O time dos empates empatou mais uma em casa

Amigo são-paulino, leitor do Tricolornaweb, o São Paulo conseguiu mais um empate, em casa, agora contra o Grêmio. Sim,  o time dos empates que empatou  neste segundo turno, em casa, contra América-MG, Atlético-PR, Fluminense, Flamengo e agora Grêmio. E quer ganhar campeonato como?

Sei que já fui chamado de corneteiro, mas tenho dito reiteradamente e não vou me cansar de falar e escrever: o São Paulo não pode mais ser coadjuvante. Tem que voltar a ser protagonista.

É fato que, por incrível que pareça, jogamos melhor do que o Grêmio. Os gaúchos deram um único chute a gol no primeiro tempo, obrigando grade defesa de Jean. O São Paulo, que foi dominado nos primeiros 15 minutos, tomou as rédeas da partida a partir deste ponto e me fez crer que poderia vencer. Mas com Trelles não acertando um chute a gol – ele é centro-avante -, Nenê não concluindo uma única jogada, os pontas tentando alguma coisa, mas geralmente perdendo de seus marcadores e dois volantes que não conseguem arriscar um único chute a gol, me fez crer que desta vez tivemos a bola, mas não conseguimos transformar a superioridade em gol.

Menos mal que André Jardine não inventou. Fez o arroz com feijão e colocou o time que ganhou quase tudo no primeiro turno. Só não tinha Rojas. Entrou Helinho. Clamor da torcida. Nem digo que decepcionou, mas mantém uma pegada que já tinha no sub-20: se desliga do jogo muito facilmente. E não me venham dizer que estou querendo queimar o garoto. Peguem tapes dos juniores e me digam se estou errado. Ele não era titular nas equipes de base exatamente por esse marasmo em que as vezes se envolve.

Segundo tempo e o São Paulo melhor. Algumas chances apareciam, mas caíam com Trelles. Ou ele errava, ou cometia falta. Entrando no segundo tempo ele vinha salvando a equipe. Mas nos enganou. Começando o jogo percebemos o quão ele é ruim. Colombiano por colombiano, enquanto uns contratam Borja, nós contratamos Trelles. Bem sinal dos nossos dias de hoje.

Estava evidente que Hudson não poderia continuar em campo. Estava errando mais do que o Trelles. Mas o primeiro a sair foi Helinho, para a entrada de Antony. Eu até poderia criticar o Jardine por isso, mas ele explicou na coletiva que Helinho pediu a substituição por estar com câimbras nas duas panturrilhas. Aí veio Shaylon no lugar do ineficaz Nenê. Aliás, pelo que jogou nesta quinta-feira, dá para perceber a razão do Aguirre tê-lo colocado na reserva.

Shaylon, por incrível que pareça, foi melhor que Nenê. Mas não se iludam. Shaylon é Shaylon. Isso só basta para não nos iludirmos.

Por fim Liziero entrou no lugar de Hudson. Acho que Jardine demorou demais para essa alteração. Mas fez. E não vou crucificar o técnico do São Paulo. Foram apenas três dias de treinamento. Impossível imaginar que ele vá dar novo padrão para o time em tão curto espaço de tempo.

Continuamos na briga pelo G4, mas deixamos de ganhar no confronto direto, de quem está na nossa frente (em número de vitórias). Agora não dependemos só de nós para entrarmos na fase de grupo da Libertadores.

Pode parecer uma bobagem essa, mas se entrarmos na pré-Libertadores, muda toda a fase de preparação. O planejamento que foi feito com Florida Cup vai por água abaixo, porque a pré-Libertadores começa em fevereiro, enquanto a fase de grupos só começa em março.

Mas não há o que reclamar. Foi o próprio elenco quem determinou essa sorte. Portanto, que se virem para mudar.

 

7 comentários em “O time dos empates empatou mais uma em casa

  1. “Menos mal que André Jardine não inventou.” Essa frase resume bem o sentimento da torcida.

    Seria muita ingenuidade esperar uma grande e imediata evolução com a entrada de Jardine. As coisas não acontecem da noite pro dia. De qualquer maneira, ficou claro que os jogadores não derrubaram Aguirre. Todo mundo correu a mesma porcaria de sempre.

    Nenê não merece ser injustamente perseguido. Tem feito uma temporada muito acima da espectativa. Estava brigado com Aguirre. Mas quem não estaria no seu lugar? Vendo seu comandante fazer burrada atrás de burrada? Normalmente, faz mais os outros brilharem do que a si próprio. Porém, com Trelles, Hudson, Reinaldo, Liziero, etc é tarefa das mais inglórias.

    Helinho precisa ser obsevado pelos fisiologistas. Muito estranho, tão jovem com câimbras nas duas pernas, sem ao menos ter corrido para tanto.

  2. Nosso time e a kara da diretoria, dos conselheiros e do petezao fan do che da vara.
    Viramos segunda linha, sim segunda linha.
    Nem adianta criticar jogadores se e isso que temos.
    Entra ano sai ano, entra tecnico sai tecnico e e uma dose repugnante total.
    Criticar porque, nos levaram numa situacao confortavel que ate vamos chegar na Libertadores pela via rapida ou nao.
    Ainda nao passamos karao de estarmos frequentando a zona da degola.
    Se tem alguem que precisa ser criticado ja disse acima, um time sem reposicao num campeonato dificil e longo, coisa de gente que nao luta pela gloria do time que nos representa e sim agregam outros valores.

  3. Todos sabíamos que o elenco era o ponto fraco do SPFC no Brasileiro com 38 jogos, vide a diferença que o Palmeiras tinha pra nos alcançar e a diferença que ele abriu.
    Com um elenco mais qualificado poderíamos ter conquistado ao menos 10 pontos a mais, o que nos manteria na briga pelo título sendo o Aguirre ou o Jardine o técnico.
    O que espero para o ano que vem é a agregação de valor qualitativo à este elenco, sem a costumeira baciada de saídas e chegadas , mas que saiam os quê infelizmente não agregam valores de campeões e tragam jogadores vencedores com objetivos de fazer história no SPFC.
    Infelizmente isso não se faz apenas com Boa vontade e inteligência que são preponderantes , mas o Leco vai ter que abrir o cofre e o Raí gastar bem e pontualmente o dinheiro .
    O SPFC necessita ao menos ganhar um Paulista ano que vem , melhor do que disputar a libertadores na fase de grupos ou entrando na pré sem condições para ser campeão.
    Dificilmente sairemos da lama e conquistaremos a América como que por milagre, que as vezes acontecem.

  4. O Jardine fez o possível…o time ruim do São Paulo é esse…dois volantes que mal sabem marcar não sabe sair jogando não chutam a gol…um lateral direito que é ruim defendendo e pior atacando…mais como é ruim esse Bruno Peres…o Nenê não disse pq entrou em campo…Trellis dispensa comentários…temos que se conformar esse é o time fraco. Pequeno. Limitado. Ruim…

  5. O Jardine fez o melhor que poderia, colocou o que tem d melhor em campo, sim, eh issi que tem! Não temos 3 substitutos para João Rojas, Carneiro e Diego Souza, só os garotos da base, que demonstraram personalidade, mas precisam de tempo e paciência com eles, foram bem no meu entender e vão evoluir.
    O que não dá pra aceitar eh Trelles, Bruno Peres e Hudson jogarem tão mal sempre.
    Pelos desfalques e por ter jogado contra um dos melhores times da América, o SPFC foi bem até, faltou um goleador, por mais que Diego Souza morra em campo, mas ele oferece mais perigo que o Trelles.
    Vamos apoiar o Jardine e os garotos, eles são a esperança desse SPFC do Leco fracassado e do admirador do Che Guevara!

  6. O Sr. “Mimimi” tem que jogar bola. Ontem, como todos, foi péssimo vê-lo em campo. O SPFC continua com a cara do papai Leco: cara de derrota!

  7. Não concordo com a sua crítica ao Nenê. A meu ver, ele e o Éverton foram os puxadores do time hoje com muita garra e qualidade. No mais estou de acordo. Vale adicionar apenas que esse time com o Diego Souza teria mais poder de finalização e teria mais chance de vencer. Comparando o que time time jogou no sábado passado com o que jogou hoje, já vemos uma grande melhora. Ficou claro que a decisão da diretoria foi acertada. O que nos colocou nessa situação foram os repetidos erros do Aguirre. Vamos apoiar pra tentarmos ficar entre os 4 primeiros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*