Sábado tem eleição. Pouca coisa pode mudar

Amigo são-paulino, leitor do Tricolornaweb, sábado os sócios do clube irão eleger 80 conselheiros que, por sua vez, se juntarão aos vitalícios para elegerem, dia 16, o novo presidente. Infelizmente não tenho esperança de grandes mudanças no comando do clube.

Em primeiro lugar é preciso deixar claro que o sócio do São Paulo não pode ser responsabilizado pelo eventual continuísmo. Ao sócio cabe muito pouco, pois a gestão ditatorial e monárquica de Juvenal Juvêncio, com diversas nomeações de conselheiros vitalícios nesse período, o deixou com domínio total no Conselho.

Mas, ainda que haja uma grande surpresa na eleição de sábado, coisa que não acredito que aconteça, e a oposição consiga eleger uma grande maioria de conselheiros, e criar chance de vitória no dia 16 de abril, elegendo Kalil Rocha Abdalla para a presidência do clube, acho que pouca coisa mudará.

Vencendo Carlos Miguel Aidar, os homens que comandam o clube e, consequentemente o futebol, continuarão dando as cartas. Entenda-se aí a mão de Juvenal Juvêncio. Vencendo Kalil Rocha Abdalla, entendo que ele não possui a personalidade necessária para comandar o São Paulo. Ou seja, no português bem claro: se correr o bicho pega, se ficar o bicho come.

No entanto, o que mais está me assustando é o nível desta campanha, com ofensas profundas dos dois lados e jogadas políticas dignas do que vemos por aí nas eleições de deputados.

Apenas um exemplo que dou aqui: Antonio Donizete, o Dedé, diretor de Esportes Amadores, ganhou tanta força, mas tanta força, que está assombrando o próprio candidato Carlos Miguel Aidar. Recentemente dentro do clube, ao ser questionado por um postulante ao Conselho a razão de ter sido preterido em sua chapa, foi agredido com três socos na cara.

Outras discussões ríspidas tem acontecido nas piscinas, na Ginástica, no Futebol Social, enfim, o clima está deteriorado, pois tomou vulto muito maior do que deveria. E aqui há um único culpado: Juvenal Juvêncio, que rasgou o estatuto, mudou tudo para se perpetuar no poder, esmagou a oposição e gerou essa intolerância.

Eu espero, sinceramente, que os sócios consigam enxergar os melhores candidatos para votar, que percebam alguns que não são são-paulinos e, portanto, não merecem o voto. E que os eleitos honrem a missão soberana de pertencerem ao Conselho Deliberativo do maior do mundo.

6 comentários em “Sábado tem eleição. Pouca coisa pode mudar

  1. ????? Voce trocaria o time do Ituano pelo nosso ????????
    Com certeza não, é um catadão com jogadores bem treinados
    que fazem o que o tecnico pede, e não ganham o
    absurdo que os nossos ganham, para não jogar nada.
    Enfim, esse é o futebol atual, apenas midia e enganação.
    Mas, que eles tem catados melhores que os nossos,
    ahhhhh isso eles tem mesmo, principalmente a zaga,
    volantes e atacantes.
    Quase tudo melhor que esses amarelões.

    • NÃO é assunto do post,
      mas aproveitei a vitoria do ITU
      em cima do badalado sardinha e
      tambem de seus ct que forma tambem
      mediocres iguais aos nossos.
      Como disse as vezes sai um Lucas ou neimala.

  2. Caro Paulo Pontes, como torcedor de arquibancada e pela idade hoje, muitas vezes de sofá, fico preocupado com o quadro que vem se desenhando no São Paulo, reputo ao fato do Sr. Juvenal ter destoado muito ao nível da maioria dos que por este cargo passaram.
    Realmente o nível está tão baixo que em uma simples entrevista o candidato da situação expõe os sócios a um ridículo sem precedentes quando se refere a “um monte de gordo de roupão na ante-sala comendo porco assado, carneiro recheado, tomando garrafas de cerveja”, é um quadro no mínimo grotesco, que ninguém tem nada a ver com isso e desta forma não precisa ser exposto.
    Pelo que vimos algum tempo atrás quando elementos da torcida organizada agrediram sócios no interior do clube e agora esta agressão que você relata, dá realmente o que pensar quanto ao nível em que as coisas andam.
    Outro fato que vejo como agravante é o destino do clube poder estar nas mãos de torcedores de outras agremiações.
    Como a meu ver, a essência do clube é o futebol, sem o que, o clube social provavelmente não existiria, toda esta baixaria está afetando diretamente a essência, deixando o simples torcedor pensando que talvez fosse diferente se uma torcida cadastrada não seria mais adequada para eleger os dirigentes, do que gordos que comem e bebem desvairadamente e pior, que podem torcer por porcos e gambás.
    É Paulo, com certeza já não é mais o São Paulo que aprendi, a partir da década de 50, a admirar, infelizmente não souberam manter o que tínhamos de melhor, a arte de gerir com classe, sem descer o nível, pelo menos publicamente, por piores que fossem os momentos.
    Que novas e iluminadas cabeças apareçam para reverter esta situação e colocar o tricolor nos trilhos, dentro da modernidade e do dinamismo, que o mundo de hoje exige, mas com a classe inerente dos verdadeiros líderes.
    Abraço.

  3. Caro amigo Paulo, a chance para mudarmos a estrutura administrativa viciada e aparelhada sem parcimônia pelos componentes da atual gestão é esta. A próxima eleição será somente daqui há 6 anos. As alterações estatutárias engendradas de forma sorrateira pelos assessores do Sr. JJ, também alterou o mandato dos Conselheiros eleitos pelos associados. De um mandato de 4 anos passamos para um novo de 6 anos, ou seja, tempo suficiente para acalmar o ímpeto da oposição e sedimentar a maneira JJ de agir. Ou será que alguém tem dúvida de que JJ continuará dando as cartas e jogando de mão? Ele já disse, vai se encastelar em Cotia… Assim, o que já está ruim, tende a piorar ainda mais. Associado e torcedor do Tricolor: quem sabe faz a hora não espera acontecer!

    • Porque não vai mesmo pras suas propriedades e nos deixe em paz.
      Dizem que setenta por cento da nossa populaçao apenas sabem
      assinar seu nome, os outros trinta sabem e muito, mas são coniventes
      sempre com alguma coisa relacionada a poder, portanto tambem
      são cabestrados tambem. Nós torcedores apenas torcemos e nada mais,
      e acho que já é muita coisa do jeito que a situação está por todo lado.
      O que era uma obsessão, uma paixão com certeza virou apenas
      negociatas.
      Quando aproveitaram um ex-idolo em cargos diretivos,
      ???? Será que Ceni conseguirá romper essa barreira ??????

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*