Jardine fala em esquecer derrota e confia em “jogo do ano” contra Talleres

O técnico André Jardine mostrou chateação após a derrota do São Paulo por 1 a 0 para a Ponte Preta neste sábado (9), pelo Campeonato Paulista, mas falou em “virar a página” e promover uma mobilização total para o jogo decisivo da próxima quarta (13), contra o Talleres, pela Libertadores. O Tricolor tentará reverter no Morumbi uma derrota por 2 a 0 sofrida no jogo de ida, e esse duelo recebeu atenção praticamente total de Jardine na entrevista.

“É o momento de todos, direção, comissão, jogadores e a torcida, virarmos a página. Estamos passando por um momento difícil, mas na quarta-feira temos que unir forças e puxar a corda para o mesmo lado. O São Paulo como clube precisa de mobilização total, é o retorno ao nosso estádio, vai ser uma atmosfera completamente diferente do que foi hoje. O time vai entrar aguerrido, concentrado, e vamos fazer nossa melhor partida do ano, não tenho dúvida”, afirmou o treinador.

Pressionado pelos maus resultados, Jardine demonstrou confiança para seguir no comando do São Paulo. “Meu limite é enquanto eu entender que o grupo está tentando e comprometido. Eu mesmo, quando observar que o grupo não atende a mim ou responde a mim, não me sentirei apto a comandar. Mas não é o caso. Temos só um treinamento praticamente até quarta-feira, corríamos o risco de perder hoje. Esperamos que quarta-feira as coisas ocorram”, disse.

Jardine falou que o jogo com a Ponte Preta foi tratado quase que como um treino para enfrentar o Talleres, e elogiou a intensidade da equipe, apesar da atuação pouco inspirada no Moisés Lucarelli. Ele disse que, contra o time argentino, o time precisará evoluir.

“Precisamos ser agressivos, ter capacidade de construção das nossas jogadas. Vai ser um jogo duelado. Fisicamente, precisamos dar um passo à frente. Jogar hoje tinha esse objetivo, ter mais intensidade, ganhar todas as bolas. Perdemos para o Talleres, temos vários pontos para evolução, e vamos fazer toda a força do mundo, entrando no limite da concentração, da mobilização, para superar o Talleres. Contamos também com a qualidade dos nossos jogadores, porque sabemos que vamos criar. É o dia da nossa bola entrar e a deles não”.

 

Fonte: Uol

10 comentários em “Jardine fala em esquecer derrota e confia em “jogo do ano” contra Talleres

  1. E voltamos à velha questão de que se repetir os mesmos procedimentos vai obter os mesmos resultados.
    O presidente repete o erro de 2017 quando iniciou a temporada com um técnico que NUNCA antes havia dirigido um time profissional.
    Perdemos os meses de preparação e fracassamos em todas as competições de 2017. Este ano caminhamos a passos largos para repetir a triste campanha daquele ano.

    Rogério Ceni será um grande treinador, e após adquirir experiência conquistando alguns acessos, estaduais, copa do NE poderá iniciar em times médios até um dia chegar por mérito próprio aos grandes times.

    Jardine, sem a grife e força de marketing do ex goleiro, pode estar sepultando a própria carreira com este desempenho horroroso. Típico caso de quem quer dar um “passo maior que a perna”.

  2. É isso. Ele está com uma cara de pasmado. Foi atropelado pela vida. Jamais imaginou que seria tão complicado. O sonho do jogo ofensivo desmoronou. Treinador experiente não “fecha a casinha”, como dizem, porque nasceu retranqueiro. Todo mundo gosta de futebol bonito. Sujeito joga fechado porque reconhece as limitações. A cara do Jardine é de um ingênuo chocado. E, sinceramente, acho que Raí embarcou totalmente nessa viagem errada.

  3. O discurso do Jardine está mais para um EPITÁFIO que para discurso de autoajuda. A vaca já foi para o brejo, com treino de luxo ou não. Acho que ele ainda não percebeu que pela sua grandeza, quando o SÃO PAULO FUTEBOL CLUBE entra em campo, NÃO É TREINO… é jogo… e jogo tem que ser GANHO!!!! Deu para esse cara e para quem está bancando ele.

  4. A expressão do Jardine à beirada do campo já diz tudo, ele é o maior exemplo do ditado “uma imagem vale mais que mil palavras”, dá para ver no semblante dele que está completamente perdido, não sabe mais o que fazer para o time reagir.

    O Muricy uma vez foi muito sincero e disse: “As vezes o treinador sente até um alívio de ser demitido, porque o cara já não sabe mais o que fazer para o grupo reagir”. Isso se encaixa muito bem na situação atual do Jardine.

  5. Acho que ele está assistindo outro jogo… não é o mesmo sp…

    É fácil fazer o jogo do ano, pois até agora o time não jogou nada!

    Vou torcer mas, não tenho muitas esperanças não…

  6. O fantástico mundo do Jardine…
    É uma avião condenado em queda livre que na quarta chegara de cabeça no chão, que aventura foi efetivar ele e não barrar meio time dos EX-JOGADORES EM ATIVIDADE, a direção deixou tudo isto e não fez nada, que AMADORISMO CONSTANTE.

    • Acho que as contratações do Pablo e do Hernanes, do Léo e do Igor, foram com o objetivo de tornar a equipe um pouco mais jovem.

      Na lógica ele “encostou” Nene e DSouza, sem deixar o técnico sem opções confiáveis na reserva para as posições.

      E Léo e Igor são projetos de titulares para o meio do ano.

      Infelizmente o Jardine não soube aproveitar boas coisas que o Aguirre fez, e desandou tudo..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.