Após queda, Muricy cobra agilidade por reforços para Libertadores

Bastou ser eliminado na semifinal da Copa Sul-americana para Muricy Ramalho falar abertamente sobre o planejamento do São Paulo para 2015. Na madrugada de quinta-feira, depois de perder para o Atlético Nacional nos pênaltis a última chance de título da temporada, o discurso padronizado sobre o assunto mudou de tom, e o treinador revelou descontentamento com a demora da diretoria comandada por Carlos Miguel Aidar em fechar reforços.

“Já temos uma base, mas ainda falta. Precisamos de um plantel maior, inclusive. Tem que começar a se programar três meses antes de acabar o ano. Conversamos com a diretoria, só que não aconteceu ainda, e tem que acontecer. Conversei com o presidente hoje (quarta-feira). Estamos muito lentos. Temos que apertar um pouco mais, porque isso aqui é gigante. Não pode ficar nessa de ‘ah, estou vendo’. Se quer o cara, tem que ir para cima”, disse.

Segundo ele, são poucos os jogadores pretendidos para deixar o elenco a seu gosto para a disputa da Copa Libertadores do ano que vem. Um deles virá para ocupar a vaga do meia Kaká, que está emprestado pelo Orlando City apenas até dezembro. As demais posições não são reveladas pelo técnico, a fim de não criar qualquer tipo de desconforto dentro de seu grupo, principalmente tendo o Campeonato Brasileiro ainda em disputa.

Djalma Vassão/Gazeta Press

Com vaga assegurada para o torneio no ano que vem, treinador são-paulino pediu novas contratações

“Já temos o que a gente necessita, o perfil dos jogadores, não são muitos. A base está boa, faltam poucos jogadores, mas faltam. O que a gente quer? Aqui não pode pensar diferente, estamos em uma competição que a torcida adora, que é a Libertadores. Só que, com esse plantel, não dá. Temos que acelerar um pouco mais, caprichar um pouco mais”, argumentou o comandante, satisfeito apenas por ter reformulado o time depois da pífia campanha da temporada passada, na qual foi contratado para evitar o rebaixamento à Série B.

“Para tirar o São Paulo daquela situação, só mesmo um treinador que conhecesse bem o que é o clube, em todos os sentidos” gabou-se. “Foi um ano muito duro, tentando se salvar e tentando melhorar o ambiente no CT, que era muito ruim. Eu, que cheguei ao clube em 1964, nunca tinha visto uma situação daquela, em que ninguém estava aí com nada. Cair para a segunda divisão seria um prejuízo incalculável”.

Mantido na elite nacional e agora classificado para o principal torneio do continente, Muricy acredita que possa atrair mais facilmente eventuais reforços. “Antes, ninguém queria vir para cá”, comparou, pressionando os dirigentes a usufruir da condição a que ele levou a equipe.

 

Fonte: Gazeta Esportiva

Um comentário em “Após queda, Muricy cobra agilidade por reforços para Libertadores

  1. Como é bom se gostar tanto!…
    Manda ele comparar o elenco do SP com o do Atlético Mineiro e fazer uma comparação entre as formas dos times jogarem.
    E, por favor, me avisem, que isso eu não posso perder….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*