Ceni revive interferência em trabalho de técnicos no SP

O goleiro Rogério Ceni pela primeira vez deixou claro uma tentativa de interferência no trabalho do técnico Ney Franco no São Paulo na partida contra a LDU de Loja pela Copa Sul-Americana, algo que ele já havia feito com alguns antecessores no Tricolor. A diferença é que o atual treinador fez questão de afirmar publicamente que colocará resistências a esse tipo de conduta.

Rogério Ceni implorou no segundo tempo do empate sem gols no Morumbi nesta quarta-feira pela entrada de Cícero, pois queria um homem de referência na área, mas Ney Franco optou por colocar Willian José em campo, fato que deixou o goleiro desesperado.

O capitão do São Paulo gesticulou por minutos para que o treinador atendesse a seu pedido, pois ele estava do lado oposto ao do banco de reservas. Irritado, Ney Franco chamou Willian José e foi até o meio de campo para discutir com Rogério Ceni.

“Não aprovo, acho que é cada um na sua, cada um fazendo sua função. Se eu achasse que o Cícero tivesse que entrar, eu colocaria, então eu não aprovo”, explicou um irritado Ney Franco logo após o jogo.

Mas se engana o torcedor do São Paulo que acha que é a primeira vez que um episódio como esse acontece nos 20 anos que Rogério Ceni veste a camisa do Tricolor. O caso recente mais emblemático aconteceu em 2010, quando o atual técnico da sub-20, Sérgio Baresi, estava no comando dos profissionais.

Na vitória contra o Atlético-GO pelo Brasileirão, Rogério Ceni pediu ao então meia do São Paulo Cleber Santana, que aquecia atrás do seu gol, que fosse em direção a Baresi e pedisse para entrar em campo. O fato aconteceu aos 32min do segundo tempo. O jogador entrou aos 40min.

Na ocasião, Baresi minimizou o fato e entregou que Ceni já havia feito o mesmo com dois de seus antecessores.  “Achei a atitude positiva, o que mostra que ele está ligado no time e viu o mesmo jogo que eu. Estranho seria ele falar uma mudança que eu achasse que não valeria à pena. Ele é um líder nato e sempre fez isso, mesmo com Muricy e Ricardo Gomes”.

Publicamente, Ney Franco foi o único dos treinadores recentes do São Paulo que reprovou a conduta de Rogério Ceni. Resta saber no que a atitude de ambos irá acarretar, pois nem o goleiro do Tricolor, nem a diretoria, se pronunciaram sobre o fato.

Fonte: Uol

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*