Chapecoense segura o São Paulo e o gol 3000 não sai

A Chapecoense, pela segunda vez na história, entrou no gramado do Morumbi para enfrentar o São Paulo. E assim como na surpreendente vitória por 1 a 0 no Campeonato Brasileiro do ano passado, o time de Santa Catarina voltou a apresentar uma eficiente retranca para segurar os tricolores e garantir o 0 a 0 no placar, frustrando os planos paulistas de alcançar o gol de número três mil dos 55 anos de existência do Morumbi.

Válida pela 26ª rodada do Brasileirão, a partida teve início às 19h30, quando as arquibancadas ainda estavam vazias e o trânsito na Zona Sul lotado de torcedores atrasados. As cadeiras até foram preenchidas com o passar do tempo, mas a qualidade do confronto parecia decair. De um lado, o estreante Guto Ferreira parecia satisfeito e ainda sonhava em beliscar um golzinho a cada lance de falta de ritmo de Rogério Ceni.

O capitão não foi o único a voltar e a sofrer. Luis Fabiano, que não jogava há sete partidas, pouco se movimentava e recebeu três bolas ao longo do jogo. O centroavante só pôde ser eximido de parte da culpa porque faltava para o Tricolor um cérebro em campo. Sem Paulo Henrique Ganso, com dores no joelho direito, Juan Carlos Osorio apostou em Carlinhos e Wesley na criação. E não teve sucesso.

A dupla foi responsável pelos momentos de volume mais alto de uma torcida tão apática quanto o time. Os erros excessivos e a desatenção irritaram os tricolores, que não economizaram fôlego para vaiar os dois quando foram sacados por Osorio no segundo tempo. Alexandre Pato, mais um participante da terrível noite são-paulina, também saiu e viu do banco Rogério, Centurión e Auro melhorarem, ao menos, a movimentação do time.

Os erros de passe e a falta de atitude continuaram atrapalhando as pretensões do São Paulo, enquanto a Chape seguia em sua empreitada defensiva. Quase sempre com 11 atletas atrás do meio de campo, os catarinenses saíram satisfeitos. Uma prova disso é que não há lances de perigo descritos acima e, claro, o gol três mil do Morumbi ficou para depois.

Sobrou apenas a frustração por mais um tropeço em casa (três empates e uma derrota) no Brasileirão. Com 42 pontos, o Tricolor viu a distância para o Grêmio, que havia sido reduzida no último domingo, passar para seis pontos – iniciado às 21h, o duelo entre Flamengo e Coritiba pode deixar os paulistas no G4 por um ponto. Já a Chapecoense vai a 31 pontos e à 13ª posição.

FICHA TÉCNICA

SÃO PAULO 0 X 0 CHAPECOENSE

Local: Morumbi, em São Paulo (SP)
Data/Hora: 17/9/2015 – 19h30
Árbitro: Elmo Alves Resende Cunha (GO)
Auxiliares: Jesmar Benedito Miranda de Paula (GO) e Evandro Gomes Ferreira (GO)

Renda/Público: R$ 393.461,00/16.502 pagantes
Cartões Amarelos: Michel Bastos e Luis Fabiano (SAO); Apodi e Danilo (CHA)
Cartões Vermelhos: –
GOLS: –

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Bruno, Lucão, Rodrigo Caio e Matheus Reis; Wesley (Auro, 29’/2ºT), Thiago Mendes e Carlinhos (Centurión, 10’/2ºT); Michel Bastos, Alexandre Pato (Rogério, 10’/2ºT) e Luiz Fabiano. Técnico: Juan Carlos Osorio.

CHAPECOENSE: Danilo; Apodi, Rafael Lima, Thiego e Dener; Elicarlos, Bruno Silva, Gil, Ananias (Hyoran, 32’/2ºT) e Tiago Luís (Túlio, 20’/2ºT); Wiliam Barbio (Camilo, 28’/2ºT). Técnico: Guto Ferreira

 

Um comentário em “Chapecoense segura o São Paulo e o gol 3000 não sai

  1. Pq escalar um jogador que ja fazia 7 jogos sem jogar, pq no lugar do Ganso colocar Carlinhos e Wesley, so o Wesley ja bastava, pq nao colocou o Daniel que é meia e continuou com mesmo esquema do jogo contra o Inter, errou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*