Rodrigo Caio: ‘Ainda não estamos felizes com situação do São Paulo’

A vitória por 2 a 0 sobre o Flamengo, no domingo, deixou o São Paulo a quatro pontos da zona de rebaixamento, deixando o time sem qualquer chance de voltar à faixa de descenso na próxima rodada. Mas, embora admita uma evolução da equipe, Rodrigo Caio avisa: ainda é pouco.

– Vejo que o time está em uma boa crescente. Claro que não estamos felizes com a nossa situação na tabela, porque podemos alcançar ainda mais para subir na classificação pela qualidade e, principalmente, empenho que demonstramos em casa.

A oito rodadas do fim do Campeonato Brasileiro, o São Paulo tem 37 pontos, a um da faixa da tabela que dá vaga na próxima Copa Sul-Americana. Mas o time tem a sexta melhor campanha do segundo turno, conquistando 18 dos 33 pontos possíveis nos últimos 11 jogos, e já a um ponto de igualar sua fraca campanha no primeiro turno.

Mas o time ainda trabalha com o cálculo de que são necessários 47 pontos para evitar qualquer risco de jogar a Série B em 2018. Por isso, o foco é em melhorar o aproveitamento fora de casa. Atualmente, porém, Rodrigo Caio quer manter o desempenho como mandante, mesmo no Pacaembu, já que o Morumbi está à disposição de shows.

– Perdemos pontos importantes como visitante, e isso nos deixou em uma situação difícil. A gente espera melhorar ainda mais nesta reta final de Campeonato Brasileiro. Temos que dar mais um passo, e que seja no clássico contra o Santos (no sábado). Diante da nossa torcida, que tem comparecido em grande número, vamos buscar um resultado positivo. Conquistamos bons resultados no Pacaembu, e que a gente possa repetir isso no San-São.

Visando o clássico das 17h deste sábado, o São Paulo realiza, a partir desta quinta-feira, somente treinos sem a presença da imprensa. Não haverá nem entrevista coletiva. Tudo para manter o foco na briga contra o rebaixamento nesta reta final da competição.

 

Fonte:Lance

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*