Muricy vê fim do Brasileirão como laboratório para o São Paulo

Restam apenas quatro jogos para o fim do Campeonato Brasileiro. O São Paulo não tem mais muitos objetivos na competição. Mas o técnico Muricy Ramalho acredita que as últimas partidas serão de grande valor para a sua equipe. Não pela briga por uma vaga na Taça Libertadores da América – já que a meta do Tricolor é atingir esse objetivo com o título da Copa Sul-Americana – mas para testar os jogadores menos utilizados do elenco e avaliar a permanência deles para 2014.

O Tricolor entrará em campo neste domingo, às 17h (horário de Brasília), contra o Fluminense, no estádio do Maracanã, com uma formação completamente reserva. Além de dar oportunidade aos atletas menos utilizados, Muricy espera também ajudar a diretoria a montar o planejamento para 2014.

– Quando você faz um elenco, pensa em dar oportunidades. Alguns jogadores tiveram de ficar fora, mas futebol é assim. Quando o time está ganhando, com confiança, você mantém. Eu sempre converso com eles, para que todos fiquem prontos. Agora será a oportunidade de mostrar que tem condições de permanecer no São Paulo – argumentou.

Para evitar o desgaste dos titulares antes de encarar a Ponte Preta, na próxima quarta-feira, pela semi da Sul-Americana, o técnico escalou uma equipe completamente reserva contra o Fluminense. A provável formação é a seguinte: Denis; Caramelo, Rafael Toloi, Edson Silva e Clemente Rodríguez; Fabrício, Wellington, Jadson e Lucas Evangelista (Lucas Silva); Welliton e Osvaldo.

Muricy admitiu as dificuldades em lidar com a montagem da equipe, uma vez que nomes que já foram importantes para o São Paulo, como Jadson e Osvaldo, acabam na reserva por conta da grande fase vivida por outros jogadores. Independentemente da posição, o técnico assegurou: no time que ele dirige, só joga quem faz por merecer.

– Temos alguns jogadores como o Maicon e o Douglas, por exemplo, que não são grandes nomes, mas estão dando resultado. São os que estão decidindo. E os outros têm de entender isso. É a única maneira de jogar no time que eu dirijo: dando resultado. O São Paulo se recuperou porque os jogadores entenderam a fase e deram resultado. É preciso ter uma linha de trabalho no clube – completou.

 

Fonte: Globo Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*