Certo de vaga nas quartas, Denilson lamenta suspensão no Brasileiro

A exaustão de Denilson na volta do Equador, na manhã desta sexta-feira, era visível. O volante do São Paulo só se animou ao falar do resultado lá obtido: o empate por 1 a 1 com a LDU de Loja permite à equipe brasileira empatar sem gols o jogo de volta para se classificar às quartas de final da Copa Sul-americana.

Ainda que pequena, a vantagem deixa o jogadorconfiante na vaga. “Conseguimos pelo menos o empate. Tenho certeza de que vamos nos classificar”, disse o camisa 15 tricolor, depois de ter encarado quase 20 horas de viagem de Loja ao Aeroporto de Guarulhos.

“Tanto a ida quanto a voltam foram muito cansativas, todo mundo está morto. Encontramos várias dificuldades, não só a dificuldade em respirar, mas o vento forte. O campo estava vivo (molhado) também. Não deu para demonstrar aquele futebol que estamos acostumados”, comentou.

O grupo agora se concentra na disputa do Campeonato Brasileiro, em que é o quinto colocado, dois pontos abaixo da faixa que classifica para a Copa Libertadores. O próximo jogo será no domingo, diante do Coritiba, no Couto Pereira. Compromisso no qual Denilson será baixa por ter recebido o terceiro cartão amarelo na rodada passada, diante do Cruzeiro.

“Eu queria jogar, mesmo cansado, para ajudar meus companheiros. Infelizmente, vou ficar só pela televisão. De qualquer forma, vou torcer para o elenco conseguir essa vitória, que pode nos colocar no G-4 já neste fim de semana”, lamentou o são-paulino, que já desfalcou a equipe quatro vezes na competição, sendo duas por acúmulo de amarelos e uma por expulsão.

Na partida de meio de semana pela Sul-americana, ele recebeu outro amarelo. A advertência dada pelo chileno Julio Bascuñán gerou muita reclamação do goleiro Rogério Ceni. O capitão disse que o “encontrão” de Denilson no adversário não seria marcado por árbitros de primeiro nível. A sequência da falta resultou no gol de empate dos equatorianos.

“Foi um lance normal. Toquei a bola para o Paulo Miranda, e o juiz acabou dando falta e amarelo. Às vezes acabo correndo bastante, mas o Maicon e o Jadson vêm me ajudando. Só que cartão é normal de jogo. Nunca vou entrar em campo pensando em não tomar cartão. Eu entro pensando em ajudar meu time”, concluiu o volante.

Fonte: Gazeta Esportiva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*