“Bom menino”, Osvaldo vira referência com ou sem Lucas no Tricolor

Independentemente da presença ou não de Lucas, Osvaldo se tornou uma referência no ataque do São Paulo. Quem diz isso é Rogério Ceni, capitão da equipe e principal conselheiro do atacante, o qual na quinta-feira anotou o segundo gol da vitória por 2 a 0 sobre o Atlético-GO e chegou a oito no Campeonato Brasileiro.

No momento em que Osvaldo estava em baixa e não era nem relacionado, sob comando de Emerson Leão, Ceni o chamou para conversar e pediu que não se abatesse, justificando que ele tinha potencial para ser titular e que seu momento iria chegar. O momento chegou com Ney Franco: já são 11 jogos seguidos na formação inicial.

“É um menino de que gosto muito. Antes eu pedia que ele fosse o mesmo Osvaldo do Ceará, agora posso pedir que ele seja o mesmo dos últimos jogos pelo São Paulo. Virou referência. Ele vivia bastante triste, desanimado, mas eu disse que sabia do modo como o treinador que estava aqui antes via as coisas. Falei para não ir embora. É um bom menino, ouve bastante”, disse o camisa 1.

“Vejo ele nem como um substituto do Lucas, mas como dono da posição pelo lado esquerdo. Nesse sistema de jogo, não tem ninguém que faça como ele essa subida pela lateral e complemente a marcação ajudando o Cortez. Com o Lucas aqui ou não, é titular da nossa equipe. Isso é o que os números e ele dentro de campo mostram”, continuou.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press

Atacante chegou à marca de oito gols no Campeonato Brasileiro, atrás apenas do artilheiro Luis Fabiano

Os números mostram que, de fato, Osvaldo se tornou imprescindível. Nas últimas sete rodadas do Campeonato Brasileiro, deixou sua marca em cinco. Na partida de ida das oitavas de final da Copa Sul-americana, contra a LDU de Loja, o tento do empate são-paulino também foi dele.

 

Sua importância é tanta que o técnico Ney Franco admite que o esquema atual com três atacantes passou a ser utilizado em função de seu crescimento. Como Lucas e Luis Fabiano tem vaga garantida, foi preciso criar uma vaga a mais na frente para Osvaldo seguir no time.

“É um jogador que estava muito concorrido no mercado e confirmou toda aquela visão que eu tinha antes de trabalhar com ele, dando opção pelo lado do campo. Depois que o Lucas voltou da Seleção Brasileira, ele poderia ter ido para o banco, mas o desempenho era tão bom que tive que encontrar uma formação para ele jogar”, comentou o treinador.

Na próxima temporada, Lucas se apresentará ao Paris Saint-Germain. Caso esse desenho tático seja mantido, o São Paulo precisará encontrar outro nome para a ponta direita, afinal a esquerda parece ter dono bem definido.

 

Fonte: Gazeta Esportiva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*