Vendas e pagamentos pendentes aliviam caixa tricolor; River ainda deve

O São Paulo aliviou seu desequilíbrio de caixa nesta semana. Com as vendas de Morato ao Benfica por 6 milhões de euros (R$ 27,5 milhões) e Miguel Alcântara (sub-20) ao Ascoli, da Itália, por 500 mil euros (R$ 2,3 milhões), o Tricolor respirou financeiramente, mas ainda está longe de atingir sua previsão de receita com negociação de jogadores neste ano, que é de R$ 120 milhões.

Sem muitas alternativas para “tapar os buracos” após não conseguir repetir as ótimas vendas realizadas ano passado, o São Paulo chegou a dever meses de direitos de imagem a alguns jogadores do elenco. O desequilíbrio no caixa do clube poderia ser resolvido com a negociação de David Neres, contudo, o Ajax conseguiu mantê-lo em seu plantel, frustrando os planos do Tricolor, que ainda tem 20% dos direitos econômicos do atacante.

Apesar de a venda de David Neres não ter se concretizado, o São Paulo, ainda assim, conseguiu arrecadar uma quantia milionária com a negociação de atletas neste ano. Além de Morato e Miguel Alcântara, zagueiro da equipe sub-20, o clube também se desfez de Lucas Fernandes (R$ 10 milhões – Portimonense), Tuta (R$ 7,2 milhões – Eintracht Frankfurt), Rodrigo Caio (R$ 22 milhões – Flamengo) e Auro (2,3 milhões – Toronto FC).

No total, o São Paulo já arrecadou R$ 71,3 milhões com negociação de atletas na atual temporada. Desta maneira, faltariam pouco menos de R$ 40 milhões para que o clube atingisse a previsão que consta no orçamento aprovado de 2019, mas o Tricolor está ainda mais próximo de chegar aos R$ 120 milhões para fechar o ano “no azul”.

O São Paulo costuma incluir nos contratos de negociação de atletas cláusulas que preveem a possibilidade de o clube do Morumbi lucrar em uma futura venda envolvendo esses jogadores. Em outros casos, o Tricolor inclui metas que, se atingidas, também rendem uma boa quantia aos seus cofres.

Somente neste ano, o São Paulo recebeu R$ 2,2 milhões do Lille pelo fato de Thiago Mendes ter atingido um certo número de jogos, além de levar o clube francês à Liga dos Campeões. O mesmo aconteceu com Maicon, zagueiro que rendeu R$ 1 milhão ao Tricolor por classificar o Galatasaray ao principal torneio de clubes do planeta.

Pagamentos pendentes também ajudaram o São Paulo a amenizar seu problema de caixa. Recentemente o Tricolor recebeu os R$ 5,7 milhões referentes à segunda parcela do volante Petros, vendido ao Al Nassr, da Arábia Saudita, e outros R$ 27,1 milhões da transferência de Éder Militão do Porto para o Real Madrid – o Tricolor tinha direito a 10% de uma venda futura do zagueiro, além do mecanismo de solidariedade da Fifa por ser o clube formador do atleta.

De todas as pendências, restou apenas a dívida do River Plate. O clube argentino ainda deve duas parcelas de 2 milhões de euros (R$ 9 milhões) referentes à compra de Lucas Pratto, uma que já venceu e outra que está prestes a vencer. Um possível título da Libertadores dos Millonarios pode ajudar o Tricolor, que espera evitar fechar o ano com a “água no pescoço”.

 

Fonte: Gazeta Esportiva

Um comentário em “Vendas e pagamentos pendentes aliviam caixa tricolor; River ainda deve

  1. É preciso diferenciar receita de caixa. Ao vendermos um atleta registramos imediatamente o valor da transação como uma RECEITA.
    Essa receita será convertida em CAIXA no momento em que o comprador deposita o pagamento em nossa conta.

    A crise do SPFC no primeiro semestre foi de caixa. Não tinha recursos para honrar compromissos como pagamento de direitos de imagem. O problema só será solucionado quando o dinheiro das vendas entrar na conta do São Paulo. Em geral essas vendas de jogadores são feitas em parcelas e existe um longo prazo para o recebimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.