Estranho no ninho? São Paulo volta ao Pacaembu, sua velha casa

Torcedores e jogadores do São Paulo aprenderam a chamar o Morumbi de casa. No entanto, nesta quarta-feira, às 21h50m (horário de Brasília), o time terá de mandar no Pacaembu o duelo com a Universidad de Chile. O elenco tricolor estranha a mudançapor conta do show da cantora Lady Gaga, mas espera que a torcida lote o estádio para empurrar a equipe rumo à semifinal da Copa Sul-Americana.

Colorir as arquibancadas do Pacaembu de tricolor, aliás, era uma cena comum entre as décadas de 40 e 60. O estádio era usado pelo São Paulo antes da construção do Morumbi.

Desde 2006 o Tricolor não manda uma partida no Pacaembu. A última foi o 5 a 1 sobre o Paulista de Jundiaí, pelo estadual daquele ano, com direito a gol de pênalti do goleiro Rogério Ceni. De lá para cá, o Morumbi ficou interditado algumas vezes por conta de eventos musicais, mas o Tricolor preferiu atuar na Arena Barueri. Por isso, os comandados do técnico Ney Franco estão acostumados a serem visitantes no local.

– É diferente, mas o Pacaembu é bom de se jogar também. Prefiro o Morumbi, é minha casa, mas temos de ir lá e fazer nosso papel – disse o volante Wellington.

Primeiros capítulos

A relação do Tricolor com o Pacaembu, porém, é de longa data. Depois de passar pela antiga Chácara da Floresta e pelo Antárctica Paulista, o São Paulo fez do estádio municipal sua casa a partir de 1940. O local foi palco de confrontos marcantes do São Paulo e de apresentações de ídolos como Leônidas da Silva.

O jogador, conhecido como Diamante Negro, se autoproclamou o inventor da “bicicleta”, embora alguns historiadores afirmem que ele só teria aperfeiçoado a jogada criada pelo também brasileiro Petronilho de Brito. O fato é que o artilheiro tricolor ficou marcado por um gol de bicicleta justamente no Pacaembu. Em 1948, Leônidas foi fotografado em um dos gols da vitória são-paulina por 8 a 0 sobre o Juventus, pelo Paulistão daquele ano, no exata momento em que estava no ar para a famosa bicicleta.

Leônidas da Silva gol de bicicleta (Foto: Ag. O Globo)No Pacaembu, Leônidas da Silva é eternizado em bicicleta histórcia (Foto: Ag. O Globo)

O Morumbi foi inaugurado no dia 2 de outubro de 1960, mas só se tornou definitivamente a casa tricolor na década seguinte. O São Paulo continuou mandando jogos no Pacaembu na década de 60. Dentre esses, talvez o mais lendário seja a partida do “cai-cai”. O time então comandado por Osvaldo Brandão receberia o temido Santos de Pelé & Cia., mas o show foi tricolor.

O Tricolor já havia aberto 2 a 1 no placar, quando Sabino anotou o terceiro gol, aos 40 minutos do primeiro tempo. O tento gerou protestos de Pelé e Coutinho, que acabaram sendo expulsos. Mal o jogo reiniciou na etapa complementar, e Pagão fez o quarto gol do São Paulo. A partida caminhava para uma goleada histórica, mas os jogadores do Santos começaram a segurar a partida na base do “cai-cai”. Aparecido, Pepe e Dorval simularam lesões e deixaram o gramado. Assim, com apenas seis jogadores santistas em campo – um a menos do que o mínimo exigido –, o árbitro deu o duelo por encerrado aos 13 minutos do segundo tempo.

Mesmo depois que o Morumbi assumiu o posto de casa são-paulina, o Pacaembu seguiu recebendo grandes jogos do São Paulo esporadicamente. Em 1994, por exemplo, o Tricolor teve de mandar a semifinal da Copa Conmebol no estádio municipal. O famoso expressinho, formado por reservas, venceram os titulares do Corinthians nos pênaltis. Dentre os cobradores, estava o então jovem goleiro Rogério Ceni, que fez naquele 9 de dezembro seu primeiro gol. O tento, porém, não entra para a contagem oficial do atual capitão, já que foi em penalidades – o primeiro oficial foi em uma cobrança de falta diante do União São João, em 1997. Mais tarde, já no Morumbi, o expressinho conquistou a competição continental.

A Copa Conmebol deu lugar à Sul-Americana, e mais uma vez o Pacaembu será palco de uma decisão para o São Paulo. O técnico Ney Franco espera que, novamente, o estádio municipal possa receber mais um capítulo da história tricolor.

– Para chegar a uma final, temos de saber jogar em qualquer lugar. A partida será na nossa cidade. Temos tudo para fazer um grande jogo de novo – disse o treinador.

 

Fonte: Globo Esporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*