Improvisado no ataque, Cícero participa mais e tem melhor desempenho do que Willian José

O meia Cícero começou a carreira como volante, já jogou de zagueiro, mas foi como centroavante que ele apareceu livre no meio da área para acertar uma cabeçada providencial e fora do alcance de Diego Cavalieri, o goleiro do Fluminense. O São Paulo empatava a partida em São Januário, na última quinta-feira (acabaria perdendo o jogo por 2 a 1), e Cícero demonstrava saber se posicionar na área como um bom atacante.

Mas não foi só pelo gol marcado que o jogador indicou ser uma peça mais útil ao time. Suas estatísticas de desempenho mostram que ele participa mais do jogo do que Willian José, o atacante de oficio barrado pelo técnico Ney Franco por passar por um momento tecnicamente ruim. Cícero tem jogado menos e, mesmo assim, apresenta números de desempenho superiores aos do atacante.

Willian José teve oportunidade de entrar em campo nos últimos quatro jogos do São Paulo no Campeonato Brasileiro. Cícero só foi escalado em três. Contra o Fluminense, quando ganhou a vaga de titular no ataque e jogou por 77 minutos, o meia finalizou a gol quatro vezes, o que Willian José não fez em nenhuma de suas últimas partidas.

Como não gosta de se fixar na área e costuma voltar para buscar a bola, Cícero também ajuda na construção das jogadas e aumenta o nível de troca de passes no meio-campo do São Paulo. Em São Januário, o jogador tocou na bola 33 vezes, enquanto Willian José, na meia hora em que esteve em campo, passou menos de um terço disso (10).

Nos quatro últimos duelos (contra Atlético-GO, Flamengo, Sport e Fluminense), Cícero recebeu mais bolas, fez mais gols, começou mais jogadas de linha de fundo e deu mais assistências do que o atacante, mesmo tendo muito menos tempo em campo (113 minutos contra 199 minutos).

O técnico Ney Franco disse que resolveu barrar o atacante e improvisar o meia na frente porque suas características se encaixariam melhor na estratégia montada para combater o esquema tático do Fluminense. Por coincidência ou não, a substituição veio depois que Willian José teve uma de suas piores atuações no ano, quando saiu de campo vaiado na vitória sobre o Sport no domingo passado.

Não é a primeira vez que o polivalente meio-campista joga improvisado como centroavante: ele já foi usado na posição nos tempos de Emerson Leão. Por isso, não soaria estranho se Ney Franco continuar com Cícero no ataque enquanto Luis Fabiano não se recupera de sua quarta lesão muscular na temporada.

Se não houver nenhuma eventualidade no treino deste sábado, o meia deve continuar na equipe de cima para o duelo contra o Grêmio no domingo, às 16h, no Morumbi.

Fonte: Uol

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*