Ney resgata ‘padrão 2012’ do Tricolor para disputa simultânea de decisões

O técnico Ney Franco prepara o elenco são-paulino para disputar os mata-matas do Paulista e da Libertadores. Caso o Tricolor obtenha êxito em ambos torneios, serão sete partidas até o início do Brasileiro, com o nível de exigência alto. Descartando poupar os titulares, o comandante busca encontrar o rendimento da temporada passada e trazê-lo para o atual.

Em 2012, o clube disputou o Brasileiro e a Copa Sul-Americana simultaneamente, com dois focos: garantir a classificação antecipada à Libertadores por meio do Nacional e o título do torneio sul-americano. Para isso, o técnico escalou os titulares e, ao final, conquistou os  dois objetivos que foram traçados.

Apegando-se ao passado, Ney Franco afirma que o time está preparado para suportar a carga de partidas com caráter decisivo.

– O pensamento sempre é esse, entrar com a força máxima. Estudamos os jogos que a gente tem e se chegou a definição de que não precisa poupar. Nenhum jogador está correndo o risco de lesão. Ano passado, na reta final, estávamos na Série A brigando por vaga (na Libertadores) e na Sul-americana (o título). Conseguimos levar com a mesma competência para realizar o ciclo – declarou o treinador, durante entrevista coletiva.

Para o confronto, o treinador terá o retorno do atacante Luis Fabiano. Fora desde o dia 31, o artilheiro da equipe na temporada com 12 gols se recuperou de uma contratura na coxa esquerda e participou das atividades na semana. No outro extremo, o goleiro Rogério Ceni também está confirmado no jogo.

Visando ao confronto contra a equipe de Penápolis, o técnico Ney Franco pede para que o time entre concentrado para não ser surpreendido em casa.

– Não pode abrir mão de uma vitória dentro de casa. Nas partes tática e técnica, entrar focado, porque a competição de mata-matas não dá chance de recuperação. Se for mal, está fora. Tem de jogar no limite máximo da equipe e se preparar bem – completou o técnico.

Reta final de 2012
Copa Sul-Americana
Tricolor foi campeão invicto do torneio continental (cinco vitórias e cinco empates) enquanto lutava no Brasileiro para buscar a vice-liderança e não disputar a primeira fase da Libertadores.

Campeonato Brasileiro
Apesar da distância para os líderes, o time de Ney Franco entrou no G4 e almejou a vice-liderança, para se livrar da primeira fase da Libertadores, porém não conseguiu e só na reta final deu prioridade para a Sul-Americana.

Fonte: Lance

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*