Cañete no São Paulo: fracasso dentro de campo e prejuízo financeiro

O São Paulo apostou e investiu em Cañete, mas o retorno não chegou nem próximo ao que era esperado. Afastado há dez dias, o argentino também não é útil na hora de ser envolvido em negociações. O valor de mercado do meia é um dos entraves para a chegada de Cicinho, da Ponte Preta.

Contratado por R$ 4,7 milhões em julho de 2011, Cañete não vale a metade desse valor na visão da Macaca. Fracasso na área financeira e fracasso dentro das quatro linhas.

Até o fim do ano passado, ele só havia jogado quatro partidas pelo Tricolor, já que também sofreu com lesões. No início desta temporada, a expectativa para que Cañete apresentasse um bom futebol cresceu. Teve diversas oportunidades, participou de 17 partidas, mas pouco conseguiu fazer.

Em fevereiro, Ney Franco tinha na cabeça que o argentino poderia ser a solução para o time, que ainda não havia encontrado uma forma de jogar com a saída de Lucas. Após marcar contra o Atlético Sorocaba e ter bons momentos diante do Santos, Cañete foi titular contra a Ponte Preta, no Morumbi, e perdeu a chance de conquistar o técnico.

Um dia antes, a diretoria renovou o contrato dele até 2016. Mas o argentino não se destacou mais, voltou a ficar em segundo plano e abaixo das condições físicas do restante do elenco. Depois da eliminação da Libertadores, veio a confirmação de que Cañete não estava mais nos planos do clube.

Com outros seis jogadores, ele foi afastado do grupo principal e treina na Barra Funda, enquanto aguarda para ser negociado.

A contratação do meia pelo São Paulo foi complicada. Ele pertencia ao Boca Juniors (ARG), mas estava emprestado a Universidad Católica (CHI). O Tricolor desembolsou 3 milhões de dólares (R$ 4,7 milhões), e agora avalia que o atleta ainda vale cerca de R$ 4 milhões.

Aos 23 anos, o jogador que chegou com status de “novo Riquelme” e esperança para o meio de campo, virou um grande prejuízo ao São Paulo.

Cañete no Tricolor

Em  2011
2 jogos – O argentino foi contratado no meio da temporada. A estreia aconteceu contra o Fluminense, no fim de agosto. Ele só voltou a jogar apenas dois meses depois, contra o Vasco, em São Januário, mas sofreu grave lesão na partida.

Em 2012
2 jogos – O meia passou o ano inteiro em tratamento da lesão no joelho direito e em busca de seu condicionamento físico. O argentino só jogou nas últimas duas rodadas do Brasileirão, ambas como reserva.

Em 2013
17 jogos – Cañete teve diversas chances no início deste ano. Ele fez a pré-temporada com os demais jogadores e foi usado quando o técnico Ney Franco poupou os titulares. Até chegou a ter chance com o time titular, mas foi mal.

As lesões do meia

Coxa direita
Cañete chegou ao São Paulo em processo de recuperação de uma lesão muscular na coxa direita. Contratado em julho de 2011, ele ficou em tratamento e só foi estrear no fim de agosto, contra o Fluminense.

Coxa esquerda
Após jogar alguns minutos em sua estreia pelo clube, o meia deixou o campo sentindo dores na coxa esquerda. Um exame apontou lesão.

Joelho direito
Foram mais dois meses longe dos gramados. Ele retornou em São Januário, contra o Vasco. Entrou durante a segunda etapa e logo rompeu os ligamentos do joelho direito. Só voltou a jogar nas últimas rodadas de 2012.

Fonte: Lance

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*