Bauza explica Ganso fora e lamenta confusão no fim: “Estamos enojados”

Satisfeito com a atuação do São Paulo, classificado para as oitavas de final após o empate por 1 a 1 com o The Strongest, em La Paz, mas absolutamente irritado com a confusão armada depois do apito final, que acarretou na expulsão do atacante Calleri, artilheiro da Libertadores. Assim estava Edgardo Bauza no vestiário da equipe, ainda no estádio Hernando Siles.

Na comemoração do empate, o centroavante, que havia sido substituído por Alan Kardec durante o segundo tempo, entrou em campo para abraçar o zagueiro Maicon – que atuou por mais de dois minutos como goleiro em razão da expulsão de Denis. Num bolo de jogadores, depois de um princípio de confusão, Calleri virou de costas e recebeu tentativas de agressão. Foi expulso.

– É uma vergonha o que se passou. Não quero dar nomes, mas sei perfeitamente tudo que se passou, quem começou tudo. Uma falta de respeito. Parece lamentável que tenham iniciado isso. Prefiro encontrá-lo em algum momento para dizer o que penso. Estamos enojados, vamos levar vídeos para a Conmebol e queremos ver o que os árbitros colocaram na súmula – disse Bauza em entrevista ao canal Fox Sports, no vestiário.

O meia Michel Bastos, que também terminou no banco, disse que as brigas tiveram início antes da partida acabar, com uma agressão de um membro da comissão técnica do The Strongest a alguém da comissão tricolor. O auxiliar-técnico de Bauza, José Daniel Di Leo, foi expulso.

– Alguém da comissão deles agrediu alguém da nossa comissão. No fim, nada mais do que normal, fomos comemorar a classificação. O Calleri foi tentar separar e acabou sendo expulso. Ninguém sabe o porquê disso, mas o importante é que a equipe está de parabéns. Muita gente não acreditava na nossa classificação, mas estamos firmes e fortes, classificados – relatou.

O Patón, evidentemente, foi questionado, sobre o fato de Paulo Henrique Ganso ter começado no banco de reservas, estratégia treinada durante a semana, com Wesley no time.

– Foi estratégia de jogo, precisávamos jogar com três volantes: Hudson e, à frente deles, Thiago Mendes e Wesley. Sabíamos como joga o The Strongest, precisávamos de três jogadores para brigar, e Kelvin e Michel Bastos no lugar em que sabem para contra-atacarem e ajudarem os laterais, porque por fora poderíamos atacar. Havíamos avisado que o Ganso entraria no segundo tempo para ter a bola, controlar o ritmo de jogo. A ideia era ter posto antes, mas eu havia perdido a mudança do Bruno, tive que demorar um pouquinho – explicou o técnico argentino, que disse que se houvesse mais ar, seu time poderia ter vencido no fim da partida.

Na próxima semana, o São Paulo vai enfrentar o Toluca, do México, no Morumbi, para abrir as oitavas de final da Libertadores. Sem Denis e Calleri, expulsos. Para o gol, Bauza tem Léo, terceiro goleiro, e Renan Ribeiro, reserva imediato que ainda se recupera de uma cirurgia de apendicite. No ataque, Alan Kardec certamente será o substituto. O confronto será decidido no México na semana seguinte.

Fonte: Globo Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*