De última opção a solução: Edson Silva cresce, mas não se empolga

Dos 40 jogos do São Paulo em 2014, Edson Silvajogou apenas sete. Chegou a ser a última opção do técnico Muricy Ramalho para a zaga e só não deixou o Tricolor pela dificuldade da diretoria em encontrar novos jogadores. Mas a situação mudou. E como mudou. De quase encostado, o grandalhão virou um dos pontos principais da reação do setor defensivo do time.

Durante todo o primeiro semestre, Edson Silva só jogou contra CSA, pela Copa do Brasil, além de Ituano e Botafogo-SP, pelo Paulistão. Voltou a ser usado em 13 de agosto, data da derrota por 3 a 1 diante do Bragantino que tirou o São Paulo do torneio nacional. Nada parecia conspirar a favor.

A transformação começou com uma junção de fatores. Rodrigo Caio lesionou o joelho esquerdo. Antônio Carlos sofreu um problema na panturrilha esquerda. Já Lucão foi para a seleção brasileira sub-20. Quer mais? Luis Ricardo, reserva de Douglas na lateral direita, entrou muito mal na equipe, obrigando Muricy a improvisar o zagueiro Paulo Miranda na função.

Desde a vitória por 2 a 1 no clássico contra o Palmeiras, a defesa do São Paulo vem evoluindo. Edson fez boa partida e ganhou ainda mais elogios no 1 a 0 diante do Inter, no Beira-Rio. A sequência melhorou com outro triunfo frente a um rival, sobre o Santos, também por 2 a 1.

Edson Silva, que esteve na mira do Vitória, ficou, mostrou bom entrosamento com Rafael Toloi e ajudou o São Paulo a melhorar nos lances de bolas paradas, principal erro do Tricolor em 2014.

– Tenho contrato a cumprir, a não ser que a diretoria pense em me negociar. Acho que o jogador precisa estar sempre trabalhando, com a cabeça boa e esperando uma oportunidade. Trabalhei firme e forte. Chegou minha oportunidade – afirmou o jogador, de 28 anos.

Muricy prega a meritocracia: jogou bem, fica no time. Antônio Carlos está praticamente recuperado do problema muscular e deve ficar à disposição do treinador em breve. Fica a dúvida sobre o que o técnico fará.

– O professor tem as opções dele. Se optar por mim, vou dar meu melhor para manter essa boa fase do time. Ninguém pode se considerar titular absoluto – disse o zagueiro, que tem contrato com o São Paulo até 31 de dezembro de 2015.

 

Fonte: Globo Esporte

2 comentários em “De última opção a solução: Edson Silva cresce, mas não se empolga

  1. Grosso ou não (acho um bom zagueiro), tem cabeça de profissional, é consciente, pé no chão. Parabéns. É um retrato não só para o futebol mas para qualquer profissão: estar à disposição, ter boa vontade e querer fazer o melhor, mesmo às vezes não conseguindo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*