Jadson segura pé e língua para jogar todas até o fim do Brasileiro

Após ser o único jogador do São Paulo a participar de todas as partidas do primeiro turno do Campeonato Brasileiro, Jadson nem pensa em descansar. Pelo contrário, está embalado pela sequência e a boa fase, e até se impõe um desafio: estar em campo nos 38 jogos da competição.

Tarefa difícil por vários motivos. O camisa 10 não poderá se machucar nenhuma vez até o fim do ano. Nesta segunda-feira, ele admitiu que já chegou a entrar em campo lesionado para não desfalcar o São Paulo. Mas essa está longe de ser a principal dificuldade. Para manter os 100% no Brasileirão, Jadson está proibido de levar cartão amarelo.

O meia é um dos nove pendurados do elenco. O próximo cartão que receber já o deixará suspenso para o jogo seguinte. Por isso, além do desafio de deixar os companheiros na cara do gol, o jogador sonha disputar mais 19 rodadas sem ser advertido. Ele alega que o fato de atuar do meio para frente é um trunfo e o faz cometer menos faltas do que os volantes, por exemplo. E promete também se controlar nas reclamações com os árbitros.

– É mais difícil eu tomar cartões, a não ser numa jogada para matar um contra-ataque, é perigoso eu levar o cartão e ficar fora. Evito algumas coisas, como falar com os juízes, porque quero jogar todos os jogos – afirmou Jadson.

Em 2010, quando o Fluminense conquistou o título nacional, o meia Conca foi eleito o melhor jogador do Brasileiro e um de seus feitos foi justamente não ter desfalcado a equipe nenhuma vez. O são-paulino também não tem se destacado apenas pelo número de jogos. Ele é o líder de assistências entre todos os atletas que disputam a competição, com sete, mas quer melhorar ainda mais no segundo turno.

– Trabalho para melhorar a cada dia nos treinos. A finalização, batida na bola… Os jogadores têm de fazer isso e eu faço muito. Estou feliz com meu rendimento, fazendo bons jogos, ajudando o grupo, meus números dizem isso, mas tenho muito a melhorar – disse o meia, que também já fez cinco gols no Brasileiro.

Entre um jogo e outro, Jadson ainda arrumou tempo para se defender de acusações no Twitter. Na vitória por 2 a 0 sobre o Bahia, na última semana, ele foi vaiado por alguns torcedores ao ser substituído, e reconheceu que não teve boa atuação. Mas se irritou ao ler críticas nas redes sociais.

Depois da vitória sobre o Corinthians, em que teve colaboração decisiva com o passe para o gol de Luis Fabiano, ele escreveu que o resultado serviu para mostrar aos “corneteiros de plantão” que a equipe tem valor.

– A maioria da torcida me apoia, mas desabafei porque algumas pessoas não acompanham meu trabalho, não veem estatísticas e cobram sem pensar. Tenho minha autocrítica e quero dar meu melhor, mas também não foi nada de mais. Se eles podem me criticar, por que não posso dar uma alfinetadinha?

Fonte: Globo Esporte – Foto: Vipcomm

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*