criciúma – prática proibida pela Fifa desde maio e que pode render punição ao time. Para o conselho, o caso é “gravíssimo” e pode motivar um pedido interno de embargo de negociações com atletas, para evitar maiores danos ao clube além da eventual punição esportiva.

A empresa Itaquerão Soccer admite ter investido, por meio do Monte Cristo, da terceira divisão goiana, R$ 800 mil para adquirir 30% dos direitos econômicos e tirar Iago Maidana do Criciúma. Depois de comprado, o atleta passou dois dias registrado no Monte Cristo e teve 60% de seus direitos econômicos vendidos por R$ 2,4 milhões ao São Paulo. A Itaquerão Soccer admite ter negociado com o clube do Morumbi desde quando o jogador pertencia ao Criciúma, informação negada pelo presidente são-paulino Carlos Miguel Aidar.

Além do temor pela punição esportiva, membros do conselho querem compreender porque o clube pagou valor tão alto se poderia ter contratado o zagueiro diretamente do Criciúma, sem passar pela Itaquerão Soccer.

A ideia de pedir um embargo em negociações que acontecem neste momento com jogadores para 2016 acontece porque, caso o São Paulo seja punido e impedido de contratar por determinado período de tempo, poderá ter de indenizar atletas com os quais firmou acordo para se transferirem ao clube na próxima temporada – e, neste caso, não terá como argumentar que não sabia da possibilidade da punição.

“Para mim esse caso é gravíssimo, o São Paulo pode ser punido. O Barcelona já sofreu punição por um problema semelhante. Preciso me apropriar de mais elementos, mas certamente isso vai ser debatido na próxima reunião do conselho”, disse Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, presidente do conselho deliberativo, ao UOL Esporte.

Há duas formas para que o caso Iago Maidana seja discutido na reunião do conselho: o próprio Leco, como presidente do órgão, poderá colocar o caso na pauta da reunião se julgar necessário, ou ainda qualquer outro conselheiro pode pedir a palavra para cobrar explicações.

O São Paulo já foi notificado pela CBF, assim como o Monte Cristo e o Criciúma. A entidade estuda o caso e quer saber se os clubes negociaram com a Itaquerão Soccer sabendo da condição de investidora da empresa.

Em entrevista à Rádio Globo na madrugada desta quinta-feira, o presidente Carlos Miguel Aidar afirmou que o São Paulo não sabia que Iago Maidana pertencia ao Criciúma quando questionado sobre o motivo que levou o clube a pagar valor três vezes maior ao Monte Cristo do que gastaria em uma negociação direta com o time catarinense.

“Porque o São Paulo não sabia que o jogador pertencia ao Criciúma. O São Paulo estava negociando com o empresário do atleta. Na hora do fechamento tinha um clube que era dono dos direitos, e o São Paulo tinha que comprar desse clube. Na verdade não sei por que desse barulho todo, até imagino que seja mais uma arte daqueles que querem desestabilizar nossa gestão”, disse Aidar.

 

Fonte: Uol

7 comentários em “Conselho do SP debate caso Iago e pode pedir embargo de negociações

  1. “Além do temor pela punição esportiva, membros do conselho querem compreender porque o clube pagou valor tão alto se poderia ter contratado o zagueiro diretamente do Criciúma, sem passar pela Itaquerão Soccer.”

    Será que essa pergunta vai ser respondida?

  2. O caso Iago Maidana é um tiro de canhão na frágil credibilidade são-paulina. Ele passa a impressão, para o mercado, para o mundo futebolístico, de que não há nada feito às claras no São Paulo. Tudo é coberto de dúvidas, de incertezas, uma névoa em vez de transparência.

    O presidente Carlos Miguel Aidar diz que o clube não sabia que Iago Maidana pertencia ao Criciúma. Só se ele não não soubesse, o que o tornaria um torcedor muito desinformado. A imprensa noticiava há tempos que o São Paulo tinha interesse no jogador. Jornais e sites de Criciúma apontavam para uma negociação iminente.

    Ele diz que não sabia. Quem quiser, acredite.

    Mas, pensemos que é verdade. O São Paulo não sabia? E comprou o jogador dois dias depois e ele deixar Santa Catarina para ir a um tal de Monte Cristo, com dinheiro bancado pelo Itaquerão Soccer?

    Itaquera é outro mundo, já dizia Carlos Miguel Aidar.

    E os valores?

    O Itaquerão diz que pagou R$ 800 mil ao Criciúma. O Criciúma diz que recebeu R$ 400 mil. O São Paulo pagou R$ 2 milhões ao Itaquerão. Por 60% dos direitos.

    Ou seja, se o São Paulo soubesse que o jogador era do Criciúma, teria pago quatro vezes menos.

    E, se não sabia, como ficou conhecendo Iago Maidana?

    Só há um meio. Alguém chegou ao clube e disse: há um bom zagueiro em um clube da terceira divisão de Goiás, acabou de chegar de Criciúma.

    Legal, vamos ver.

    E tudo é visto em dois dias. O cara é analisado, aprovado e contratado em dois dias?

    Desculpe, mas é difícil acreditar.

    No mínimo, é incompetência.

    No máximo, é ladroagem.

    Entre um e outro, o clube fica sob suspeita.

    Quem vai patrocinar, quem vai fazer negócios com um clube que, a cada dia, convive com nebulosas transações.

    Os tais 20% de comissão para Cinira Maturana, namorada do presidente

    Os tais 15% da Far East

    Carlos Miguel conseguiu que o nome do São Paulo, um dos gigantes do futebol mundial, fosse associado não ao seu passado de glórias, mas há um presente nebuloso e um futuro incerto.

    Hoje, graças ao atual presidente, a percepção – talvez injusta – é que o São Paulo não é mais o clube de Leônidas da Silva, de Raí, de Telê, de Sastre, de Ceni, de Cícero….

    Hoje, o São Paulo é o clube da Cinira.

  3. Pode por hipotese não terem pago nada. Os parceiros ficaram com 40% e 40% de 800 são 320, mas no futuro depois de darmos a vitrine e todas as despesas pagas até lá a conta será de 40% sobre uns 10.000 que dá 4.000. E ainda tem os 2.000 que sai dos cofres e não sabemos seu destino.

  4. Daí, chega no dia da reunião, o vAidar oferece alguma “cenourinha” pra velharada, e as coisa vão continuar “do jeito que estão pra ver como é que ficam”.
    E os 25 milhões do Boschilia, gastos em duas horas para pagamento de “empresários”, conforme denunciou o CEO do Abílio: como é que ficam? Não vão pedir explicações à diretoria executiva sobre eles? E quem são esses “empresários” com tanto dinheiro a receber do SP: a dona Cinira (ou seu conhecido) está no meio deles?
    Se quiserem os conselheiros podem fazer uma reunião muito produtiva…

  5. JJ destroçou o nosso SPFC em todos os níveis possíveis.
    Isto é um fato.
    Agora esse Aidar……
    o cara é um PH ( papel higiênico ).
    Ou tá no rolo ou tá na merda !!

  6. Esse Aidar pensa que todo mundo é idiota, só ele é o esperto. Aí tem.coisa, o clube sem grana e compra um zagueiro inflacionado?

    Aidar, o SPFC não é balcão de negócios seu e daquele imbecil do Antaide, se liga e cai fora do clube se estiver com más intenções.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*