Os segredos do São Paulo, líder do Brasileiro

O São Paulo voltou com tudo para o Brasileirão depois da parada para a Copa do Mundo. O time cresceu de produção, venceu quatro jogos em cinco disputados, viu o Flamengo desperdiçar pontos e assumiu a liderança isolada da disputa. O trabalho do Espião Estatístico nesta sexta-feira é mostrar alguns dos segredos que levaram o Tricolor ao topo do principal campeonato do país.

Ataque

Muitos chutes é sinônimo de muitos gols? Não no Morumbi. O São Paulo tem demonstrado que para balançar a rede não é necessário um monte de finalizações, mas ser cirúrgico na hora de decidir a jogada. O Tricolor tem a quarta pior média de chutes do Brasileiro (11 por jogo) e possui o terceiro melhor ataque da competição, com 27 gols marcados, atrás de Atlético-MG (30) e Flamengo (28).

A principal arma no setor ofensivo não é nenhum segredo. Os números acompanham a fase espetacular do meia Everton, que deixou justamente o Flamengo para fechar com o Tricolor. Ele possui cinco assistências e, ao lado de Ricardo Oliveira e Hyoran, é o jogador com mais passes para gols na disputa.

Além disso, já balançou a rede cinco vezes e é o atleta com maior participação direta nos gols do Tricolor: 37%. Everton só não tem mais gols pelo clube do que Diego Souza e Nenê, ambos com seis.

Outras armas da equipe comandada por Diego Aguirre são a bola aérea e a bola parada. Dos 27 gols marcados, 13 (48%) foram a partir de jogadas pelo alto e nove (33%) foram a partir de bolas paradas: três de escanteio, um de falta levantada, um de lateral, três de pênalti e um de falta.

Defesa

Sidão tem passado confiança à zaga. São 21 defesas difíceis em 16 jogos, com média de 1,31 por partida, e 14 gols sofridos (média de 0,88 por partida). Além disso, em oito dessas partidas ele não sofreu gol.

Com grande contribuição de Éder Militão, que deixou o clube, o lado direito da defesa tem sido muito forte. Dos 12 gols sofridos de bola rolando, apenas dois (17%) começaram por aquele setor, diferentemente do esquerdo, que já viu seis bolas (50%) balançarem a rede.

Outro ponto que Aguirre tem que ficar atento na defesa é a bola aérea. Dos 14 gols sofridos, sete foram a partir de jogadas pelo alto.

Fonte: Globo Esporte

5 comentários em “Os segredos do São Paulo, líder do Brasileiro

  1. Caramba… o Sidão é um óóótimo lobista ou, o que deve ser mais provável, como alguém já disse, a matéria é de lavra de algum corintiano interessado na permanência desse mau goleiro no time titular… Lucas Perri… já!

  2. Na verdade a zaga sabe que tem que se esforçar mais para evitar que a bola chegue até o Sidão, que pode fazer fazer a defesa ou não, como na maioria das vezes. Sidão é bom para motivar os jogadores antes do jogo, por mim já teria testado Lucas Perri a algum tempo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*