Villas-Boas recusa e São Paulo busca empregado ou treinador-tampão

A diretoria do São Paulo tem o costume de só demitir técnicos quando já tem um substituto encaminhado. No caso de Emerson Leão, o nome seria André Vilas-Boas, mas o português, ex-comandante do Chelsea, recusou convite nesta terça de acordo com Juvenal Juvêncio. A meta, agora, é gastar para trazer alguém que está empregado ou até um profissional para trabalhar até dezembro, à espera de um técnico“top” em janeiro.

O presidente e sua diretoria não gostariam de um treinador-tampão, mas o mandatário mantém a possibilidade. “Não é a ideia. Mas não posso dizer que desta água não beberei”, disse Juvenal Juvêncio. Seus pares na cúpula do Tricolorprometem não economizar no substituto de Leão para evitar novos erros – desde a saída de Muricy Ramalho, há três anos, já passaram cinco técnicos.

“A diretoria pode pegar um empregado, eventualmente. Até porque, se estiver desempregado, está um pouco à deriva do processo”, continuou o presidente, já avisando que o novo profissional terá de se submeter à política de que só dirigentes opinam sobre contratações e dispensas do elenco.

A torcida pede Muricy Ramalho, hoje no Santos. Nomes como Abel Braga, no Fluminense, Vanderlei Luxemburgo, do Grêmio, e Cuca, do Atlético-MG, agradam, mas precisarão aceitar salários menores. Publicamente, Juvenal não admite nem que se cogite pagar o que esses treinadores recebem.

“Deviam nos aplaudir em nome do futuro e da sanidade do futebol: o São Paulo não faz loucura porque loucura não leva a nada. Em sã consciência, os clubes que pagam R$ 600 mil, R$ 700 mil não podem pagar. Ninguém pode pagar isso. Não existe razão lógica”, falou, gritando, o dirigente.

É possível que alguém menos cotado, como Oswaldo Alvarez, do Guarani, venha à espera da chegada de um estrangeiro como o português André Vilas-Boas, com quem representantes do São Paulo têm conversado há algumas semanas, mesmo enquanto Leão comandava o time em fases decisivas da Copa do Brasil.

“Chegamos a ter conversas que não se frutificaram. O português quer planejar mais a vida dele. Não vem. Do estrangeiro, agora, não vem ninguém. Admito que venha no futuro, apesar de ser um risco enorme. Agora vem um brasileiro, que não sei o nome. Vou procurar. E tentar errar menos”, prometeu o mandatário.

Convencido pelo vice-presidente de futebol, João Paulo de Jesus Lopes, de que seria útil a contratação de um estrangeiro – até pela falta de opções no mercado brasileiro –, Juvenal, agora, confia no coordenador-técnico Milton Cruz, que comandará a equipe interinamente já neste sábado, contra o Cruzeiro. “Vamos à guerra. Vamos lutar para ver se encontramos um técnico. Estamos atentos”, avisou o presidente.

Fonte: Gazeta Esportiva

2 comentários em “Villas-Boas recusa e São Paulo busca empregado ou treinador-tampão

  1. Em vez de pagar fortunas por um tecnico top, especialmente estrangeiros, porque não se gasta dinheiro para contrataçoes de bons valores, não precisa ser top e nem jogadores de 35 anos para mais. pq?
    mentalidade burra
    Hoje tem um tecnico muito bom no Coritiba F.C. que poderia ser tentado no São Paulo F.C.
    Tenho quase certeza de que ele saberia lidar muito bem com o nosso elenco, mas sem dúvida precisamos de reforços.
    Isto eu já tinha dito ainda no meio do campeonato paulista.

  2. Meu Deus, até quando vamos ter esse pesadelo chamado Juvenal Juvêncio destruindo tudo de bom que o SPFC tem ?

    Lamentável, não sou fã do Leão, mas não é só ele o responsavel pelo desastre que o SPFC está, e sim essa diretoria MEDONHA E HORROROSA que contrata péssimos jogadores e os técnicos tem que aceitar o comando desse DÉSPOTA MALDITO CORINTHIANO que está arruinando a imagem do tricolor.

    JUVENAL, FORA VC JÁ SEU LIXO !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*