Carlinhos é hostilizado em saída de campo e Maicon pede gols ao time

O calvário são-paulino parece não ter fim. Neste domingo, uma nova oportunidade de reagir no Campeonato Brasileiro contra o Coritiba, no Morumbi. Mas novamente o time falhou e se manteve em crise profunda com um empate por 0 a 0. Após o apito final, muitas vaias dos pouco menos de oito mil torcedores que compareceram ao estádio nesta 22ª rodada. Carlinhos, um dos três jogadores agredidos no protesto da véspera, não entrou em campo, mas foi muito hostilizado ao retardar sua ida ao vestiário para conversar com um amigo que defende o Coxa Branca.

“O momento agora é nem falar disso, focar no campo, porque a situação não está boa. Quanto mais falar, mais aparece coisas. Então, precisamos focar nos jogos e vencer para sair dessa situação”, disse o lateral, tentando se mostrar tranquilo, enquanto via alguns torcedores o ofender efusivamente.

“Não vai balançar o barco, não. O São Paulo é um time grande. A pressão é normal. Lógico que o aconteceu ontem eu não tinha visto no futebol brasileiro”, ponderou o volante Hudson, que teve discurso parecido ao de Denis.

“Não é a primeira vez que passo por isso. No meu ex-clube eu já tinha passado por uma situação dessa. Mas a equipe precisa vencer. Só a vitória vai tirar a gente dessa situação. Hoje nós criamos, o goleiro deles fez grandes defesas. Precisamos ter calma e voltar a vencer”, analisou o camisa 1, desafiado a comparar a situação atual com a que passou a equipe há três anos.

“Depende ponto de vista. Em 2013, nossa equipe entrou na zona do rebaixamento e foi muito difícil sair. Esse ano espero nem chegar mais perto e não passar por isso novamente. Todos nós sabemos a dificuldade que é quando o time encosta lá embaixo. Precisamos vencer”, reforçou Denis.

O capitão Maicon repetiu seu discurso dos últimos jogos e, mesmo sem citar nomes para não piorar ainda mais o clima no São Paulo, cobrou uma pontaria melhor na hora de concluir as jogadas de gol. Neste domingo, Chavez perdeu pelo menos duas grandes chances.

“Não fazemos gol. A equipe toda, não só os atacantes. Temos sempre uma ou duas oportunidades claras. Isso é muito bom, mas não conseguimos efetuar. O tempo vai acabando e as coisas vão dificultando. O São Paulo até cria, mas não transforma em gols”, reclamou o zagueiro, seguido pelo jovem Luiz Araújo, que fez questão de mostrar personalidade.

“O que aconteceu ontem passou. Viemos focados para sair vitoriosos. Criamos, mas a bola não entrou. Tudo que vem acontecendo faz o grupo se fortalecer cada vez mais. O foco é tirar o time da posição incômoda na tabela. Só o São Paulo jogou hoje. Criamos, mas a bola não entrou”, concluiu o atacante.

3 comentários em “Carlinhos é hostilizado em saída de campo e Maicon pede gols ao time

  1. Não se preocupe não, Maicon, domingo vcs vão ver que o problema não é só o ataque que não faz gol, domingo vcs vão ver o quanto nossa defesa é fraca também, to torcendo para não ser mais de 3 x 0, mas já estou preparado para até uns 5 x 0.

    Nunca vi um time tão fraco no São Paulo, esse é de longe o pior time do São Paulo que já vi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*