Apostas falham, e São Paulo troca toda a defesa em só dois meses

Durou pouco a tentativa do técnico Ney Franco de usar em 2013 praticamente o mesmo time do São Paulo que conquistou no ano passado a Copa Sul-Americana. A ótima campanha no Campeonato Paulista não foi suficiente. Os maus resultados e a possibilidade de cair logo na fase de grupos da Taça Libertadores da América obrigaram o treinador a trocar alguns titulares. Sobrou para a defesa.

Apesar de não ter havido nenhuma falha grotesca nas primeiras partidas da temporada, o setor pagou o preço pela irregularidade na competição sul-americana. Todas as posições sofreram modificações, incluindo aquela que pertencia ao pentacampeão Lúcio, principal reforço do clube no ano.

Contratado no fim do ano passado, o zagueiro ficou com a vaga desde os treinos iniciais, em Cotia. A confiança do treinador foi diminuindo a cada exibição sem a qualidade de antes. Depois de ser substituído e mostrar insatisfação na derrota para o Arsenal, na Argentina, o veterano perdeu o lugar para Edson Silva, pouco aproveitado até então.

– Foi uma decisão puramente técnica – afirmou Ney.

Info_TROCA-TROCA_SaoPaulo (Foto: Infoesporte)

Rhodolfo teve o mesmo destino. Questionado pela torcida, foi uma das surpresas nas primeiras partidas, mas durou pouco e perdeu o posto após a derrota para o Atlético-MG, em Belo Horizonte. Rafael Toloi, destaque do time no segundo semestre de 2012, voltou e não mais saiu.

A lateral direita é o mais antigo dos problemas. Com Paulo Miranda suspenso pela expulsão na final da Copa Sul-Americana, Douglas começou a temporada na posição, mas não se firmou. O treinador gostaria de utilizá-lo na vaga de Lucas, quase como um ponta-direita, e não teve resultado em nenhum dos setores.

As más exibições fizeram o comandante sacá-lo da equipe para tentar uma outra improvisação, agora com o volante Rodrigo Caio, de 19 anos. O garoto fortaleceu o setor, fez até um gol diante do São Bernardo e ficou com a vaga. Paulo Miranda, porém, está recuperado de uma cirurgia no joelho esquerdo e tem boas chances de voltar já nas próximas rodadas.

A última “vítima” das alterações é Cortez. O lateral-esquerdo caiu de produção em comparação com o ano passado e passou a ser muito criticado. Dores no joelho direito permitiram que ele abrisse espaço para seu concorrente entrar nas últimas três partidas e se destacar. Ney Franco confirmará nesta terça-feira que Carleto continuará na posição.

A sequência de modificações pode chegar ao meio de campo. A história é semelhante. O volante Wellington está longe do futebol da temporada anterior. No último sábado, ficou no banco frente ao Bragantino para que Maicon entrasse. A troca pode ser levada também para a Libertadores.

Até mesmo o esquema tático passou por ajustes. O 4-2-3-1 usado na Libertadores ficou pelo caminho. O 3-5-2, utilizado somente uma vez, na Argentina, não surtiu o efeito esperado e dificilmente aparecerá outra vez. Restou o 4-4-2, montado no Paulistão, com Ganso titular.

– Estamos tendo eficiência e a equipe está produzindo mais. Não fizemos jogos brilhantes, mas estamos com equilíbrio com e sem a posse de bola. Tínhamos bastante isso no ano passado e voltamos a ter contra o São Bernardo e no segundo tempo diante do Bragantino – elogiou o treinador.

Fonte: Globo Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*