Atacantes ‘selvagens’ brigam por Choque-Rei e permanência de Osorio

“Ligue seu motor” e “dispare todas as suas armas ao mesmo tempo” são trechos traduzidos da música “Born to be Wild”, da banda Steppenwolf. As frases, no entanto, encaixam-se perfeitamente no cenário encontrado por Rogério e Wilder na disputa por uma vaga de titular no São Paulo para o Choque-Rei deste domingo, às 16h.

Os atacantes brigam pela vaga deixada por Luis Fabiano para compor trio ofensivo com Alexandre Pato e Michel Bastos e, assim, tentar enterrar no passado as duas goleadas sofridas para o Palmeiras nesta temporada. Além disso, ambos foram contratados após pedidos da comissão técnica de Juan Carlos Osorio e podem agora ajudar o Tricolor a manter o colombiano no clube.

Rogério é natural de Pesqueira (PE) e cresceu com os avós na tribo dos xucurus. Acostumado à vida selvagem e um “verdadeiro filho da natureza”, ele deve ficar livre para infernizar a defesa palmeirense se for o escolhido. Assim como no revés por 3 a 0 para o Santos, ele poderá alternar o posicionamento com Pato entre a ponta esquerda e o comando do ataque, mas espera ter sorte melhor do que teve na Vila Belmiro.

A pequena cidade de Apartadó, a 485 quilômetros de Medellín, perde-se em meio às florestas colombianas. Lá, Wilder, de nome propício ao trocadilho musical, também conviveu com a natureza. Há cerca de dois meses, ele saiu do Toluca (MEX) “em busca da aventura” para ajudar o mentor Osorio, que agora vive dilema sobre seguir no São Paulo ou “escalar alto” com a seleção mexicana rumo a uma Copa do Mundo.

O camisa 13 colombiano, assim como o concorrente Rogério, também deve abandonar um pouco suas principais características para tentar esquecer a derrota para o Santos há quatro partidas. Na ponta direita, onde pode “correr com o vento”, terá de revezar com Michel Bastos. Na maior parte do tempo, precisará brigar como referência no ataque, num papel que já lhe rendeu duas assistências e um gol pelo Tricolor.

– Tenho treinado para evoluir cada vez mais, e o Osorio sabe que pode contar comigo. Desde a Colômbia, quando fui dirigido por ele no Atlético Nacional, tenho esta característica de buscar as jogadas pelas pontas em busca do gol. Então, se ele precisar de mim no clássico, estou preparado para tentar ajudar, já que ele sabe onde pode contar comigo. Sei que o Osorio confia em mim, e estou pronto – destacou Wilder.

Enquanto decide qual dos dois escalar, Osorio torce para que a torcida abrace o time “num abraço carinhoso” e que o dia seja de festa.

A MÚSICA
“Born do be wild”, ou “Nascido para ser selvagem”, é a música de maior sucesso da banda Steppenwolf, de 1967. Composta no ano seguinte, a canção é um hino de aventura no rock e também para motoqueiros adeptos de longas viagens. Top 2 nas paradas da Billboard em 1968, a música foi regravada inclusive pelos Rollings Stones e é frequentemente utilizada em propagandas, filmes e séries de TV.

ROGÉRIO X WILDER NO FOOTSTATS
5 < Jogos > 8
2 < Gols > 1
0 < Assistências > 4
7 < Dribles > 2

Fonte: Lance

2 comentários em “Atacantes ‘selvagens’ brigam por Choque-Rei e permanência de Osorio

  1. SE o Osorio for inteligente escalaria o Rogerio, deixaria o Wilder para o segundo tempo caso contrario o Rogerio nao esteja bem, ou se o jogo ja estiver ganho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*