2 comentários em “Rádio Tricolornaweb relembra goleada tricolor em 1963

  1. Grandes alegrias dos anos 1960 : Mesmo não ganhanhando nenhum título oficial naquele período , tivemos várias alegrias : 1 ) Quadrangular de Medelin em 1960 , 2) Pentagonal de Guadalajara em 1960 , contra o San Lorenzo del Almagro , então campeão argentino e 3 das melhores equipes mexicanas , 3 ) Inauguração parcial do estádio , com 2 belas vitórias , Sporting 1×0 e Nacional do Uruguai 3×0 , quando naquele momento o S.P.F.C. ocupava a 12ª colocação no campeonato paulista , disputado por 18 equipes , 4 ) vitória por 4×1 contra o Corinthians , no 2º turno do paulista , quando o Corinthians , até aquele momento , disputava palmo a palmo com o Santos , Portuguesa e Palmeiras , o título daquela temporada , 5 ) Vitória contra o Santos na penúltima rodada do paulista de 1960 , adiando a comemoração santista para a última rodada . No mesmo momento , infelizmente a Portuguesa perdeu para o Noroeste por 5×2 , impedindo que ela terminasse empatada com o Santos na liderança do campeonato . Terminamos em 8º lugar. 6 ) Em 1961 , mesmo fazendo uma má campanha em um torneio internacional de verão , o São Paulo derrotou o Nacional em Montevidéu e o Boca Júnior na Bombonera , por 5×1 , dando o título ao Flamengo , 7 ) 2 vitórias contra a Portuguesa no paulista de 1961 ; 6×1 no Morumbi e 6×0 no Canindé ( então Ilha da Madeira ) . 8 ) Excursão invicta á Colômbia em 1962 , com 6 vitórias e 2 empates. 9 ) Em 1963 , 4 vitórias nos 4 jogos no Peru e , na volta 5×3 no Peñarol , campeão do mundo de 1961 , em Montevidéu e 7×2 no Nacional do Paraguai , em Assunção 10 ) Além dos 4×1 contra o Santos o tricolor derrotou o Palmeiras por3x1 , no 1º turno do paulista de 1963 11 ) Conquista da pequena copa do mundo , contra o Porto 2×1 , Real Madrid 2×1 , campeão do mundo de 1960. Ou seja , numa mesma temporada o São Paulo derrotou os 3 campeões do mundo até então , tendo o saudoso cronista palestrino , Thomás Mazzoni afirmado : O São Paulo precisa acrescentar mais 3 estrelas em sua camisa. Entre 1961 até 1963 o São Paulo completou 18 jogos internacionais invicto , com apenas 4 empates 12 ) Em 1964 o São Paulo após terminar em último lugar no Rio São Paulo , foi à Europa e em 12 jogos , Tchekoslováquia . Alemanha , França , Bélgica e Itália , venceu 9 e empatou 3 , derrotando entre outros : Milan , Borussia Dortmund , Uda Dukla , Fiorentina , culminando com a conquista da Taça de Firenze , contra a Fiorentina , Benfica e Zenith da U.R.S.S.13 ) Em 25/1/1968 um bonita vitória contra o Benfica 3×2 , base da seleção portuguesa , 3ª colocada no mundial de 1966. 14 ) Em 25/1/1969 , São Paulo 2xSeleção Húngara , 15 Campeão da Taça de Huelva , contra Real Madrid , Las Palmas e Anderleth .

  2. Eu, na companhia dos meus amigos Ademar e Alan, assistimos esse jogo, realizado numa tarde ensolarada de feriado, no mês de agosto de 1963. O Santos, como sempre na época, entrava como favorito em todos os jogos. Não era fácil segurar seu ataque poderoso, formado por Dorval, Mengalvio, Coutinho, Pelé e Pepe. Mas nesse dia, desde o começo do jogo, o Tricolor se impôs. Roberto Dias, ainda atuando como volante e Benê, dominaram o meio-campo. Na frente, destaque para o Pagão, um dos maiores atacantes que eu vi jogar, mesmo limitado por seguidas contusões, que acabaram por encurtar sua carreira, era o grande destaque. Ele havia deixado o Santos, onde atuou ao lado de Pelé no início da carreira deste. Seu futebol era fino e elegante. Na sua posição, só pode ser comparado a Tostão. O nosso ataque era limitadíssimo. No lado direito, o destaque era Faustino Linguiça, revelação da Ferroviária de Araraquara dois anos antes. O meia ofensivo, um ponta-direita paraguaio, de futebol limitado e adaptado àquela posição, de nome Cecílio Martinez. Na esquerda contávamos com o folclórico Sabino. Jogador então contratado junto a Inter de Bebedouro por ser parecido fisicamente com o Pelé. Exceto o meio-campo, com Robertão Dias e Benê, apenas na zaga contávamos com jogadores de prestígio: Belini – em final de carreira – e Jurandir, que havia integrado a seleção brasileira na campanha do bicampeonato mundial do Chile. Nas laterais dois jogadores limitadíssimos: Deleu Azeitona e Ilzo. Defendendo nosso gol um outro jogador sem nenhum brilho, um verdadeiro “frangueiro” gaúcho de nome Sully. Claro que tudo conspirava para uma grande goleada do Santos. Mas o futebol é pródigo em surpresas e nesse dia, o grande esquadrão do Santos deixou o campo humilhado e sob intensa vaia e gritos de fujão, esses lembrando a recente e inexplicável renúncia do então Presidente da República, Jânio Quadros. Penso que todos aqueles que assistiram esse jogo, jamais esquecerão suas nuances, em especial a deliciosa cena de Armandinho Marques expulsando de campo, quase que simultaneamente, Coutinho e Pelé. A partir disso só festa…salve o Tricolor Paulista, amado clube brasileiro!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*