2017 não é ano para o São Paulo esquecer; é para lembrar o tempo todo

O alívio traz uma tentação: tocar a bola para a frente, fingir que não aconteceu, esquecer. É o maior equívoco que o São Paulo, agora livre do rebaixamento, pode cometer. A salvação não deve tornar 2017 um ano a ser apagado. É o contrário: deve fazer com que ele seja lembrado o tempo todo – até que se aprenda com ele. Caso contrário, 2018 pode trazer outro martírio.

O torcedor tricolor, nesta segunda-feira, vai querer repetir aquele lema: “Time grande não cai”. Tem mais é que dizer mesmo – a zoeira é soberana, e Hernanes também tem todo o direito.

Mas tem um porém: time grande cai, sim. E o São Paulo ficou em vias de cair. Por alguns motivos:
  • Porque virou o elenco de ponta-cabeça, com chegadas e saídas, enquanto corria a temporada;
  • Porque colocou seu maior ídolo como treinador mais pela idolatria do que por convicção em seu trabalho, como a demissão em julho mostrou;
  • Porque teve uma sucessão de diretorias que permitiram que o clube parasse no tempo.

Outros fatores impediram o rebaixamento. Dois são centrais:

  • A aposta segura em Dorival Júnior depois da saída de Rogério Ceni. Naquele momento, o São Paulo não poderia errar;
  • E, acima de tudo, a chegada de Hernanes.
Hernanes salvou a pátria; e quando uma pátria precisa ser salva, é porque há algo de errado (Foto: Rubens Chiri / site oficial do SPFC)

Hernanes salvou a pátria; e quando uma pátria precisa ser salva, é porque há algo de errado (Foto: Rubens Chiri / site oficial do SPFC)

Hernanes esteve em campo em 19 partidas com o São Paulo na competição. Fez nove gols, deu três assistências e alcançou 50,8% de aproveitamento (índice de sexto colocado). Sem ele, o rendimento tricolor foi de 33,3% (superior apenas ao Atlético-GO). No domingo, o empate por 0 a 0 com o Botafogo escancarou a falta que o meia faz.

De tão decisiva, a presença de Hernanes deixa uma dúvida: como seria o futuro de Rogério Ceni se ele tivesse a oportunidade de usar o jogador? Ceni foi demitido em 3 de julho; Hernanes reestreou 26 dias depois.

O jogador foi um salvador da pátria para o São Paulo. Mas quando uma pátria precisa ser salva, é porque há algo errado nela. Em um clube que só tem a Sul-Americana de 2012 como título na década, isso parece bastante evidente.

Dorival foi uma escolha segura da diretoria em um momento em que não poderia errar (Foto: Marcos Ribolli)

Dorival foi uma escolha segura da diretoria em um momento em que não poderia errar (Foto: Marcos Ribolli)

Nas duas rodadas finais do Brasileirão, o São Paulo ainda brigará por uma improvável classificação para a Libertadores do ano que vem. Com ou sem a vaga, o clube passará por nova reformulação no elenco. E é necessário que esse processo esteja resolvido no começo do ano. Assim, será menor o risco de um treinador, lá em novembro, falar o que Dorival falou neste domingo:

Fonte: Globo Esporte

2 comentários em “2017 não é ano para o São Paulo esquecer; é para lembrar o tempo todo

  1. O mérito de se safar de um ridículo rebaixamento tem dois responsáveis, apenas dois: a TORCIDA e a chegada do HERNANES. Nem Dorival, nem Leco… se fosse somente por eles estaríamos lá em baixo até agora.

  2. Concordo não é ano para esquecer, tem q se lembrar pra não cometer os mesmos erros, de anos dessas diretorias incompetentes e arcaicas , pior de tudo mta gente tentando levar vantagens $$$.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*